clique aqui e encontre um template com a sua cara - template for blogger»

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

NÉMESIS: DOUTOR DESTINO

  
     Victor von Doom, monarca da Latvéria, é também o Doutor Destino (Doctor Doom), inimigo visceral, entre outros, do Quarteto Fantástico. Uma das mentes mais brilhantes e maquiavélicas do universo Marvel, o seu intelecto superior só é suplantado pelo do seu ex-amigo Reed Richards, o Senhor Fantástico.
     Mas como um órfão cigano se tornou rei e um dos vilões mais temíveis do mundo dos quadradinhos? Lê abaixo para conheceres a resposta a essa e a muitas outras perguntas...

Criadores: Stan Lee e Jack Kirby
Primeira aparição: Fantastic Four nº5 (julho de 1962)
Licencidadora: Marvel Comics
Identidade civil: Victor von Doom
Origem: Latvéria
Família conhecida: Werner e Cynthia von Doom (pais falecidos)
Base de operações: Latvéria
Poderes e armas: Embora possua um Q.I. muito acima da média, o Doutor Destino é apenas humano. Por isso desenvolveu uma poderosa armadura (em tudo semelhante à do Homem de Ferro) que lhe concede força sobre-humana além de outros atributos como poder de voo ou de disparar rajadas energéticas. Após o contacto com um alienígena, desenvolveu também a capacidade de trocar mentalmente de corpo com outra pessoa através de um mero contacto visual. Possui ainda habilidades místicas ensinadas por monges tibetanos e pela sua amada Morgan Le Fey e que só em resultado da sua arrogância não são mais poderosas.

     Victor von Doom nasceu na Latvéria, filho de Werner von Doom, um conhecido curandeiro cigano e Cynthia von Doom, que diziam ser uma bruxa. A sua mãe foi morta quando ele ainda era uma criança por  tentar adquirir poder para proteger o seu clã da perseguição que sofria por parte do governo latveriano. Cynthia tentou obter esse poder através de um pacto com o demónio Mefisto, e acabou sendo traída e morta. Mais tarde, as autoridades latverianas caçaram o pai de Victor por ter falhado em salvar a esposa de um barão, que sofria de um cancro terminal. Werner von Doom foi morto enquanto fugia e o jovem Victor ficou aos cuidados de Bóris, um dos membros da comunidade cigana a que pertencia. Victor jurou vingança pela morte dos pais.
    Ainda em criança, ele descobriu os artefactos místicos da mãe e começou a estudar as artes ocultas e também a desenvolver o seu talento inato para a ciência. Conseguiu uma reputação impressionante que chegou ao conhecimento da Universidade Empire State nos Estados Unidos, da qual recebeu uma bolsa de estudos integral. Na universidade, von Doom encontrou-se pela primeira vez com Reed Richards e Ben Grimm (o Sr. Fantástico e o Coisa, respetivamente), dois homens que se tornariam seus inimigos alguns anos depois. Richards representava uma ameaça substancial à superioridade intelectual que Victor imaginava ter. Na tentativa de se destacar, Doom começou a conduzir experiências extra-dimensionais muito perigosas.
   O foco da pesquisa de Doom era a construção de um dispositivo transdimensional de projeção com que poderia comunicar com sua falecida mãe. Havia uma falha no projeto que Richards lhe indicou, mas o orgulho de Doom impediu-o de aceitar o conselho do amigo e consertar o dispositivo antes de o testar. A máquina trabalhou perfeitamente por breves instantes, durante os quais Doom descobriu que sua mãe estava presa na região do Inferno controlada por Mefisto. Em seguida o dispositivo explodiu, marcando a sua face com uma longa cicatriz que a sua vaidade encarava como uma desfiguração horrenda. Recusando-se a reconhecer a  sua própria culpa no ocorrido, Doom responsabilizou Richards pelo acidente, achando mais fácil acreditar que este sabotara o seu trabalho por inveja.
      Mais tarde Doom foi expulso da escola e viajou pelo mundo à procura de uma cura para seu rosto marcado. Nas primeiras versões da personagem,  a cicatriz não era particularmente feia, mas Doom era exageradamente sensível sobre ela por ser um símbolo do seu fracasso. Doom acabou descobrindo um templo de monges tibetanos e viveu entre eles durante alguns anos. Eles ajudaram-no a construir uma armadura que escondesse a sua "deformidade" e foi nesse momento que se queimou seriamente quando pediu que a máscara fosse colocada no seu rosto quando ainda estava em brasa. Essa armadura  transformar-se-ia na sua imagem de marca e, graças aos requintes tecnológicos posteriormente instalados, o Doutor Destino pode enfrentar de igual para igual a maioria dos super-heróis da Marvel. Depois disto, retornou à sua terra natal, derrubou o seu governo e declarou-se soberano absoluto da Latvéria. Governando com mão de ferro, Destino começou a direcionar os recursos da pequena nação para realizar os seus objetivos pessoais. Apesar do seu povo o considerar um governante justo, ele na verdade revela em dadas histórias que não veria problema algum em trocar a vida de todos os latverianos por mais poder. E também não demonstra qualquer misericórdia para com seus próprios soldados, a quem pune com a morte por qualquer falha.
Na BD ou fora dela, Destino e o Quarteto já
se enfrentaram vezes sem conta.

