clique aqui e encontre um template com a sua cara - template for blogger»

quarta-feira, 25 de março de 2015

HERÓIS EM AÇÃO: PANTERA NEGRA


  Personificação do Espírito da Pantera, T'Challa foi preparado desde o berço para ser o monarca de Wakanda. Primeiro herói negro na era moderna dos quadradinhos, notabilizou-se ao serviço dos Vingadores e será uma das próximas personagens da Casa das Ideias a ganhar vida no cinema. 

Nome original: Black Panther
Primeira aparição: Fantastic Four #52 (julho de 1966)
Criadores: Stan Lee (história) e Jack Kirby (arte)
Licenciadora: Marvel Comics
Identidade civil: T'Challa (convencionou-se que o T do seu nome é mudo)
Lugar de nascimento: Wakanda (minúsculo reino fictício localizado no coração da África)
Parentes conhecidos: Chanda e Nanali (avós paternos falecidos); T'Chaka e N'Yami (pais falecidos); Ramonda (madrasta); S'Yan (tio falecido); Hunter (irmão adotivo); Shuri e Jakarra (meios-irmãos); Ororo Munroe (ex-esposa)
Afiliação: Ex-membro dos Vingadores, do Quarteto Fantástico, dos Defensores e dos Vingadores Secretos (durante a saga  Guerra Civil). Atual integrante dos Illuminati, patrocina também os Mutantes Sem Fronteiras.
Base de operações: Necrópole, Wakanda (Nova Iorque durante a sua passagem pelos Vingadores e quando substituiu o Demolidor)

A estreia do Pantera Negra em Fantastic Four nº52 (1966).

Armas, poderes e habilidades: Na hierarquia do Clã Pantera que há séculos governa Wakanda, o título máximo a que algum dos seus membros poderá aspirar é o de Pantera Negra. Quando é encontrado um herdeiro condigno dessa nobre linhagem africana, ele tem de comer uma erva em forma de coração. A qual, além de um vínculo místico com o deus Pantera, lhe concederá capacidades sobre-humanas. T'Challa possui, portanto, força, velocidade, resistência, reflexos e agilidade muito superiores aos de um humano comum. À semelhança do felino que inspirou o seu nome, o Pantera Negra dispõe igualmente de sentidos apurados. Entre outras coisas, ele consegue farejar o cheiro de uma presa à distância e memorizar dezenas de outros.
   Enquanto monarca de Wakanda, o Pantera Negra tem acesso a uma panóplia de artefactos místicos, assim como à mais sofisticada tecnologia civil e militar. Ainda nessa qualidade, o herói enverga um uniforme confecionado à base de vibranium (metal fictício que representa a principal fonte de riqueza de Wakanda), que mais não é do que um traje cerimonial do Culto da Pantera. Entre as várias funcionalidades da indumentária (adornada por vezes com um manto) destaca-se a cota de micro-ondas capaz de travar em pleno ar qualquer projétil disparada no direção do seu usuário. Com o tempo, a tecnologia da veste foi sendo aprimorada. Hoje, além de um dispositivo de teletransporte incorporado, inclui também adagas energéticas, garras retráteis de vibranium e botas especiais que, entre outras coisas, permitem ao Pantera Negra escalar paredes, deslizar sobre a água e aterrar sempre de pé, como um gato.
   Treinado desde tenra idade para ser o guerreiro supremo do seu povo, T'Challa é um exímio caçador, rastreador, estratega, político e cientista. Senhor de uma das mais fulgurantes mentes do planeta, o soberano de Wakanda possui  um doutoramento em Física pela Universidade de Oxford. Sendo esse conhecimento académico complementado pela sabedoria ancestral que lhe foi transmitida pelos seus antepassados.
   Perito em diversas artes marciais, T'Challa é um atleta e acrobata de nível olímpico. Tempos atrás, ele perdeu o seu vínculo místico com o deus Pantera. Forjou então nova conexão com uma divindade felina desconhecida de quem se tornou seu avatar. Em resultado disso, viu os seus atributos físicos amplificados, assim como a sua resistência à magia.

