clique aqui e encontre um template com a sua cara - template for blogger»

sábado, 27 de setembro de 2014

ETERNOS: MARV WOLFMAN (1946 - ...)




     Consagrado através do trabalho desenvolvido com os Novos Titãs na década de 1980, Marv Wolfman teve em Crise Nas Infinitas Terras um dos maiores desafios da sua multifacetada e multipremiada carreira. Criador de personagens carismáticas, como Blade, Nova ou Tim Drake (Robin III), tornou-se ele próprio um herói acidental na defesa dos direitos autorais dos argumentistas.

Biografia e carreira: Segundo filho (tem uma irmã 12 anos mais velha) de um modesto casal composto por um polícia e uma doméstica, Marvin "Marv" Arthur Wolfman nasceu a 13 de maio de 1946 no Brooklyn, sendo portanto um nova-iorquino de gema. Aos 13 anos, mudou-se com a sua família para Queens, passando a frequentar o liceu local. Na esperança de vir a ser um cartunista, transferiu-se, anos depois, para o High School of Art and Design, em Manhattan.
     Sempre com esse objetivo em vista, durante os anos que se seguiram manteve-se muito ativo no circuito amador da 9ª arte, colaborando em diversos fanzines. Wolfman foi, de resto, o primeiro a publicar Stephen King nas páginas de um desses seus projetos editoriais: em 1965 deu à estampa Stories of Suspense #2 -um fanzine de terror da sua autoria - contendo um conto do mestre do suspense, intitulado In A Half-World Of Terror.
   A profissionalização como argumentista chegaria três depois, em 1968, ao serviço da DC Comics. Blackhawk #242 (datado de agosto/setembro desse ano) assinalou a primeira publicação oficial de material produzido por Wolfman (sem que, contudo, o mesmo lhe tivesse sido creditado). Meses depois, ele e o seu velho amigo Len Wein criaram em conjunto a personagem Jonny Double, cuja primeira aparição ocorreu em Showcase #78, ficando a história a cargo de Wolfman. Ainda nesse ano, em dezembro, os dois escreveram a meias Eye of the Beholder para Teen Titans #18. Com a particularidade de ter sido essa a primeira vez que Len Wein teve direito a figurar nos créditos da revista.

Uma das primeiras criações de Marv Wolfman.

    Em meados de 1969, Neal Adams foi chamado para reescrever e redesenhar uma história dos Titãs originalmente concebida por Wolfman e Wein. A qual - se não tivesse sido vetada pelo editor Carmine Infantino-  teria introduzido na mitologia da DC o primeiro super-herói afro-americano. Apesar desse revés, Wolfman - agora em parceria com Gil Kane - deu a conhecer em Teen Titans nº22 (julho/agosto de 1969) a origem inédita da Moça-Maravilha, sendo igualmente apresentado nessa edição o novo uniforme da personagem.
    Em 1972, já depois de ter criado com Bernie Wrightson a personagem Destiny (reciclada anos depois por Neil Gaiman), Marv Wolfman, na qualidade de protegido do editor-chefe da Marvel Roy Thomas, mudou-se de armas e bagagens para a Casa das Ideias. Quando Thomas abandonou o cargo, Wolfman assumiu o seu lugar, desempenhando inicialmente as funções de editor dos títulos a preto e branco publicados pela Marvel Comics, daí transitando para a linha de séries coloridas. Wolfman confidenciaria quase uma década depois que " a Marvel nunca se comprometeu completamente com a sua linha de títulos a preto e branco. Tão-pouco assumiu o menor compromisso com os profissionais que nela trabalhavam. Coube-me a mim selecionar e formar um novo painel de argumentistas e ilustradores". Não obstante, Wolfman renunciou ao cargo de editor-chefe de molde a dispor de mais tempo para se dedicar àquilo que mais gostava de fazer: escrever.
     Pouco tempo após tomar esta decisão, Wolfman foi convidado a assumir os argumentos de The Tomb of Dracula, série de terror (publicada entre 1972 e 1979) que se tornou um fenómeno de culto entre os leitores, sendo também muito aclamada pela crítica. Durante este período, Wolfman - em conjunto com Gene Colan - criou Blade, o caçador de vampiros celebrizado décadas depois no cinema através de uma sensacional trilogia protagonizada por Wesley Snipes.

