clique aqui e encontre um template com a sua cara - template for blogger»

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

CLÁSSICOS REVISITADOS: «GUERRA CIVIL»




   Heróis contra heróis. Liberdade versus segurança. Antigos camaradas de armas atirados para lados opostos da barricada num conflito fratricida de proporções épicas. Entrincheirados nas suas convicções, os dois homens que os comandam estão dispostos ao sacrifício supremo em prol do que acreditam ser um futuro melhor. Por quem dobrarão os sinos?

Título original: Civil War
Data de publicação: Julho de 2006 a fevereiro de 2007
Categoria: Minissérie em sete edições mensais
Licenciador: Marvel Comics
Autores: Mark Millar (enredo), Steve McNiven (ilustrações) e Dexter Vines (cores)
Personagens principais: Capitão América (Captain America), Homem de Ferro (Iron Man), SHIELD, Quarteto Fantástico (Fantastic Four), Pantera Negra (Black Panther), Tempestade (Storm), Homem-Aranha (Spider-Man), Vingadores Secretos (Secret Avengers) e Atlantes (Atlanteans)
Coadjuvantes: Novos Guerreiros (New Warriors), X-Men, Inumanos (Inhumans) e O Vigia (The Watcher)
Vilões: Nitro e Ragnarok
Cenários: Stamford (Connecticut), Zona Negativa e vários pontos da cidade de Nova Iorque
Guia de leitura: http://www.howtolovecomics.com/2014/11/30/marvel-civil-war-reading-order-guide/



O alfa e o ómega de uma guerra perdida.

                                    
Edições em Português: No Brasil, a primeira edição de Guerra Civil na língua de Camões remonta a 2007/08, tendo sido publicada sob os auspícios da Panini Comics. Além dos sete fascículos mensais que a compunham, foram igualmente lançados no mesmo período vários volumes correlatos, designadamente Rumo à Guerra Civil e Guerra Civil Especial. Ainda com a chancela da mesma editora, nos anos imediatos a saga teria direito a diversas republicações em diferentes formatos.
Também por Terras Tupiniquins, em 2014 seria a vez de a Salvat dedicar a esta obra capital um volume encadernado na sua Coleção Oficial de Graphic Novels da Marvel.
Do outro lado do Atlântico, em Portugal, as honras de edição couberam à Levoir que, em 2012, incluiria Guerra Civil na sua coletânea de histórias essenciais da Casa das Ideias.

A edição portuguesa da saga lançada pela Levoir.

Antecedentes:
 Em retrospeto, podemos afirmar que em, certa medida, as sementes da Guerra Civil começaram a ser plantadas em 1981. Nesse já longínquo ano, Chris Claremont e John Byrne exploraram pela primeira vez a ideia de os mutantes e demais superseres terem as suas atividades controladas pelo Governo dos EUA em X-Men: Days of Future Past (X-Men: Dias de um Futuro Esquecido).
Noutra história dos Filhos do Átomo, publicada em 1984 nas páginas de Uncanny X-Men nº181, era discutida no Congresso uma proposta de lei que contemplava a obrigatoriedade do registo de todos os Homo Superior residentes em território norte-americano.
Aprovada em tempo recorde, a medida requeria o registo junto das autoridades federais de qualquer indivíduo nascido com habilidades mutantes, tão-logo as mesmas se manifestassem. Para supervisionar a aplicação da nova legislação, foi criado o controverso Comité de Atividades Meta-Humanas. Com o qual, ao longo dos anos, heróis como o Capitão América, os Vingadores e o X-Factor se incompatibilizariam.
Desdobramento da Lei do Registo de Mutantes, em 1990 entraria em vigor a Lei do Registo de Superseres. Com um escopo mais lato do que a sua antecessora, abrangia todos os indivíduos que, mesmo tendo nascido sem o gene X no seu ADN, haviam adquirido capacidades sobre-humanas por outros meios. Ironicamente, na eventualidade de ter sido aprovada nesses moldes, a lei deixaria de fora vigilantes como o Justiceiro ou a Viúva Negra, conhecidos pela letalidade dos seus métodos no combate à criminalidade, porém ambos simples humanos.

