clique aqui e encontre um template com a sua cara - template for blogger»

quarta-feira, 3 de abril de 2013

BD CINE APRESENTA: WATCHMEN





     Após o êxito de 300, Zack Snyder foi o realizador escolhido para adaptar ao cinema Watchmen, a aclamada saga da autoria de Alan Moore e Dave Gibbons. O resultado superou todas as expectativas, exceto as do próprio Moore.
 
Título original: Watchmen (em Portugal foi subintitulado "Os Guardiões")
Ano: 2009
País: EUA
Duração: 162 minutos
Realização: Zack Snyder
Argumento: David Hayter e Alex Tse (baseado no argumento original de Alan Moore)
Elenco:  Malin Akerman (Laurie Jupiter/ Silk Spectre II); Billy Crudup (Dr. Manhattan); Mathew Goode (Adrian Veidt/Ozymandias); Jackie Earle Haley (Rorschach); Jeffrey Dean Morgan (Edward Blake/Comediante); Patrick Wilson (Dan Dreiberg/ Night Owl II); Carla Gugino (Sally Jupiter/Silk Spectre I);
Produção: Em 1986, os produtores Lawrence Gordon e Joel Silver adquiriram os direitos de Watchmen para a 20th Century Fox, a fim de adaptarem a prestigiada série ao grande ecrã. Devido à recusa de Alan Moore em escrever o guião do filme, baseado na BD original, a Fox contratou Sam Hamm (um dos argumentistas de Batman), que tomou a liberdade de reescrever o final apocalíptico da saga. Porém, transcorridos cinco anos, a Fox vendeu o projeto à Warner Bros. A qual, por sua vez, desistiria dele em virtude da falta de financiamento. Entre 2001 e 2005 houve algumas tentativas frustradas de ressuscitar o projeto, envolvendo diversos estúdios e equipas de produção. Foi, contudo, preciso esperar até finais de 2005 para Watchmen começar enfim a ganhar  forma. Impressionados com o seu trabalho em 300 (adaptação cinematográfica de uma graphic novel homónima de Frank Miller), os mandachuvas da Warner Bros. convidaram Zack Snyder (que dirigiu também a mais recente longa-metragem do Homem de Aço) a ocupar a cadeira de realizador. Secundado por uma competente equipa de argumentistas e tendo como consultor Dave Gibbons (o ilustrador que deu vida ao conceito primordial de Moore), Snyder usou, a exemplo do que fizera em 300,  a banda desenhada como ponto de partida para o seu filme. Adicionalmente, extendeu as cenas de luta e pediu para que fosse introduzido um subtexto sobre fontes de energia, com  vista a tornar o filme mais socialmente comprometido. Alterações que, aos olhos de Alan Moore, se afiguraram blasfemas. Sendo essa uma das razões que explicam a recusa do autor em ter o seu nome associado a qualquer adaptação ao grande ecrã das suas obras.
               Com início em setembro de 2007 e tendo como cenário principal a cidade de Vancouver (Canadá), as filmagens ficaram concluídas em fevereiro de 2008. Estima-se que os custos globais do projeto tenham ascendido aos 130 milhões de dólares.
Orçamento: 130 milhões de dólares
Receitas: 185 milhões de dólares
Prémios e nomeações: 3 Saturn Awards (Melhor Filme de Fantasia, Melhor Guarda-roupa e Melhor Edição em DVD), 1 Scream Award (Melhor Filme de Super-heróis) e várias nomeações em categorias como Melhor Realizador, Melhor Atriz Secundária e Melhor Argumento, apenas para citar algumas.