A estreia de Blade em Tomb of Dracula #10 (1972).

    Até 1980 (ano em que, em litígio com a Marvel, regressou à DC), Wolfman imprimiu o seu cunho numa panóplia de títulos da Casa das Ideias, como Marvel Two-in-One, Spider-Woman, Spider-Man e Fantastic Four. Pelo meio, trabalhou em projetos paralelos como uma tira diária de Howard, the Duck e criou ou reinventou diversas personagens: Nova, Gata Negra e Mercenário (Bullseye, no original) são apenas alguns exemplos dessa sua efervescência  criativa.
  Novamente ao serviço da Editora das Lendas, Wolfman formou com George Pérez a dupla criativa incumbida de revitalizar o título regular dos Titãs. Adicionando ao elenco original da equipa novas e carismáticas personagens -  Cyborg, Starfire (Estelar), Raven (Ravena) e Changeling (Mutano) - os dois conseguiram não só dar um novo elã à série, como torná-la o primeiro grande êxito da DC em vários anos. Não surpreendendo por isso que, em 1984, Wolfman e Pérez tenham sido novamente cooptados para assumir os destinos de uma segunda série de The New Teen Titans.

The Judas Contract (O Contrato de Judas) foi uma das melhores sagas produzidas pela dupla Wolfman/Pérez naquela que é considerada a fase áurea dos Novos Titãs.

   Mais surpreendente foi o ovacionado Chris Claremont (à época uma das superestrelas da Marvel) ter sido, presumivelmente, sondado por um executivo da DC numa festa natalícia em 1986, para assumir as histórias dos Novos Titãs. Proposta prontamente declinada por Claremont, que se apressou a transmitir o sucedido a Wolfman. Quando este confrontou os mandachuvas da editora, eles alegaram que tudo não passara de uma brincadeira. A despeito deste desmentido, Claremont sustentou sempre que, na sua opinião, se tratara de uma oferta genuína de trabalho.
   O episódio acima relatado verificou-se já depois de George Pérez ter abandonado The New Teen Titans. Wolfman, por seu turno, manteve-se responsável pelos enredos da série durante mais alguns anos, colaborando nesse períodos com outros artistas consagrados, como Tom Grummett, Eduardo Barreto ou José Luis García-López.
   A dupla-maravilha Wolfman/Pérez reunir-se-ia, contudo, para produzir uma ambiciosa saga em doze capítulos intitulada Crisis on Infinite Earths (Crise nas Infinitas Terras). Corria o ano de 1985 e, para assinalar o seu meio século de existência, a DC resolveu arrumar a casa. O mesmo é dizer que a Wolfman e Pérez coube a ciclópica missão de reestruturar uma cronologia velha de 50 anos, na qual pontificava uma miríade de personagens espalhadas por um intrincado multiverso.
    Sob a batuta de Wolfman, dezenas de personagens foram eliminadas enquanto algumas provenientes de outras editoras foram incorporadas na depurada cronologia da DC. Findo esse megaprojeto, seguiu-se outro de idêntica envergadura: sempre em colaboração com Pérez, Wolfman escreveu History of the DC Universe, espécie de compêndio que sumarizava a renovada história da Editora das Lendas.

Capa do primeiro volume de Crisis on Infinite Earths, a saga que revolucionou para sempre o Universo DC.