O primeiro ensaio de cadastramento de superseres
 ocorreu em X-Men: Days of Future Past (1981).

Face à celeuma instalada, Reed Richards foi convidado a depor perante um comité especial do Congresso. Numa análise clarividente, como é seu timbre, o líder do Quarteto Fantástico denunciou as incoerências da lei, bem como a sua futilidade. Desde logo porque a supervisão governamental serviria tão-somente para dificultar a ação dos super.heróis, Mas, também, por causa da flagrante subjetividade que presidia à definição de "superseres" vertida no respetivo texto. E que, conforme ficou comprovado, daria azo a toda a sorte de arbitrariedades.
Sensíveis à argumentação de Richards, os membros do comité deliberaram a revogação imediata da Lei do Registo de Superseres. Uma pequena vitória que, contudo, não encerrou o debate em torno da necessidade de monitorização das atividades dos meta-humanos. De facto, em 1993, seria a vez de o Canadá promulgar um pacote legislativo decalcado do americano. Com a diferença de, apesar de se manter em vigor desde essa data, nunca ter espoletado qualquer conflito no seio da comunidade meta-humana do grande vizinho do Norte.
Porventura encorajados por esse precedente, em 2006 um grupo de congressistas norte-americanos entendeu por bem ressuscitar a Lei do Registo de Superseres. Cuja versão revista ia mais longe do que qualquer uma das anteriores ao abranger igualmente indivíduos desprovidos de superpoderes mas detentores de tecnologia avançada e/ou exótica (leia-se: de origem alienígena, mística ou outra). Categoria onde se encaixava, por exemplo, a armadura do Homem de Ferro. Precisamente a primeira voz a alertar para os enormes perigos que uma medida dessa natureza comportaria.
Perante o Senado, Tony Stark, tal como antes dele fizera Reed Richards, apontou o dedo ao caráter subjetivo dos conceitos contemplados pela lei. Advertindo de caminho para as eventuais consequências nefastas de os heróis e vigilantes virem a ter a sua liberdade de ação coartada pelas autoridades oficiais.
Determinado em fazer valer o seu ponto de vista, Stark contratou em segredo um supervilão para atentar contra a sua própria vida e resolveu usar o Homem-Aranha como peão. Ignorando que tudo não passava de uma encenação, o herói aracnídeo foi em socorro do magnata em apuros. Enquanto confrontava o agressor de Stark, este, seguindo à risca o guião predefinido, confidenciou-lhe que várias potências estrangeiras inimigas dos EUA contavam com a nova lei para deixar o país desguarnecido, já que ela levaria ao encarceramento de alguns dos seus mais poderosos defensores.
Munido de um vídeo do atentado de que presumivelmente fora alvo, Tony Stark persuadiu o Senado de que, a ser aprovada, a Lei do Registo de Superseres faria mais mal do que bem. Por seu lado, o Homem-Aranha sustentou que a existência de super-heróis se justifica pela necessidade de responder a situações às quais as autoridades oficiais não estão em condições de dar resposta.
À luz desses desenvolvimentos, a lei seria novamente sujeita a discussão no Congresso. Confiante na renitência dos políticos em tomarem decisões impopulares, Tony Stark tranquilizou o Homem-Aranha, asseverando-lhe que, salvo alguma mudança drástica na forma como a opinião pública percecionava os super-heróis, a medida acabaria por ser metida na gaveta.
Claro que o impensável acabaria mesmo por acontecer e logo as nuvens negras se começariam a acumular no horizonte, num funesto prenúncio dos dias de chumbo que estavam por vir...

