clique aqui e encontre um template com a sua cara - template for blogger»

quinta-feira, 1 de março de 2012

BD CINE APRESENTA: GHOST RIDER

     
         No dia em que estreia nas salas de cinema portuguesas o segundo filme do Motoqueiro Fantasma, pareceu-me apropriado recordar a primeira incursão no grande ecrã deste herói pouco ortodoxo.
         Cumprindo o seu velho sonho de encarnar um super-herói no cinema,  em 2007 Nicholas Cage vestiu a pele (metaforicamente falando, claro) do Motoqueiro Fantasma numa produção milionária e com um elenco de luxo. O que não evitou, porém, que o filme fosse arrasado pela crítica e que fosse recebido com relativa indiferença pelos fãs. Ainda assim, obteve uma considerável receita de bilheteira abrindo caminho para o lançamento da atual sequela.

Título original: Ghost Rider
Ano: 2007
País: Estados Unidos da América
Duração: 114 minutos
Argumento e realização: Mark Steven Johnson
Elenco: Nicholas Cage (Johnny Blaze/Motoqueiro Fantasma), Eva Mendes (Roxanne Simpson), Peter Fonda (Mefistófeles) e Wes Bentley (Darkheart)
Orçamento: 110 milhões de dólares
Receita: 228.738 milhões de dólares
Sinopse: Johnny Blaze ( Nicholas Cage) é um famoso acrobata de duas rodas que na adolescência fez um pacto com um demónio de nome Mefistófeles (Peter Fonda) para salvar a vida do seu pai. Em troca, recebe a maldição secular do Ghost Rider, um agente ao serviço do Diabo. A sua missão consiste em caçar almas maldosas na Terra e levá-las para o Inferno.
Johnny Blaze recebe a visita de Mefisto.
              Quando Roxanne Simpson (Eva Mendes), o seu primeiro grande amor, regressa inesperadamente à vida de Johnny, este acredita que poderá ter uma segunda oportunidade de ser feliz. Para isso terá de derrotar Blackheart (Wes Bentley),  o filho rebelde de Mefistófeles, que fugiu  do Inferno com o fito de conquistar a Terra. Conta  para isso com a ajuda dos demónios chamados The Hidden. Muito tempo atrás, cada um eles fora  preso por São Miguel nos elementos da Natureza -Terra, Ar e Água. O demónio Gressil possui a Terra, Abigor o Ar e Wallow a Água, sendo que o Motoqueiro Fantasma é o possuidor do Fogo.
            Enquanto Mefistófeles e o Motoqueiro Fantasma usam e abusam do tradicional fogo infernal, Blackheart parece congelar tudo à sua volta, petrificando as suas vítimas.
            Johnny terá assim que usar a sua maldição para o bem, detendo os planos de Blackheart com a ajuda de Carter Slade, seu antecessor.
Darkheart e os seus comparsas demoníacos.
Curiosidades: A personagem Carter Slade é um tributo ao Ghost Rider original, entretanto rebatizado de Phantom Rider pela Marvel (vide "Heróis em Ação: Motoqueiro Fantasma"). Sucede que na banda desenha homónima, Carter é um homem comum que usa um uniforme branco e monta um cavalo da mesma cor, ambos cobertos com um pó fosforecente para produzir um efeito fantasmagórico.
Minha avaliação: Embora não seja completamente intragável e de, no essencial, se manter fiel à história original, a trama é demasiado previsível e não explora devidamente a interessante premissa de um jovem que, num gesto simultaneamente altruísta e desesperado, vende a alma ao Diabo para salvar alguém que ama. Mesmo para quem não é fã do género super-heroico, o Motoqueiro Fantasma, por estar mais próximo do arquétipo de anti-herói do que do tradicional escuteiro superpoderoso, é uma personagem apelativa a um público mais adulto. Contudo, a abordagem de Cage à mesma é, no mínimo, ridícula (alguém imagina um homem de barba rija como Johnny Blaze a beber cocktails de gomas?). O ambiente sobrenatural em que o Motoqueiro se move decerto atraiu um público composto por pré-adolescentes obcecados com vampiros e afins, o que não deixa de representar uma mais-valia para o filme. No final, salvam-se os efeitos especiais e alguma cenas de ação. Daí a minha nota ser 50% na esperança de que  Ghost Rider 2 não se limite a trazer mais do mesmo... 
     
O Motoqueiro Fantasma em ação.

4 comentários:

  1. Eu vi o primeiro filme e concordo com a tua avaliação.
    Vamos ver o que reserva o segundo filme do Motoqueiro Fantasma.

    ResponderEliminar
  2. eu gostei do primeiro filme, gosto de ver que o herói tenha um poder arrasador em relação aos oponentes, eu sei isso faz com que seja óbvio o final mas esses maus merecem uma boa surra!!
    e o que é bom é tiros e bombas e murros nas trombas!!!

    ResponderEliminar
  3. Eu até achei uma razoável adaptação para o cinema,claro que havia partes aonde podia ser mais sombrio,como na mini que saiu aqui na época pela ManiaBd,mas enfim apesar dos pesares até se safou.

    ResponderEliminar
  4. Não sendo totalmente intragável, o primeiro filme do Motoqueiro Fantasma, convenhamos, também não é uma obra-prima da 7ª Arte. Mesmo quando comparado com algumas outras adaptações recentes ao grande ecrã de super-heróis (Watchmen, Batman: Dark Knight, só para citar alguns), perde aos pontos. Oferece contudo uma boa dose de entertenimento com boas cenas de ação e efeitos especiais espetaculares.

    ResponderEliminar