 
Sinopse: O enredo de Watchmen desenrola-se em 1985, numa realidade alternativa onde os super-heróis são reais, Richard Nixon cumpre um terceiro mandato presidencial na Casa Branca e as tensões entre os EUA e a URSS estão ao rubro.
             Tudo começou em 1938, data da formação dos Minutemen, um grupo de vigilantes mascarados antecessores dos Watchmen. A existência dessas personagens mudou o curso da História: os superpoderes do Dr. Manhattan ajudaram os EUA a vencer a Guerra do Vietname, daí resultando as sucessivas reeleições de Nixon e uma vantagem estratégica do bloco ocidental em relação à URSS e seus aliados. Facto que, por sua vez, conduziu a uma escalada da tensão entre as duas superpotências, deixando o mundo à beira de um conflito nuclear. Outra consequência foi um crescente sentimento anti-super-heróis em território norte-americano, culminando com a ilegalização do vigilantismo. Ao passo que muitos dos antigos justiceiros mascarados optaram por se reformar, o Dr. Manhattan e o Comediante tornaram-se agentes ao serviço do governo estadounidense. Rorschach, por seu turno, continuou a operar na clandestinidade. É ele, de resto, que, ao investigar a morte do Comediante desconfia que está em curso uma conspiração para exterminar os Watchmen. Alertados pelo seu antigo camarada, os demais super-heróis revelam-se céticos quanto a essa possibilidade. Até começarem a ser caçados um a um por um misterioso e desapiedado assassino. Acossados, não resta aos Watchmen remanescentes outra alternativa que não regressarem ao ativo, de modo a deterem o diabólico plano do seu insidioso némesis. 
Curiosidades:

* O traje de Ozymandias é uma paródia aos uniformes de borracha utilizados em outros filmes de super-heróis, como Batman & Robin;
* A par dos direitos de Watchmen, em 1986 foram adquiridos os de V de Vingança, outra graphic novel escrita por Alan Moore que seria levada ao grande ecrã em 2005;
* Michael Bay (Armageddon, Transformers) chegou a ser cogitado para o cargo de realizador em 2003;
* Ao longo dos anos, circularam vários rumores relacionados com o elenco: nomes como Sigourney Weaver, John Hurt, Arnold Schwarzenegger e Tom Cruise, entre muitos outros, foram dados como certos num futuro filme baseado no universo alternativo idealizado por Alan Moore;
* Jeffrey Dean Morgan inicialmente rejeitou o papel de Comediante depois de ter lido as três primeiras páginas do enredo, por julgar irrelevante a personagem. Foi, todavia, persuadido pelo seu agente a aceitar o papel;
* Apresentado pela primeira vez aquando da estreia de Batman, O Cavaleiro Das Trevas, o trailer de Watchmen catapultou novamente a banda desenhada original para os tops de vendas nos EUA.

 
Minha avaliação: 81%
       Desde logo, Watchmen tem o mérito de ser um daqueles raros filmes que mistura vários géneros (drama, ficção científica e policial noir), sem daí resultar uma intragável mixórdia cinéfila. Tendo como pano de fundo uma realidade onde pontifica o sadismo e onde a linha que separa o Bem do Mal é tão sombria como as ruas da metrópole onde opera um grupo de super-heróis tremendamente humanos, Watchmen está longe de corresponder ao cânones das adaptações ao grande ecrã de super-heróis nascidos nos quadradinhos. Assassínio, violação, sexo, nudez e guerra são nele retratados sem pudor.  A profusão de violência - a espaços gratuita  - é, com efeito, uma das pechas desta película, servindo por vezes para distrair o espectador da narrativa hipnótica que se vai desfiando no ecrã.
       Classificada pelo próprio autor de "infilmável", a saga Watchmen, pelas mãos do visionário Zack Snyder, resulta num exercício visual intoxicante, complementado pela abordagem de temas complexos e tradicionalmente ausentes em filmes do género. Só por isto Watchmen está fadado a servir de referência a futuras adaptações cinematográficas do universo super-heroico, sendo notória a sua influência em produções mais recentes como Os Vingadores ou Batman, O Cavaleiro das Trevas Renasce.

 
 

1 comentário: