clique aqui e encontre um template com a sua cara - template for blogger»

segunda-feira, 1 de julho de 2013

DO FUNDO DO BAÚ




 
    A ser brevemente transposta para o cinema, «Dias de um futuro esquecido» é, a par da saga da Fénix, uma das melhores histórias dos X-Men de todos os tempos, também ela produzida pela dupla-maravilha Chris Claremont/John Byrne, em pleno auge da equipa mutante mais famosa dos quadradinhos. 
 
Título: X-Men Especial nº2
Data: Julho de 1990
Número de páginas: 52
Formato: Formatinho (13,5 cm x 19 cm), colorido e com lombada agrafada
Editora: Abril Jovem
Licenciadora: Marvel Comics
Argumento: Chris Claremont e John Byrne
Arte: John Byrne
Publicado originalmente em: Uncanny X-Men nº141 e 142 (1981)

A capa de Uncanny X-Men nº141 é uma das mais icónicas da história da 9ª arte.
  
Sinopse: Na sequência de uma batalha entre os X-Men e a Irmandade dos Mutantes em que os pupilos de Charles Xavier não conseguiram impedir o assassinato do senador Robert Kelly (celebrizado pela sua campanha antimutante) às mãos do grupo liderado por Mística, a linha temporal do presente é alterada, originando um futuro distópico. Nele (mais precisamente em 2013), os Sentinelas (robôs gigantes construídos com o propósito específico de caçar mutantes) controlam os Estados Unidos e dividiram a humanidade em três categorias: normais, anormais e mutantes.
     Cada uma dessas castas é identificada através de uma letra tatuada na pele que corresponde à respetiva inicial. Assim sendo, os humanos normais ostentam um N, os anormais (indivíduos que não se enquadram nos padrões de normalidade definidos) têm um A a sinalizá-los e os mutantes um M. No caso destes últimos, a letra que os identifica é também sinónimo de morte, visto que, além dos Sentinelas, os homo superior são igualmente caçados por farejadores psíquicos (eles próprios frequentemente mutantes) ou por anormais telepatas (por regra, geneticamente manipulados para esse efeito.).

Os implacáveis Sentinelas.
 
      Não é de admirar, portanto, que nessa realidade opressiva  grande parte dos heróis e vilões mutantes da nossa época tenham sido exterminados, enquanto os remanescentes (sobre)vivem em campos de concentração vigiados pelos Sentinelas e onde são torturados e sujeitos a experimentos científicos. Num desses campos, encontram-se detidos alguns ex-integrantes dos X-Men, como Tempestade, Colossus, Kitty Pryde e Rachel Summers (filha de Ciclope e Fénix), juntamente com Magneto (ironicamente confinado a uma cadeira de rodas, a exemplo do seu antigo amigo e némesis Xavier).
     Os demais continentes ainda não caíram sob o jugo dos Sentinelas, que já planeiam entretanto  uma invasão mundial para acabar com a raça mutante e controlar os humanos.
     Porém, em meio ao pesadelo ainda existe uma esperança: os X-Men. A maioria dos seus membros foi exterminada ou capturada, mas mesmo assim um punhado de heróis mutantes continua a  resistir. E nessa batalha pela sobrevivência, um audacioso plano é formulado sob a batuta de Magneto.
     Usando os poderes telepáticos de Rachel Summers, os X-Men enviam para o passado a mente da versão adulta de Kitty Pryde, a qual encarnará no seu corpo adolescente. O objetivo: impedir o assassínio do senador Kelly às mãos da Irmandade dos Mutantes, uma vez que esse crime desencadearia toda uma cadeia de eventos que culminaria no futuro distópico onde os Sentinelas reinam a seu belo prazer e os mutantes são uma espécie em vias de extinção.
     Não foi por acaso que a escolha para tão perigosa missão recaiu sobre Kitty Pryde. No passado todos os X-Men haviam sido treinados para se defenderem de ataques psíquicos, sendo a jovem heroína, que acabara de ser admitida na equipa, a única exceção.

Kitty Pryde, a personagem-chave de Dias de um futuro esquecido.

     A partir desse momento, a narrativa desenrola-se em duas frentes: presente e futuro. No presente a Kitty Pryde adulta desperta no seu corpo adolescente e procura desesperadamente convencer os seus companheiros de equipa de que veio do futuro para os avisar da tragédia iminente que mudaria o curso da História.
     De início, os X-Men não acreditam no relato feito por Kitty. Mas depois de várias explicações, fica claro que ela fala verdade e o grupo parte para Washington a fim de confrontar a Irmandade dos Mutantes e impedir o atentado contra o senador Kelly.
     No futuro, os X-Men, mantendo a consciência da jovem Kitty em transe no seu corpo adulto, lutam para escapar dos Sentinelas e evitar uma catástrofe global, pois perante os planos dos robôs em estender o seu domínio ao restante planeta, várias nações ameaçam retaliar com armas nucleares, o que poderá conduzir à aniquilação de toda a humanidade.