Quem nos protege dos nossos protetores?
Conceção: Conforme explanado no texto anterior, a introdução de legislação a requerer o cadastro de todos os meta-humanos radicados nos EUA serviu de premissa ao arco de histórias genericamente intitulado Civil War. Ideia que, contudo, nada tinha de inovadora, considerando que havia já sido glosada nos universos de outras editoras. Astro City (Image Comics) e Watchmen* (DC Comics) representam apenas os exemplos mais sonantes de sagas com idêntico ponto de partida.
A esta aparente falta de originalidade, Mark Millar, o escriba de Civil War, contrapôs o seguinte: «Ao lerem a história, as pessoas certamente perceberão que a minha abordagem ao dilema super-heroico é ligeiramente diferente das fórmulas já antes testadas. Cujo denominador comum consistia na exigência por parte do público da ilegalização das atividades vigilantistas. Algo que não se verifica em Civil War. Mesmo conscientes dos perigos que lhes estão associados, as pessoas não reclamam o banimento dos super-heróis, mas, sim, a sua reconversão em funcionários públicos. À semelhança dos bombeiros ou dos agentes policiais, os super-heróis, vigilantes e afins deveriam ser remunerados pelo Estado e sujeitar-se ao mesmo escrutínio das forças de proteção civil. Em teoria, seria a solução perfeita para o problema. E, tanto quanto sei, nunca ninguém a equacionara.»

Mark Millar, o homem que pôs heróis contra heróis.
Ao registo obrigatório de todos os superseres a operar dentro das fronteiras estadunidenses, somava-se a exigência legal de que eles revelassem as suas verdadeiras identidades às autoridades. Classificados como armas de destruição massiva, os meta-humanos teriam ainda de submeter-se a um programa de treino específico ministrado pelo Governo. Terminado o mesmo, àqueles que optassem por juntar-se às fileiras da SHIELD ficaria reservado o estatuto de agente federal, passando a obedecer a uma cadeia de comando e a auferir um vencimento.
Embora aliciante aos olhos de muitos dos seus membros, a proposta cindiu a comunidade super-heroica. De um lado, a fação presidida pelo Homem de Ferro que encarava o registo obrigatório como um dever cívico e um garante de segurança. Do outro, o setor que, sob a liderança do Capitão América, contestava a medida por considerar que ela violava direitos constitucionalmente consignados ao mesmo tempo que comprometia a proteção conferida pelo anonimato.
À medida que se assistia a um extremar de posições, muitos supervilões acabariam também por tomar partido. Alguns aliaram-se ao Capitão América, outros aderiram à causa do Homem de Ferro. Houve ainda um pequeno grupo, constituído tanto por heróis como por malfeitores, a optar pela neutralidade. Poucos foram, no entanto, aqueles que escaparam aos ricochetes da Guerra Civil.

*Resenha disponível em http://bdmarveldc.blogspot.pt/2013/04/do-fundo-do-bau.html

Histórico de publicação: Em consequência de outros compromissos profissionais do artista Steve McNiven, em agosto de 2006, a Marvel anunciou o adiamento em alguns meses de vários capítulos de Civil War. Decisão que implicou atrasos voluntários no lançamento dos títulos periódicos cujas histórias entroncavam na saga. Outra vítima das circunstâncias seria a minissérie Civil War: Front Line, que teve a sua chegada às bancas retardada em várias semanas.
Todas estas alterações ao cronograma editorial visavam evitar que desenvolvimentos importantes do enredo de Civil War fossem precocemente revelados. Por conta dos sucessivos atrasos, o seu epílogo só seria conhecido em meados de fevereiro de 2007, dois meses após o inicialmente previsto.

Uma das vítimas das
 alterações de calendário da Marvel.
Enredo: Já depois de, numa das suas proverbiais erupções de fúria irracional, o Hulk ter causado acidentalmente a morte a 26 pessoas em Las Vegas, e de 99% da população mutante ter sido dizimada por uma mentalmente perturbada Feiticeira Escarlate, um outro infausto acontecimento protagonizado por meta-humanos suscita a histeria coletiva.
Em Stamford, pequena e pacata cidade do Connecticut, os Novos Guerreiros, acompanhados de perto pelas câmaras de televisão devido à sua participação num reality show, invadem uma casa que serve de esconderijo a um bando de supercriminosos evadidos de uma prisão de alta segurança. Um deles, Nitro, usa os seus poderes explosivos para arrasar vários quarteirões numa tentativa desesperada de escapar ao cerco montado pelos heróis.
Quando a poeira assenta, mais de seis centenas de cadáveres jazem entre os escombros fumegantes. Entre eles, os de 60 crianças que se encontravam numa escola primária nas redondezas. Ao desastre, transmitido em direto em rede nacional, sobrevivem apenas Speedball, dos Novos Guerreiros, e o próprio Nitro.
No rescaldo da tragédia são vários os super-heróis que participam nas operações de socorro e que procuram transmitir algum alento às famílias das vítimas. Gestos solidários insuficientes, ainda assim, para calar a profunda revolta que toma conta de muitos cidadãos anónimos, indignados por mais esta carnificina causada por meta-humanos. Nos dias seguintes, essa revolta e indignação dão mesmo lugar a ataques violentos contra superseres. Um dos primeiros alvos é o Tocha Humana do Quarteto Fantástico, quase linchado por uma multidão enfurecida.


