clique aqui e encontre um template com a sua cara - template for blogger»

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

HERÓIS EM AÇÃO: ZATANNA



   Hocus pocus. Abracadabra. Palavras mágicas que habitualmente acompanham os truques de ilusionistas e prestidigitadores. Meros aprendizes de feiticeiros quando comparados com Zatanna, mestra das artes arcanas que tem uma forma muito peculiar de conjurar os seus encantamentos: dizendo as frases de trás para a frente. Não se deixem, porém, iludir pelo seu visual pitoresco (misto de Mandrake e coelhinha da Playboy) pois Zatanna é uma poderosa feiticeira, descendente de uma longa linhagem de magos e alquimistas. Sem truques na manga, fiquem agora a conhecê-la melhor...
 
 
Criadores: Gardner Fox e Murphy Anderson
Primeira aparição: Hawkman nº4 (novembro de 1964)
Licenciador: Detective Comics (DC)
Identidade civil: Zatanna Zatara
Parentes conhecidos: Giovanni "John" Zatara e Sindella Zatara (pais falecidos), Zachary Zatara (primo), Nostradamus, Cagliostro e Leonardo Da Vinci (antepassados paternos).
Filiação: Liga da Justiça da América, Sete Soldados e Sentinelas da Magia
Base de operações: Shadowcrest
Poderes e habilidades:Desconhece-se ainda a verdadeira extensão dos poderes de Zatanna. Ela já mostrou ser capaz de comandar os elementos, curar, transformar e transportar objetos, manipular mentes, etc. Além desses poderes, Zatanna consegue ler cartas de Tarô, ver o futuro numa bola de cristal e até emitir profecias. É ainda imune a ataques psíquicos. O uso excessivo dos seus poderes pode exauri-la, forçando-a a hibernar até o seu organismo se recuperar totalmente.

     Zatanna é filha do famoso mágico Giovanni "John" Zatara e de Sindella, da raça mística Homo Magi. Na sua árvore genealógica, pontuam alquimistas, profetas e magos como Leonardo Da Vinci (de quem herdou o gosto pela escrita invertida), Nostradamus e Cagliostro.
     Algum tempo após o nascimento de Zatanna, Sindella simulou a sua própria morte num acidente de carro e voltou para o seu povo, na Turquia, evitando assim, que a filha fosse capturada por membros da Homo Magi.
     Antes de descobrir os seus poderes mágicos, Zatanna era uma bem-sucedida ilusionista. Isto aconteceu quando ela investigava o misterioso desaparecimento do seu pai. Com a ajuda de Batman e de outros heróis, conseguiu encontrar o progenitor que lhe ensinou tudo  o que sabia sobre ilusionismo e feitiçaria. Zatanna revelou ter mais potencial do que os seus pais juntos.
     Nesse período, a jovem Zatanna teve uma relação romântica com John Constantine quando ambos se encontraram num grupo de estudos tântricos em São Francisco. Como Zatanna ainda era uma adolescente, Zatara desaprovou esta união por achar que a sua filha merecia um homem melhor, mais inteligente e mais honrado que Constantine. O casal separou-se logo após um incidente em Newcastle onde Constantine, com a ajuda de três anjos, destruiu o demónio Nergal e foi em seguida internado num hospício.
     Ainda durante a adolencência de Zatanna, Giovanni Zatara foi atacado e amaldiçoado pela metade maligna de um ser chamado Allura. A maldição dizia que Zatanna e Zatara morreriam se os dois se tornassem a olhar fixamente . Incapaz de quebrar a maldição, Zatara decidiu então deixar Terra e viajar por entre vários reinos místicos na tentativa de encontrar um meio de reverter a mesma.
     Zatanna cresceu e iniciou uma carreira como ilusionista, seguindo os passos do seu pai. Rapidamente ela se tornou uma super-heroína (como o pai). Nesse período, Zatanna aprimorou com mestria os seus poderes e passou a figurar entre os principais ocultistas da Terra. Quando achou que já estava pronta, iniciou uma busca para resgatar o seu pai. Para isso, reuniu alguns heróis da Liga da Justiça da América (LJA) e juntos foram para a dimensão mística de Kharma, onde Zatara estava. Lá, encontraram a contraparte heroica de Allura que forçou a sua parte maligna a remover a maldição.
    De volta ao nosso mundo, Zatara decidiu aposentar-se, deixando o legado da família para a sua filha, que passou a dividir a agenda das suas apresentações com o combate ao crime, lutando ao lado da LJA por várias vezes até se tornar membro efetivo da equipa.
Zatanna (junto ao Flash e com o antigo visual) com a Liga da Justiça.
     