   Apesar dos seus avançados conhecimentos científicos e de usar o título de Doutor, Doom não possui qualquer título académico já que foi expulso da universidade antes de completar o seu curso. Sugeriu-se numa história que Destino tenha concedido a si mesmo um doutoramento honoris causa através de uma universidade da Latvéria.
    Uma das maiores características de Destino é, com efeito, o seu orgulho desmesurado. É narcisista, traiçoeiro e impiedoso até mesmo com os seus servos, e é cruel a ponto de matar qualquer pessoa que não o reconheça como um ser supremo. Não mede esforços para conseguir poderes cada vez maiores, pois a sua meta é o controlo do Universo. Tem total lealdade do seu povo que o considera um líder magnânimo.
    Fora da banda desenhada, o Doutor Destino já marcou presença em inúmeras séries de animação com a chancela da Marvel como The Marvel Super-heroes (1966), The New Fantastic Four (1978) ou, mais recentemente, num episódio especial de The Avengers: Earth's Mightiest Heroes (2011). Foi também o antagonista escolhido para os dois filmes do Quarteto Fantástico já produzidos. Neles, era encarnado pelo ator Julian McMahon cujo desempenho esteve longe de fazer jus ao carisma do vilão. Destino também figura em diversos vídeojogos baseados na mitologia Marvel.
A versão cinematográfica do Dr. Destino em Fantastic Four (2005).

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

DO FUNDO DO BAÚ

A capa de Superpowers nº11 (novembro de 1988).
   
     Na sequência da reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras do universo DC, o Super-homem nunca foi Superboy. Nesta nova origem do Homem de Aço, os seus poderes desenvolveram-se de forma intermitente na puberdade e apenas atingiram a plenitude na idade adulta. Por conseguinte, Superboy (criado em 1944 sem a aprovação de Jerry Siegel, cocriador de Superman) foi eliminado da cronologia da DC.
     Todavia, no número 11 de "Superpowers" (título trimestral lançado pela Abril Jovem em 1986 e em tudo similar a "Grande Heróis Marvel"), o Rapaz de Aço ressurgia numa história complexa que visava explicar a sua influência na fundação da Legião dos Super-heróis, uma equipa de superseres do século XXX.
     Viajando no tempo até ao século XX, quatro legionários (Brainiac 5, Bloko, Rapaz Invisível e Solar) procuram deslindar o mistério por detrás dessa anomalia temporal. É assim que encontram o Super-homem que, tomando-os por inimigos, os ataca. Estupefactos por não serem reconhecidos pelo Último Filho de Krypton, os heróis do futuro narram-lhe os eventos que estiveram na origem da Legião dos Super-heróis, inspirada nos feitos do Superboy. O mesmo Superboy que faz então a sua triunfal entrada em cena. Tomando o Super-homem por impostor, o Rapaz de Aço trava um violento duelo com a sua versão adulta, no qual conta com a ajuda de Krypto, o seu fiel supercão. Não que esta fosse necessária visto que o novo Super-homem é consideravelmente menos poderoso do que o Superboy clássico. Acontece que este não é o Superboy clássico mas sim uma versão alternativa do chamado Universo Compacto criado pelo insidioso Senhor do Tempo. Nesse universo paralelo, apenas Krypton e a Terra existiam. Furioso com as constantes viagens no tempo levadas a cabo pelos legionários, o vilão visava erradicar o próprio tempo. Para isso, manipulou Superboy.

O Superboy clássico e Krypto.

        Superboy logra, porém, libertar-se do domínio do vilão e salvar o seu mundo de uma tempestade cósmica. De seguida faz uma alucinante viagem através do fluxo temporal a fim de salvar os legionários e a nossa realidade. Para isso tem de fazer o sacrifício supremo e morrer como o maior herói de todos os tempos.
        Um épico dos quadradinhos produzido, entre outros, pelo mestre John Byrne e publicado originalmente nos EUA em 1987 em Superman nº8, Action Comics nº591 e Legion of Super-heroes nº38.
        A capa de Superpowers nº11- que corresponde à capa de Superman nº8 - é idêntica à de Fantastic Four nº249, também da autoria de John Byrne. Falta de imaginação ou homenagem? Só Byrne saberia responder...

A capa de Fantastic Four nº249. Descubra as diferenças.