    Antes de se envolver numa disputa pública com a DC tendo como base o sistema de classificação dos conteúdos publicados pela editora, Wolfman teve ainda tempo para dar o seu contributo no relançamento do Super-Homem, reinventado o seu eterno némesis (Lex Luthor) e introduzindo nas histórias do herói kryptoniano personagens como o Professor Emil Hamilton e a repórter social Cat Grant.
    Na sequência da disputa supracitada, Wolfman seria destituído das suas funções editoriais na DC, que não lhe perdoou o facto de ter tornado públicas as suas críticas ao sistema de classificação de conteúdos por ela implementado. Algum tempo depois, contudo, os responsáveis da empresa reconsideram a sua decisão e apresentaram um pedido de desculpas a Wolfman, acompanhado de um convite para que ele voltasse à DC. Wolfman aceitou o primeiro, tendo porém recusado o segundo.
     As pazes só seriam feitas no início da década de 1990, altura em que Wolfman, regressado à Editora das Lendas, teve uma breve passagem por Batman, a qual se saldou na criação de Tim Drake (o terceiro Menino Prodígio). Antes de reassumir os enredos de The New Teen Titans (desta feita em parceria com Tom Grummett), foi o responsável pela adaptação da primeira história de sempre do Homem-Morcego, publicada a par de outras duas adaptações e da original numa iniciativa inserida nas comemorações das bodas de ouro do herói.
     Apesar desses ponto altos, o regresso de Wolfman à DC ficou aquém das expectativas. A isto não terá sido alheio o facto de, em meados dos anos 90, ele ter abraçado, em paralelo, vários projetos televisivos e de animação. Com efeito, por essa altura, Wolfman assentou arraiais na Disney Comics, onde produziu vários arcos de histórias para algumas das figuras de proa da editora, como o Rato Mickey e o Tio Patinhas. Funções que acumulou com as de editor da revista Disney Adventures.
     Em finais da década de 1990, Wolfman foi um dos obreiros da série televisiva Beast Machines, baseada nos Transformers e muito elogiada pela consistência dos seus argumentos. Esse projeto decorreu de uma sua anterior colaboração, remontando aos anos 80, na terceira temporada da série animada Transformers. Wolfman foi o autor da história que marcou o regresso de Optimus Prime.
    No alvor deste século, Marv Wolfman regressou à indústria dos comics. O seu primeiro projeto nesta nova fase da sua carreira consistiu em escrever as histórias de Defex, personagem de charneira da Devil's Due Productions. Diversificando o escopo do seu trabalho, foi também consultor de Geoff Johns em várias edições de The Teen Titans, responsável pela novelização de Crise nas Infinitas Terras e do filme Superman Returns, além de coargumentista em Condor, filme de animação produzido pela Pow Entertainment (propriedade de Stan Lee) e lançado diretamente em DVD.

Defex marcou o regresso de Marv Wolfman aos quadradinhos.

   Em  2006, Marv Wolfman assumiu as funções de diretor editorial da Impact Comics, licenciadora de material didático inspirado no género mangá e direcionado para os estudantes estadunidenses a frequentarem o ensino secundário. Nesse mesmo ano, tornou-se argumentista da série Nightwing.
    Após escrever uma minissérie estrelada por Ravena, voltou a colaborar com George Pérez. Desta feita na produção de uma película de animação baseada na ovacionada saga dos Novos Titãs, Judas Contract (O Contrato de Judas).
     De então para cá, Wolfman e o seu eterno parceiro criativo concluíram, em 2011, a novela gráfica New Teen Titans: Games, projeto que haviam começado a desenvolver nos anos 80 do século passado. No ano seguinte, Wolfman, secundado pelo artista Tom Mandrake, reviveu a série Night Force. Prestou também consultoria na elaboração do enredo do jogo de vídeo Epic Mickey 2: The Power of Two, trabalho pelo qual foi nomeado para o Writers Guild of America Award, na categoria de Videojogo Com Melhor Argumento. E este, como fica patente na listagem abaixo, não foi o único galardão que recebeu ao longo da sua fulgurante carreira. Marcada, ainda assim, por algumas polémicas.

A graphic novel que assinalou a reedição da dupla-maravilha Wolfman/Pérez.