Entre as ruínas de Stamford germinaram as sementes da guerra.
Sob forte pressão da opinião pública, o Governo Federal apressa-se a retirar da gaveta a Lei do Registo de Superseres. Nesta sua nova versão, além da obrigatoriedade do registo de todos os indivíduos dotados de habilidades meta-humanas residentes no interior das fronteiras estadunidenses, é-lhes exigido que revelem as suas verdadeiras identidades às autoridades.
Perante a perspetiva de uma medida deste cariz ser aprovada pelo Congresso, a comunidade super-heroica divide-se. Apesar de a ela se ter oposto no passado, o Homem de Ferro assume-se agora como seu principal defensor. Justificando a sua mudança de posição com a necessidade de garantir a segurança dos civis em futuras ações levadas a cabo por meta-humanos. O que, no seu entender, só será possível com treino e monitorização governamentais. Tese subscrita, entre outros, por Hank Pym e Reed Richards, dois dos mais respeitados cientistas mundiais e eles próprios meta-humanos. Mas prontamente rejeitada pelo Capitão América, para quem a Lei do Registo de Superseres retiraria liberdade de movimentos aos heróis e colocaria em risco as suas vidas privadas, assim como os seus entes queridos.
Enquanto o debate sobe de tom, numa reunião secreta com o Presidente dos EUA, o Homem de Ferro exorta-o a avançar o quanto antes com a Lei do Registo de Superseres. Aprovada poucos dias depois, a supervisão da sua aplicação fica a cargo da SHIELD, sob o comando interino de Maria Hill.
Empurrados para a clandestinidade, vários heróis antirregisto aderem ao movimento de resistência fundado pelo Capitão América. A despeito da tensão crescente entre as duas fações, as primeiras batalhas são meramente propagandísticas. Ao passo que o Sentinela de Liberdade e seus aliados continuam a enfrentar supervilões, deixando-os à mercê das mesmas autoridades que os acossam, o grupo liderado pelo Homem de Ferro lança-se numa frenética caça aos refratários sem fazer distinção entre vigilantes e malfeitores.
O primeiro momento de viragem no curso dos acontecimentos ocorre quando o Homem de Ferro persuade o Homem-Aranha a expor publicamente a sua identidade. Decisão que teria repercussões extremamente negativas no porvir do herói e dos que o rodeavam.

Uma decisão de que Peter Parker se arrependeria amargamente.
Ainda com os ecos dessa revelação bombástica a fazerem-se sentir um pouco por toda a parte, o Homem de Ferro faz uma visita à Mansão X, lar dos X-Men. Num tête-à-tête com Emma Frost, o Vingador Dourado procura apurar qual o posicionamento da comunidade mutante face à nova legislação. Pela voz da antiga Rainha Branca do Clube do Inferno, o herói blindado fica a saber que os X-Men nunca aceitariam submeter-se a uma lei que vai contra tudo aquilo em que Charles Xavier acreditava. No entanto, a população Homo Superior, manter-se-á neutral, contanto que deixada em paz.
O segundo episódio que conduz a uma escalada no conflito ocorre quando os Vingadores Secretos (coletivo heroico às ordens do Capitão América) é atraído para uma cilada montada pelas forças pró-registo numa petroquímica. Ao convite do Homem de Ferro para um debate pacífico, o Capitão América responde com uma agressão, usando um dispositivo oculto nas luvas para desativar momentaneamente a armadura do seu antigo amigo e colega Vingador.
No final da escaramuça que se segue entre os dois grupos, o Homem de Ferro espanca selvaticamente o Capitão América. Já os Vingadores Secretos são sumariamente derrotados por Ragnarok, um clone de Thor ao serviço da SHIELD. Trespassado por um relâmpago invocado pelo falso Deus do Trovão, Golias é a primeira baixa na Guerra Civil.