Um herói com muitos recursos.

Conceção:  O nome Pantera Negra é anterior à fundação, em 1966, do partido político homónimo que, nas décadas de 60 e 70 do século XX, adotou métodos radicais na luta pelos direitos cívicos dos negros nos EUA. O mesmo não se verificando relativamente ao logotipo dos Panteras Negras, o lendário regimento militar composto exclusivamente por afro-americanos que, durante a II Guerra Mundial e numa época em que vigorava ainda o segregacionismo racial nas forças armadas estadunidenses, combateu corajosamente pela Liberdade.
  Historicamente, o Pantera Negra foi, de facto, o primeiro super-herói negro nos quadradinhos mainstream, e o primeiro a possuir superpoderes. Antes dele, as personagens de cor eram, invariavelmente, caricaturadas. As únicas exceções foram Waku, o Príncipe de Bantu e Lobo. O primeiro protagonizou, em 1947, uma edição especial intitulada All-Negro Comics na série Jungle Tales publicada pela Atlas Comics (uma das predecessoras da Marvel); o segundo foi o primeiro herói negro a estrelar um título próprio sob a égide da Dell Comics Western.
   Considerando estes factos, é notório o forte pendor político inerente à conceção do Pantera Negra, num contexto de afirmação social e cultural dos afro-americanos.


Símbolo africano.

Histórico de publicação: Após a sua estreia nas páginas de Fantastic Four #52-53 (julho e agosto de 1966), da subsequente participação especial em Fantastic Four Annual #5 (1967) e ao lado do Capitão América em Tales of Suspense #97-99 (janeiro a março de 1968), o Pantera Negra viajou do coração de África para Nova Iorque, para reforçar as fileiras dos Vingadores. Facto ocorrido em maio de 1968, em The Avengers #52, título onde marcaria presença nos anos que se seguiram.
   Durante a sua passagem pelos Vingadores, o Pantera Negra fez uma aparição a solo em três edições de Daredevil e enfrentou o Doutor Destino em Astonishing Tales #6-7 (julho e agosto de 1971). Saliente-se que este último título, de curta longevidade, tinha a particularidade de ser estrelado por vilões do Universo Marvel.

Em The Avengers nº52 (1968), o Pantera Negra viveu a sua primeira aventura ao lado dos Vingadores. Usava então uma máscara em forma de capuz que logo desapareceria.

  Em fevereiro de 1972, o herói africano regressaria fugazmente às páginas de Fantastic Four. Período durante o qual se autodenominou Leopardo Negro (Black Leopard, no original) a fim de evitar ser conotado com o já citado Partido dos Panteras Negras.
  No ano seguinte, o Pantera Negra teve direito a um arco de histórias próprio em  Jungle Action. Facto que se repetiria entre janeiro e novembro de 1976, nos números 19 a 24 do referido título. A inclusão do Ku Klux Klan no enredo foi controversa, criando sérias dificuldades à respetiva equipa criativa.
  Embora popular entre os estudantes universitários norte-americanos, as vendas de Jungle Action eram baixas. Receando estar a subaproveitar a personagem, os editores da Marvel acharam por bem conceder um título próprio ao Pantera Negra. E para que este fosse um sucesso, convocaram ninguém menos que o seu cocriador, Jack Kirby, para assumi-lo. Recém-regressado à Casa das Ideias após uma estada na Distinta Concorrência, o Rei estava, contudo, pouco interessado em trabalhar com uma personagem que nada tinha de novo para si. Tomando, portanto, a contragosto as rédeas do neófito Black Panther. Quando, depois de ter produzido somente uma dúzia de números, Kirby abandonou a série, ninguém ficou propriamente surpreendido. A saída do Rei sentenciaria, porém, à morte o primeiro título autónomo do Pantera Negra, que resistiu apenas mais um trimestre.
   Entre 1988 e 2009 sucederam-se as tentativas, mais ou menos bem-sucedidas, de relançamento de Black Panther. Pelas suas páginas desfilaram escritores e artistas consagrados, como Gene Colan ou John Romita, Jr. Ao longo desses 21 anos, o Pantera Negra foi sofrendo algumas alterações, ganhou novos coadjuvantes e deixou gradualmente de ter como público-alvo os leitores afro-americanos. O herói fez também parte de equipas como o Quarteto Fantástico, Defensores e Vingadores Sombrios.
  A convite de Matt Murdock (identidade civil do Demolidor), em 2011 o Pantera Negra concordou em tornar-se o novo protetor do problemático bairro nova-iorquino conhecido como Cozinha do Inferno. Daí resultando a renomeação da série Daredevil, que, a partir do seu 513º número, passou a chegar às bancas como Black Panther: The Man Without Fear. 