     De volta ao presente, os X-Men,disfarçados, misturam-se à multidão que assiste a um debate entre o Senador Robert Kelly, a Dra. Moira MacTaggert e o próprio professor Xavier. A Irmandade  lança então o seu ataque e os X-Men entram em ação para impedi-lo.
     Durante a sua fuga no futuro, os X-Men sofrem a sua primeira baixa, quando Franklin Richards - filho mutante do Senhor Fantástico e da Mulher Invisível, e namorado de Rachel -  é exterminado por um Sentinela, enquanto tenta proteger a jovem telepata. Os X-Men invadem uma base dos Sentinelas e durante esse ataque Wolverine é chacinado por uma rajada de energia, sobrando apenas os ossos de adamantium do mutante. Tempestade e Colossus também são mortos enquanto lutam para proteger Rachel e os demais. Enquanto isso, a filha de Jean Grey e Scott Summers continua a manter a mente de Kitty no passado.



A Irmandade dos Mutantes.
 
       No presente, enquanto a encarniçada peleja entre as duas fações mutantes se desenrola, Sina - cujas habilidades premonitórias lhe permitem ter visões do futuro - acerca-se do Senador Kelly, sendo travada pela ação de Kitty Pryde quando se preparava para disparar à queima-roupa sobre o político. Para explicar como pôde alguém capaz de prever o futuro ser surpreendida dessa forma, Chris Claremont, com a sua proverbial mestria, explicou que, tratando-se aquela de uma versão futura de Kitty Pryde, ela estava fora do alcance das visões de Sina.
      Assim que Kitty logra impedir o assassinato de Kelly, a sua mente regressa ao futuro, ao mesmo tempo que a mente da sua versão adolescente faz o caminho inverso. Derrotada a Irmandade dos Mutantes, os X-Men são contudo assaltados pela dúvida que os fustigará doravante: terão realmente conseguido evitar um futuro distópico?
História de publicação: Nos EUA Days of  future past foi originalmente publicada em duas partes, apresentadas nos números 141 e 142 de Uncanny X-Men, corria o ano de 1981. Cinco anos depois, nas páginas de Superaventuras Marvel nº45 e 46, surgiria, sob a égide da Abril Jovem, a sua primeira edição em Português. Em 1990, X-Men Especial  nº2 -  da mesma editora - compilaria ambas as partes da saga num só volume, dando-a assim a conhecer a uma nova safra de leitores. Mais recentemente, em 2007, foi a vez da Panini Comics reeditar Dias de um futuro esquecido, no âmbito do 40º aniversário da Marvel no Brasil.


X-Men versus Sentinelas.
Curiosidades:
* Em Dias de um futuro esquecido Magneto é chamado pela primeira vez de Magnus;
* Fica implícita uma relação de parentesco entre a líder da Irmandade dos Mutantes, Mística, e o X-Man Noturno (posteriormente seria revelado serem mãe e filho);
* O futuro onde se desenrola parte da ação da saga trata-se na verdade de uma realidade alternativa;
* Aparentemente morto duas vezes ao longo da história, Wolverine ressuscita outras tantas:
* Em X-Men 3: O Confronto Final (2006), durante uma sessão de treino na Sala de Perigo o cenário virtual retrata os pupilos de Xavier a serem perseguidos pelos Sentinelas no que aparenta ser um futuro apocalíptico;
Repercussões: Marcante para toda uma geração de leitores, Dias de um futuro esquecido teve repercussões diretas em toda a cronologia mutante e introduziu novas personagens, como a jovem Rachel Summers, que mais tarde regressaria ao passado como a nova Fénix, em homenagem à sua falecida mãe.
refugiada, farejadora, heroina nos X-men, particando do Excalibur e assumindo o poder da Fênix.
De refugiada a nova Fénix. a evolução de Rachel Summers.
       Dias de um futuro esquecido influenciaria ainda os eventos futuros do universo mutante com a vinda para o nosso tempo de Bishop, proveniente de um futuro sombrio onde os homo superior também eram marcados com a letra M.
      Deu ainda o mote para vários outros arcos de histórias dos X-Men, tendo como cenário futuros distópicos: Dias de um futuro presente (publicada nos EUA em 1990), A Era do Apocalipse (1995-96) e A Era do X (2011).

Em A Era do Apocalipse, os X-Men enfrantariam novamente o pesadelo de um futuro distópico.

      Fora dos quadradinhos, a temática das viagens no tempo explorada em Dias de um futuro esquecido também influenciaria os enredos de alguns filmes emblemáticos, designadamente Exterminador Implacável, no qual um robô é enviado ao passado com o intuito de evitar um futuro apocalíptico.
     Quanto à anunciada sequela de X-Men: First Class (2011), baseada em Dias de um futuro esquecido, desconhece-se o nível de fidelidade da adaptação cinematográfica à trama primitiva. Certo apenas o regresso do realizador Bryan Singer -que dirigiu os dois primeiros filmes da  trilogia original - e a participação de personagens de ambas as gerações de X-Men no grande ecrã.
Na minha coleção desde: 1991