Baixas de guerra: a morte de Golias às mãos de Ragnarok.
A morte de Golias tem, no entanto, o condão de colocar as coisas em perspetiva, levando vários heróis a passarem para o outro lado da barricada. Devido ao elevado número de deserções, a fação pró-registo vê-se obrigada a acelerar o seu plano de operações.
Sem tempo a perder, o Homem de Ferro e o Senhor Fantástico concebem uma prisão na Zona Negativa (dimensão paralela da nossa composta exclusivamente por antimatéria) para confinar todos os insurgentes capturados. Por corresponder à 42ª iniciativa que ambos tomaram desde o desastre de Stamford, o presídio é batizado de Projeto 42.
O movimento pró-registo sofre entretanto outro revés inesperado. Ao tomar consciência que quem não aceitar registar-se será encarcerado por tempo indeterminado, o Homem-Aranha troca de lado, juntando-se à resistência chefiada pelo Capitão América. Não sem antes aplicar uma valente tareia no Homem de Ferro. O que o Escalador de Paredes não sabia é que o seu novo traje blindado (um presente de Tony Stark) servira para este lhe analisar secretamente os poderes em busca de uma forma de anulá-los.
Entretanto, o Justiceiro, que conseguira infiltrar-se no quartel-general do Quarteto Fantástico, apodera-se dos planos do Projeto 42. Na posse dessa informação preciosa, o Capitão América e seus aliados tomam de assalto a prisão na Zona Negativa, com o propósito de libertarem todos os reclusos. São, no entanto, traídos por Tigra que tinha em segredo alertado o Homem de Ferro para o ataque. Acolitado por um grupo de supervilões recrutados à força para as suas fileiras, o Vingador Dourado procura desesperadamente impedir a fuga em massa. No calor da batalha, todos os beligerantes são misteriosamente transportados para Time Square, bem no coração de Nova Iorque.
Perante uma plateia horrorizada, o Capitão América, com a ajuda do Visão, derrota o Homem de Ferro e prepara-se para lhe desferir um golpe potencialmente fatal. É, no entanto, detido no último momento por elementos das equipas de socorro que haviam entretanto acorrido ao local.
Tomando consciência do absurdo de uma guerra fratricida que, em última análise, ele desencadeara, o Capitão América remove a máscara e rende-se.
Chegava assim ao fim, sem um vencedor declarado, a trágica Guerra Civil. E nada voltaria a ser como dantes no Universo Marvel.


"Coragem alimenta as guerras, mas é o medo que as faz nascer"
(Émile-Auguste Chartier, ensaísta e filósofo francês do século XX)
Repercussões:

* Já depois de cessadas as hostilidades entre as duas fações conflitantes, o Capitão América seria, aparentemente, assassinado por Ossos Cruzados quando subia a escadaria do tribunal onde seria julgado. O vilão agia às ordens do Caveira Vermelha e de Sharon Carter, agente da SHIELD e ex-namorada do herói a quem o Doutor Fausto fizera uma lavagem cerebral. Seria entretanto revelado que o disparo supostamente fatal fora efetuado pela jovem;

Ecos do pós-guerra: a morte do supersoldado.
* Quase todos os Vingadores Secretos foram amnistiados pelo Governo. Alguns optaram, ainda assim, por manter-se na clandestinidade e outros houve que emigraram para o Canadá;
* Nomeado diretor da SHIELD, o Homem de Ferro reuniria a sua própria equipa de superseres, os Poderosos Vingadores;
* Os Novos Vingadores, por seu turno, passariam à clandestinidade. Punho de Ferro, Doutor Estranho e Ronin (vulgo Clint Barton, anteriormente conhecido como Gavião Arqueiro) juntar-se-iam logo depois ao grupo;
* Entre as ruínas do desastre de Stamford, seria construído Camp Hammond, o novo centro de treino de meta-humanos da SHIELD, assim batizado em homenagem ao primeiro Tocha Humana (ver post anterior);
* Sob a tutela férrea de Norman Osborn, os Thunderbolts seriam convertidos numa agência federal;
* Ainda abalados pelos eventos dramáticos da Guerra Civil, o Senhor Fantástico e a Mulher Invisível abandonariam temporariamente o Quarteto Fantástico, sendo substituídos pelo Casal Real de Wakanda: Pantera Negra e Tempestade.