Antes de ganhar um título próprio, o Pantera Negra passou pelas páginas de Jungle Action.

Biografia: Num passado distante, um meteorito feito do estranho metal que, anos depois, se convencionou chamar vibranium, despenhou-se em Wakanda. Nunca desenterrado, o meteorito disseminou o vibranium pelo subsolo do pequeno reino africano. Temendo a ação depredatória exercida sobre os recursos naturais wakandianos por rapinadores estrangeiros, T'Chaka, à semelhança de todos os anteriores Panteras Negras, optou pelo isolacionismo.
  Anos depois, o soberano wakandano viu a sua esposa, N'Yami, morrer durante o parto do seu primogénito, T'Challa. Com este a ser culpado da tragédia pelo seu irmão adotivo, Hunter.
  Casado entretanto em segundas núpcias com Ramonda, T'Chaka viu-a abandonar a sua família para regressar à sua África do Sul natal. Com apenas oito anos de idade, o pequeno T'Challa viu-se, assim, privado pela segunda vez de uma figura materna. Tendo sido, portanto, educado quase em exclusivo pelo seu pai. Este seria, todavia, assassinado quando T'Challa mal atingira a puberdade. Por causa do vibranium, T'Chaka foi morto às mãos de Ulysses Klaw, filho de um criminoso nazi.
   Sedento de vingança e com o seu povo ainda em perigo, o jovem T'Challa usou contra Klaw a mesma arma sónica que este usara para tirar a vida ao seu progenitor. Com a mão direita decepada, o vilão e o seus asseclas bateram em retirada.
   Primeiro na linha de sucessão ao trono wakandiano e ao título de Pantera Negra, T'Challa não estava ainda preparado para assumir essas funções. Cabendo assim ao seu tio S'Yan (irmão mais novo do malogrado T'Chaka) fazê-lo. Não sem antes se submeter aos exigentes desafios para provar ser digno de se tornar o avatar do deus Pantera.
   Enquanto realizava uma longa jornada inserida nos seus ritos de passagem, T'Challa cruzou-se com Ororo Munroe, a órfã mutante que, anos depois, se tornaria a X-Man Tempestade. O casal apaixonou-se, mas o incipiente romance foi interrompido devido à obstinação de T'Challa em honrar a memória do seu pai. Antes de se separarem, os dois prometeram, contudo, tudo fazerem para manterem contacto. Ficava assim suspensa uma história de amor cujos capítulos finais só seriam escritos muitos anos depois, quando T'Challa desposou Ororo, fazendo dela sua rainha consorte.