    Começando pela sua decisão de, em vésperas da estreia do filme Blade (1998) nos cinemas de todo o mundo, intentar um processo judicial contra a Marvel Comics, assente numa suposta violação dos seus direitos autorais. Em 2000, porém, um tribunal norte-americano deu razão à Casa das Ideias, sendo o acórdão essencialmente fundamentado no argumento de que, conquanto Blade tenha sido uma criação de Marv Wolfman em 1972, o subsequente uso da personagem por parte da editora foi substancialmente diverso do conceito original.
Marv Wolfman (dir.) conversa com Wesley Snipes numa pausa nas filmagens de Blade.

    Outra polémica, remontando aos primórdios da sua carreira, envolveu a Comics Code Authority (espécie de censor prévio dos conteúdos publicados pela indústria dos quadradinhos nos EUA). Numa época em que raros eram os autores a receberem os créditos nas publicações em que colaboravam, Marv Wolfman foi uma dessas exceções, quando ainda escrevia histórias para séries de terror e mistério editadas pela DC. Na origem do problema esteve o apelido do escritor (Wolfman significa Homem-Lobo em inglês). Uma vez que o Comics Code Authority (CCA) não permitia referências a lobisomens, exigiu que o seu nome fosse removido da ficha técnica das revistas em questão, julgando tratar-se de um pseudónimo.
   Porém, depois de a DC ter informado o organismo supervisor de que Wolfman era um apelido verdadeiro, a CCA insistiu que o nome constasse dos créditos das publicações. Abrindo dessa forma um precedente que motivou outros autores a reivindicarem igual direito. Pouco tempo depois, essa tornou-se uma prática corrente na indústria. Wolfman tornou-se, pois, inadvertidamente, um precursor na defesa dos direitos autorais dos seus pares.
     Casado em segundas núpcias e pai de uma filha, Marv Wolfman conta atualmente 68 anos, mas mantém-se no ativo. No seu site pessoal ( www.marvwolfman.com), pode ler-se:
  "Comecei a escrever por causa da minha paixão pela banda desenhada. É por isso muito gratificante ver muitas das personagens por mim criadas ganharem vida na TV e no cinema. Na verdade, só Stan Lee conseguiu ver mais criações suas transpostas para esses media do que eu. E sinto que ainda tenho muito para dar".
     E nós, fãs de ontem, hoje e amanhã, cá estaremos para nos deleitarmos com as suas fascinantes estórias.


Marv Wolfman  formou com George Pérez (dir.) uma das mais formidáveis duplas criativas da nona arte.

Principais criações e cocriações: 

* Nightwing/Asa Noturna (a identidade, não o conceito original, foi uma criação conjunta com George Pérez);
* Tim Drake (Robin III);
* Trigon;
* Brother Blood/Irmão Sangue;
* Terra;
* Destiny;
*Nova;
*Blade;
* Deathstroke/Exterminador; Cyborg; Raven/Ravena; Starfire/Estelar (cocriações com George Pérez);
* Bullseye/Mercenário;
* Terrax;
*Gata Negra;
*Monitor;
*Anti-Monitor;
* Jonny Double (cocriação com Len Wein);
* Omega Men;
* E muitos, muitos mais...


Mercenário.

Prémios e distinções: 

* 1 Shazam Award para melhor escritor humorístico em 1973;
* 1 Eagle Award na categoria de melhor nova série em 1982;
* 2 Eagle Awards (1984 e 1985) na categoria de melhor grupo de super-heróis (Novos Titãs);
* 2 Jack Kirby Awards (1985 e 1986) para melhor saga (Crise nas Infinitas Terras), distinção dividida com George Pérez);
* 1 Scribe Award conquistado em 2007 pela sua novelização de Superman Returns;
* 1 National Jewish Book Award pela sua obra de não ficção Homeland, The Illustrated History of the State of Israel;
* Além destes galardões, outras distinções abrilhantam o seu impressionante currículo. Destacando-se entre elas o facto de, em 1985 (ano em que se celebrou o 50º aniversário da DC), o seu nome ter figurado no quadro de honra da Editora das Lendas. Marv Wolfman foi uma das 50 personalidades homenageadas nessa data histórica.

Simplesmente Marv.