Trivialidades:

* No prelúdio de Siege, (arco de histórias lançado nos EUA em 2009/10), Loki e Norman Osborn discutem a possibilidade de engendrar uma tragédia semelhante à que serviu de catalisador à Guerra Civil para justificar um ataque contra Asgard;
* Os eventos da Guerra Civil foram igualmente referenciados no decurso da minissérie Avengers versus X-Men (2012), quando o Homem de Ferro relembrou o Capitão América do período em que ele agiu na orla da legalidade;
* Combinação do intelecto de Otto Octavius com o corpo de Peter Parker, o Homem-Aranha Superior descreveu a Guerra Civil como um conflito declarado pelo Capitão América em prol do direito à privacidade. Do seu ponto de vista, tudo se resumiu à necessidade de uma boa parte dos vigilantes mascarados preservarem o seu anonimato como forma de salvaguardarem os seus entes queridos de eventuais represálias por parte dos seus inimigos.


As feridas sararam, as cicatrizes ficaram.
Versões alternativas: Em What if? Civil War nº1 (edição dada à estampa em fevereiro de 2008), foram apresentados dois desfechos diferentes para a Guerra Civil. Ao visitar o túmulo do Capitão América no Cemitério Nacional de Arlington, Tony Stark é abordado por um estranho. Da boca deste ouve a descrição detalhada de duas linhas de tempo divergentes, nas quais o curso dos acontecimentos foi substancialmente alterado por circunstâncias de vária ordem.
Na primeira narrativa, é-lhe mostrado o que teria acontecido se o Capitão América tivesse liderado toda a comunidade super-heroica contra a Lei do Registo Obrigatório. Nesta realidade paralela, o cisma seria evitado pela morte prematura de Tony Stark, infetado pelo tecnovírus Extremis. Em consequência disso, o Governo norte-americano elegeria o Sentinela da Liberdade como porta-voz oficial dos meta-humanos.
Contestatário da medida que contemplava a exposição das identidades civis dos registados, o velho soldado conseguiria, a custo, postergar a sua aprovação no Congresso. No entanto, a exemplo do que se verificou no universo canónico, o desastre de Stamford precipitaria uma dramática cadeia de eventos que, sem a intercessão do Homem de Ferro junto das autoridades, as levaria a retaliar de forma desproporcionada. Sob o comando do agente especial Henry Peter Gyrich, as forças governamentais levariam a cabo operações militares que desbaratariam a resistência. Entre as muitas vítimas da carnificina que daí adviria, contar-se-ia um número assinalável de heróis.

Um olhar diferente sobre os eventos da Guerra Civil.
A segunda realidade seria bastante mais auspiciosa: em vez de optar por uma estratégia de intimidação, o Homem de Ferro pediria ajuda ao Capitão América. Admitindo as suas dúvidas quanto às virtualidades da Lei de Registo Obrigatório e à sua própria conduta no respetivo processo de implementação, o Vingador Dourado evitaria assim que o seu antigo colega de equipa usasse a arma escondida na luva para lhe desabilitar a armadura.
De seguida, os dois heróis uniriam forças para deter Ragnarok, o furioso clone do Deus do Trovão, entretanto libertado pela SHIELD. Convencido da boa vontade do Homem de Ferro, o Capitão América acederia ao seu pedido de ajuda para aplicar o programa de registo, sendo o único a quem os outros heróis se disporiam a confiar as suas identidades. Evitado o conflito entre apoiantes e opositores da Lei do Registo Obrigatório, centenas de vidas seriam poupadas e abrir-se-ia uma nova era de paz e segurança.
Quanto ao estranho, era, afinal, Uatu, o Vigia responsável pela monitorização da atividade humana. Ao consciencializar-se do futuro radioso que boicotou com as suas ações, Tony Stark fica devastado e chora junto à última morada do amigo tombado.