T'Challa e Ororo: destinos entrelaçados.
   Após levar de vencida os campeões das diversas tribos wakandianas, T'Challa conquistou o direito a ser investido do poder do deus Pantera. Um dos seus primeiros atos oficiais consistiu em ordenar o desmantelamento da polícia política do reino (responsável por inúmeras arbitrariedades), e o exílio do seu sádico intendente: Hunter, o seu irmão adotivo.
   T'Challa decidiu também vender pequenas quantidades de vibranium a instituições científicas de vários pontos do globo, acumulando dessa forma uma fortuna que usou de seguida para adquirir tecnologia de ponta para o seu país. Para apaziguar as tensões entre as tribos rivais, o novo soberano recrutou alguns dos seus mais valorosos mancebos para a sua guarda pessoal, e algumas das suas mais formosas raparigas para o seu harém. Do qual, de acordo com a tradição, deveria sair a sua futura esposa.
  Ansioso por descobrir o mundo e por ampliar os seus conhecimentos, T'Challa foi estudar para o estrangeiro durante uma temporada.  Em Oxford obteve um doutoramento em Física, sobressaindo pela sua genialidade e empenho.
  Quando regressou a Wakanda, já adulto, T'Challa convidou o Quarteto Fantástico a visitar o pequeno reino africano. Apenas para atacar e subjugar individualmente cada um dos elementos do grupo. Com este desafio, T'Challa queria testar as suas capacidades, certificando-se de que estaria pronto para defrontar Klaw. Este substituíra a sua mão amputada por uma devastadora arma sónica e clamava por vingança em relação ao novo Pantera Negra.
  Depois de apresentados os devidos esclarecimentos, o Quarteto Fantástico prontificou-se a ajudar o Pantera Negra a derrotar Klaw. Com o herói africano a retribuir a cortesia adjuvando o grupo na sua liça com o Homem Psíquico.
  Esses episódios espevitaram, no entanto, o espírito aventureiro de T'Challa. Tendo garantido paz e prosperidade aos seus súbditos, ele viaja para Nova Iorque, para se juntar aos Vingadores. Começando, assim, uma longa associação com os heróis mais poderosos da Terra. Período durante o qual se envolveu romanticamente com a cantora Monica Lynne.

Na savana africana ou na selva urbana, o Pantera Negra é adversário de respeito.

   Com Wakanda a ferro e fogo devido a uma sangrenta guerra civil,  o Pantera Negra viu-se forçado a abandonar os Vingadores e a regressar à terra dos seus antepassados. Fê-lo, contudo, na companhia de Monica Lynne.
  Restabelecida a paz em Wakanda, o Pantera Negra aventura-se no Sul dos EUA para combater o Ku Klux Klan. Seguindo depois para a África do Sul, numa demanda pela sua madrasta, onde choca de frente com as autoridades do apartheid. Pelo meio, T'Challa propõe casamento a Monica Lynne. Os dois ficam noivos, mas nunca chegam a unir-se pelos laços do matrimónio.
   Depois de ter ajudado a sua antiga paixão Ororo a reencontrar os membros remanescente da sua família no Quénia e nos EUA, T'Challa pediu a Rainha dos Ventos em casamento. Na sumptuosa cerimónia em que o casal trocou os seus votos nupciais, estiveram presentes muitos super-heróis. Quase sem tempo para desfrutarem da sua lua de mel, os monarcas wakandianos partiram numa missão diplomática quando já se adivinhava a eclosão de um conflito entre os defensores e os opositores do registo obrigatório de meta-humanos decretado pelas autoridades estadunidenses. Falhados os seus esforços diplomáticos, o casal aliou-se à fação liderada pelo Capitão América que se opunha à referida medida legislativa.

O casamento do Pantera Negra com Tempestade foi um dos mais grandiosos eventos da história da Marvel.