     Durante o seu período na LJA, Zatanna descobriu que a sua mãe estava viva e, juntamente com seu pai, foi procurá-la na Turquia. Mas esta história não teve um final feliz pois Sindella  sacrificou-se destruindo o seu povo para salvar Zatanna.
    Na série televisiva "Smallville", Zatanna é interpretada por Serinda Swan e prega algumas partidas ao jovem Clark Kent não deixando contudo de ser uma prestimosa aliada no combate ao Mal.
Serinda Swan é Zatanna em "Smallville".

terça-feira, 15 de novembro de 2011

DO FUNDO DO BAÚ


     
     Se a memória não me atraiçoa, O Incrível Hulk nº8 (fevereiro de 1984) foi a primeira revista que li do Golias Esmeralda. Já conhecia, contudo, a personagem através das suas participações noutros títulos do universo Marvel.
      Confesso que, antes de ler a primeira das três histórias que integram o volume em questão, não nutria especial simpatia pelo gigante verde. Considerava-o um brutamontes irracional que destruía tudo à sua passagem e repetia até à náusea "Hulk esmaga!". Foi, porém, a presença do Capitão Marvel na capa que despertou a minha curiosidade, visto tratar-se, à época, de um dos meus heróis favoritos  (e sobre o qual falarei aqui brevemente).
      Com o sugestivo título "Devastação!", a história, da autoria de Bill Mantlo e ilustrada por Sal Buscema, mostrava o regresso do Hulk à Base Gama - localizada algures no deserto do Novo México - a fim de resgatar Jarella, a sua amada alienígena. Ambos haviam, em tempos, vivido um romance fugaz no universo subatómico de onde Jarella provinha. Nesse mundo microscópico, Hulk era aceite porque todos os seus habitantes eram verdes como ele. Pela primeira vez na sua amargurada existência, o Golias Esmeralda foi feliz. Contudo, Hulk teve de retornar à Terra e Jarella seguiu-o, apenas para morrer esmagada por uma parede ao salvar uma criança. Esse ato heroico fez Hulk amá-la ainda mais e aumentou a dor causada pela sua perda. Hulk jurou então que devolveria Jarella ao seu mundo natal e para isso viajou até à Base Gama para recuperar o corpo da sua amada.
      À sua espera, porém, estavam os militares, comandados pelo major Talbot que tinha velhas contas a ajustar com o Hulk, a quem culpava, entre outros infortúnios, pelo seu divórcio de Betty Ross. Escusado será dizer que o ataque dos militares apenas serviu para enfurecer o Hulk. Cabe então ao Capitão Marvel impedir que o monstro mate Talbot e ajudar o Golias Esmeralda a viajar até ao mundo subatómico de Jarella, comovido pelo sofrimento da criatura. Não sem antes levar uns safanões, claro...
      Passei a ver o Hulk com outros olhos depois de ler esta história: em vez de um monstro violento, o gigante verde revelou-se uma criatura incompreendida e solitária que apenas queria ser deixada em paz. É comovente a cena em que Hulk encontra o corpo sem vida da sua amada e, abraçado a ele, verte uma lágrima. Até o coração de um monstro pode ser quebrado.
      A segunda história apresentada em  O Incrível Hulk nº8  tem como protagonista  Rom, o Cavaleiro do Espaço que prossegue o seu incansável combate contra os maléficos Espectros (vide Heróis em Ação: Rom). Para fechar com chave de ouro esta edição repleta de emoção, uma aventura do Quarteto Fantástico que, com a preciosa ajuda do Capitão Marvel (que, mesmo não sendo ubíquo,  duplica assim a sua participação), enfrentam os Skrulls, os alienígenas transmorfos que adoram fazer-se passar por humanos para atingirem os seus nefastos objetivos.
     Recordo que o título "O Incrível Hulk" foi lançado no Brasil pela editora Abril em julho de 1983, tendo sido publicados 165 números, até ao seu cancelamento em 1997. Foi justamente depois dessa data que decidi adicionar essa coleção ao meu acervo, o que se revelou um desafio difícil porém frutoso: orgulho-me de hoje em dia possuir a coleção completa de "O Incrível Hulk" (incluindo os 5 primeiros números que, tanto quanto sei, são inéditos em Portugal).