Sequela: Anunciada com pompa e circunstância pela Marvel em dezembro de 2015, Civil War II vem sendo publicada em terras do Tio Sam desde junho último. Brian Michael Bendis (história) e David Marquez (arte) repartem os créditos na produção desta sequência direta da saga original, no ano em que se assinala o seu décimo aniversário.
Agora do mesmo lado da barricada, o Homem de Ferro e o Capitão América têm a Capitã Marvel como adversária num conflito em larga escala que volta a pôr heróis contra heróis e que promete abalar os alicerces da Casa das Ideias.
Desta feita o rastilho é aceso pelo surgimento de uma personagem agraciada com poderes precognitivos que lhe fornecem visões nítidas de futuros prováveis. Um talento extraordinário que, no entendimento da Capitã Marvel, deverá servir como instrumento de prevenção de delitos. Tese conflitante com a do Homem de Ferro (e, a bem dizer, com os princípios basilares de qualquer Estado de Direito) para quem, em circunstância alguma, o castigo deverá preceder o crime.
Em resultado dessas divergências aparentemente insanáveis, assiste-se a um progressivo extremar de posições no seio da comunidade super-heroica que culmina num novo cisma. Do cisma à guerra fratricida é um pequeno passo e poucos são os que se conseguirão manter à margem dela.

Dez anos depois, nova guerra fratricida abala o Universo Marvel.
Noutros media: Data de julho de 2012 a primeira adaptação de Civil War a outros segmentos culturais. Quatro anos antes da sua chegada ao cinema, a saga teve direito a uma novelização da autoria de Stuart Moore, escritor celebrizado pelo seu trabalho com o Príncipe Submarino. O livro inaugurou, de resto, uma série literária baseada em quatro histórias fundamentais na memorabilia da Marvel.
Tomando diversas licenças poéticas relativamente ao material original, Moore ambientou a sua história no primeiro mandato presidencial de Barack Obama, e não na ponta final do consulado de George W. Bush. Para que não restassem dúvidas quanto ao contexto político, logo no capítulo de abertura do livro, Tony Stark menciona o polémico Obamacare.
Essa não é, no entanto, a única diferença assinalável em relação à banda desenhada. Nela, após expor publicamente a sua identidade, o Homem-Aranha vê-se forçado a celebrar um pacto com Mefisto para reverter essa situação. Processo que, para infortúnio do herói, incluiu o apagamento das memórias que Peter Parker e Mary Jane Watson tinham um do outro, inclusive do casamento de ambos. Já na versão saída da pena de Moore, Peter nunca chegou a dar o nó com MJ. Premissa retirada de One More Day, realidade alternativa que explora precisamente essa possibilidade.
Da novelização de Civil War nasceria um audiolivro. Lançado em março de 2013, era composto por seis CDs e, além do elenco que emprestava as vozes à multitude de personagens, incluía ainda efeitos sonoros nas cenas mais dramáticas.
Tanto o jogo de vídeo Marvel Ultimate Alliance 2 (2009) como o filme Captain America: Civil War (2016) são igualmente baseados na saga. No entanto, por oposição ao primeiro, o segundo contém apenas alguns dos elementos-chave da história original. Exemplos: a chacina de civis numa explosão provocada por meta-humanos e o facto de a mãe de um deles, Miriam Sharpe, culpar diretamente Tony Stark pela morte do filho.
Uma vez que as identidades secretas são um conceito estranho ao Universo Cinemático Marvel, o enfoque da película incide essencialmente na necessidade de supervisão das atividades meta-humanas por parte do Governo americano.

Capitão América: Guerra Civil foi um campeão de bilheteira.

Vale a pena ler?