  Finda a Guerra Civil, T'Challa e Ororo ofereceram-se para substituir temporariamente Reed e Susan Richards no Quarteto Fantástico, casal que estivera em lados opostos da barricada durante a contenda.
  Deixando Ororo em Nova Iorque para que esta pudesse ajudar os seus camaradas X-Men, o Pantera Negra regressou sozinho a Wakanda. Na sua terra natal, enfrentou e derrotou novamente Erik Killmonger, o responsável pela guerra civil que devastara o reino anos atrás.
  Ainda mal refeito do esforço, o Pantera Negro é atacado pelas forças da Cabala, uma congregação secreta de supervilões a que pertencem, entre outros, Namor e o Dr. Destino. Deixado em estado comatoso, ao despertar, o soberano de Wakanda é forçado a passar o cetro à sua irmã Shuri.
   Além do trono, T'Challa perdeu também os seus poderes. Com o auxílio de um feiticeiro do reino, ele firma um pacto com uma divindade felina anónima. Em consequência disso, vê os seus atributos físicos amplificados e adquire uma resistência superior a ataques místicos.
   De volta à cidade que nunca dorme, o Pantera Negra concorda em tomar o lugar do Demolidor como guardião da Cozinha do Inferno. Para medir o pulso aos habitantes do bairro, assume a identidade de um imigrante proveniente da República Democrática do Congo e passa a gerenciar um modesto restaurante.
   Algum tempo depois, T'Challa retorna a Wakanda para acolitar a sua irmã, atual regente da pequena nação africana. Antecipando o perigo que paira sobre o reino, o deus Pantera restitui os poderes a T'Challa. Mas eles de nada valem quando, possesso pela Força Fénix, Namor empreende um ataque massivo contra Wakanda (eventos ocorridos na minissérie X-Men versus Avengers, já publicada no Brasil pela Panini Comics)
    Regressada para auxilar os sobreviventes da destruição, Ororo é surpreendida pelo anúncio do marido de que o casamento de ambos chegara ao fim. Na sua qualidade de sumo-sacerdote wakandiano, T'Challa decretara a nulidade da união. Decisão motivada tanto pela prolongada ausência de Ororo, como pelo facto de a catástrofe ter sido causada por um mutante.
   
Rei solitário.

Noutros media: A revista Wizard, especializada em comics e seu derivados, colocou o Pantera Negra na 71ª posição do seu ranking das cem melhores personagens da história dos quadradinhos. Por sua vez, o site IGN, atribuiu-lhe o 51º lugar numa tabela idêntica por ele organizada. Referindo-se ao herói africano como o Batman da Marvel. Não pelas semelhanças de visual, mas pelo caráter obstinado e pelos muitos recursos de que dispõe.
   Data de 1994, a primeira aparição televisiva do Pantera Negra. Aconteceu num episódio da série animada Fantastic Four, intitulado Prey of the Black Panther. Seguindo-se várias participações do herói, com maior ou menor relevo, em séries do género. Num episódio de The Avengers: Earth's Mightiest Heroes, foi apresentada a sua origem.

O Pantera Negra na série animada Fantastic Four (1994).

   Ainda sem direito a transposição para o grande ecrã, o Pantera Negra teve, contudo, papel de destaque em três filmes de animação produzidos pelos Estúdios Marvel: Ultimate Avengers 2 (2006), Next Avengers: Heroes of Tomorrow (2008) e Marvel Knights: Wolverine versus Sabretooth (2014). Todos eles foram lançados diretamente em DVD.
  Há mais de uma vintena de anos que circulam rumores sobre uma adaptação cinematográfica do Pantera Negra. Em junho de 1992, Wesley Snipes anunciou a intenção de fazer um filme baseado no herói. O tempo foi passando sem que o projeto saísse da gaveta. Snipes daria entretanto vida na grande tela a outro super-herói negro da Marvel: Blade, o Caçador de Vampiros, cujos três primeiros capítulos da franquia protagonizou.
  Por fim, em outubro de 2014, os Estúdios Marvel confirmaram oficialmente a produção de uma longa-metragem do Pantera Negra. Com estreia agendada para julho de 2018, a película insere-se na Fase III do universo cinemático da Casa Das Ideias. Segundo a mesma fonte, Chadwick Boseman (Dia de Treino) será o ator escolhido para encarnar o herói. O qual fará uma aparição preliminar, já no próximo ano, em Captain America: Civil War.


Chadwick Boseman Deauville 2014.jpg
Chadwick Boseman é o nome de que fala para interpretar o Pantera Negra.