"De que lado ficarás?". Foi sob este lema enganador que, há precisamente uma década, Civil War foi lançada entre enorme alarido. Enganador porque, contrariamente ao que sugere a estafada frase de efeito, a história (também ela, à primeira vista, um cliché) não se resume à escolha de um lado num conflito que, pela sua natureza fratricida, nunca poderia ter um vencedor inequívoco.
À imagem e semelhança das guerras civis do mundo real que dividem nações e famílias e transformam em adversários amigos de ontem, fosse qual fosse o resultado desta rixa entre heróis, todos sairiam a perder. Mais ainda quando ambas as partes defendiam pontos de vista válidos e cometeram terríveis erros de julgamento no decurso da liça.
Convém lembrar que, dentro da armadura de alta tecnologia do Homem de Ferro ou atrás do escudo indestrutível do Capitão América, se escondem homens. E homens são falíveis. Sendo a magnitude das consequências das suas ações proporcional ao respetivo nível de poder e de responsabilidade.
Não faltará, ainda assim, quem tenha cedido à tentação de tomar partido num afrontamento clássico entre a liberdade e a segurança. Dois valores essenciais em qualquer sociedade democrática. Mas que, apesar de indissociáveis, nem sempre coabitam harmoniosamente.
Haverá verdadeira liberdade sem uma vigilância constante por parte das autoridades contra as múltiplas ameaças que impendem sobre os cidadãos? E que parcela da nossa liberdade individual estaremos dispostos a penhorar num regime securitário? Questões prementes que encapsulam um dos principais dilemas das sociedades atuais. E a que Civil War serve de alegoria quase perfeita, sem aventar respostas simplistas. É, pois, nesse busílis trágico do conflito entre as fações pró e antirregisto que repousa a beleza de uma narrativa consideravelmente menos superficial do que muitos a continuam a pintar.
Discordam? Façamos então o seguinte exercício de imaginação: e se os eventos descritos na saga ocorressem no mundo real? E se devido às constantes batalhas entre seres superpoderosos a operar fora da lei perdessem o vosso lar, o vosso emprego ou um ente querido? No entanto, como ninguém conhece as suas verdadeiras identidades, os causadores da vossa desgraça não poderiam ser responsabilizados pelas suas ações. Continuariam a tolerá-las e a defender a existência desses vigilantes anónimos? Continuariam a achar que a razão assiste ao Capitão América?
Vejamos agora as coisa sob um prisma diferente: imaginem que, um belo dia, acordam com capacidades muitos superiores às do comum dos mortais. Aceitariam de bom grado serem cooptados pelo Governo do vosso país para colocarem os vossos poderes ao serviço do bem maior? Aceitariam ter a vossa privacidade devassada pelas autoridades, pondo em risco as pessoas que mais amam? Ainda querem ir a correr juntar-se à equipa do Homem de Ferro?
Acredito que, quando colocadas desta forma, as coisas se tornam um pouco mais complexas. Os mais conscienciosos, pelo menos, pensarão duas vezes antes de escolher um lado da barricada. Os mais sábios talvez optem pela neutralidade. Haverá ainda os que continuarão a tomar partido apenas em função da sua preferência pessoal pelo Capitão América ou pelo Homem de Ferro. Em qualquer dos casos, conforme observei no preâmbulo deste comentário, Civil War nunca foi sobre escolher lados. Como seria isso possível se estão ambos certos e, ao mesmo tempo, errados?
Em temas fraturantes como aquele que serve de mote à saga, sabermos pôr-nos no lugar do outro, fazer um esforço efetivo para compreender as suas motivações e os seus receios é fundamental. Só assim será possível trabalhar em conjunto na busca por respostas a problemas comuns. Quando isso não acontece, quando diálogo fracassa ou sequer é ensaiado, dá-se rédea solta à intolerância. E esta é sempre um bom rastilho para toda a sorte de quezílias de maiores ou menores proporções.
Foi essa a amarga lição que dois Vingadores desavindos aprenderam numa história que é muito mais do que um pretexto para ver super-heróis a trocarem uns sopapos entre si. Mas que, por conta dessa análise redutora feita por muito boa gente, continua a ser polémica e mal-amada. Mesmo por aqueles que, curiosamente, não regateiam elogios ao filme epónimo. Apesar de este fazer uma abordagem muito mais rasa ao dilema que marca o compasso da saga original.
Escusam, porém, de desembainhar as vossas espadas, pois considero Capitão América: Guerra Civil um dos melhores filmes de super-heróis deste ano. Ainda que o título me soe um tanto quanto abusivo, já que, em bom rigor, ele é apenas vagamente inspirado em Civil War. Assunto para uma futura recensão...

Como escolher um lado numa guerra entre a liberdade e a justiça?