clique aqui e encontre um template com a sua cara - template for blogger»

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

EM CARTAZ: «HOMEM DE FERRO 2»



  Nas bocas do mundo desde que tornou pública a sua identidade de Homem de Ferro, Tony Stark, traído pela sua tecnologia e refém do próprio ego, continua a ser o mais falho dos heróis. Acuado por poderosos inimigos e com a vida por um fio, sabe que terá de aprender a trabalhar em equipa se quiser sobreviver. O filme, esse,  mesmo sem fazer esquecer o original, superou-o com distinção no teste das bilheteiras.

Título original: Iron Man 2
Ano: 2010
País: EUA
Género: Ação/Aventura/Fantasia
Duração: 125 minutos
Realização: Jon Favreau
Produção: Marvel Studios
Argumento: Justin Theroux
Distribuição: Paramount Pictures
Orçamento: 200 milhões de dólares
Receitas: 623,9 milhões de dólares
Elenco: Robert Downey, Jr. (Tony Stark/Homem de Ferro), Gwyneth Paltrow (Pepper Potts), Don Cheadle (James Rhodes/Máquina de Guerra), Scarlett Johansson (Natalie Rushman/Natasha Romanoff/Viúva Negra), Sam Rockwell (Justin Hammer), Mickey Rourke (Ivan Vanko) e Samuel L. Jackson (Nick Fury)


Desenvolvimento: Imediatamente a seguir à estreia de Iron Man, os Estúdios Marvel anunciaram que estava na calha uma sequela. Em julho de 2008, ao cabo de vários meses de negociações, Jon Favreau assinou contrato para dirigi-la.
Inicialmente, Favreau tinha em mente realizar uma trilogia do Homem de Ferro que teria Obadiah Stane (interpretado por Jeff Bridges no primeiro filme) como vilão de serviço. A ideia era acompanhar a par e passo a sua transformação no Monge de Ferro, um dos inimigos clássicos do herói.
Tratando-se do némesis do Vingador Dourado na banda desenhada, o Mandarim* soaria como uma escolha mais natural. No entanto, após consultar um painel de escritores da Marvel, Favreau percebeu que seria um desperdício usar tão importante personagem logo no início da franquia. Outro ponto que também desde logo ficou assente foi que a SHIELD continuaria a ter um papel fundamental na trama. Que, por recomendação pessoal de Robert Downey Jr. que com ele trabalhara em Tempestade Tropical, ficaria a cargo do argumentista Justin Theraux.
Com a rodagem da sequela em curso, Favreau revelou que nela seria aflorado o alcoolismo de Tony Stark, mas não seria uma adaptação de O Demónio da Garrafa**. Ainda durante a digressão promocional de Iron Man, também Robert Downey Jr. admitira a possibilidade de a sua personagem vir a desenvolver um problema com a bebida devido à sua dificuldade em lidar com a idade e com a pressão mediática depois de expor publicamente a sua identidade de Homem de Ferro. Mais tarde, o ator retomaria as suas considerações sobre o assunto, explicando que o que seria mostrado no segundo filme teria lugar no intervalo de tempo entre a origem do herói e os eventos narrados na saga em questão.

Robert Downey Jr. (esq.) e Jon Favreau, a Dupla Dinâmica da Marvel.

Por sugestão de Shane Black, contratado como consultor de enredo e que substituiria Jon Favreau na direção de Iron Man 3, a conduta de Tony Stark teria como modelo J. Robert Oppenheimer, o "pai" da bomba atómica que mergulhou em profunda depressão ao ver o aterrador fruto do seu trabalho no Projeto Manhattan.
Traçada a trajetória do herói, em janeiro de 2009, Mickey Rourke e Sam Rockwell entraram em negociações com os Estúdios Marvel para interpretarem a parelha de vilões. Se com o segundo tudo deslizou sobre rodas, já no caso do primeiro as coisas estiveram mais tremidas. Rourke esteve quase a recusar o papel. Motivo: o baixo valor do cachê oferecido. 250 mil dólares não passavam de uns trocados para quem estava em alta depois da sua magnífica representação em The Wrestler que, entre outros louvores, lhe valeu uma nomeação para o Óscar de melhor ator.
Enquanto as negociações com Rourke prosseguiam aos solavancos, surgiu outra dor de cabeça para os produtores. Dado como certo no papel de Nick Fury, o mordaz diretor da SHIELD, Samuel L. Jackson exigiu uma revisão dos termos do seu contrato. Apesar destes percalços, ambos os processos negociais chegaram a bom porto. Com Jackson a garantir mesmo a sua participação futura em nove outros filmes. Facto divulgado no mesmo dia em que Scarlett Johansson era também oficialmente confirmada no papel de Viúva Negra***.
Escolhido o elenco, as filmagens arrancaram em março de 2009, terminando precisamente 71 dias depois, em meados de julho desse ano. Embora o grosso das cenas tenha sido rodado nos Estúdios Raleigh, em Hollywood, outras das localizações que lhes serviram de cenário incluíram, por exemplo, a Base Aérea de Edwards, situada em pleno deserto californiano.
À antestreia no mítico El Capitan Theatre de Los Angeles, a 19 de abril de 2010, seguiu-se, nas semanas seguintes, o lançamento do filme em 54 países. Numa jogada de antecipação ao pontapé de saída no Mundial de Futebol que nesse ano se disputava na África do Sul, o calendário da distribuição internacional foi acelerado. Mesmo sem pisar os relvados, com esse drible inteligente o Homem de Ferro iniciava a sua cavalgada imparável à conquista de um outro campeonato: o das bilheteiras.

Jon Favreau e parte do elenco de Homem de Ferro 2
na apresentação publica do filme num hotel de LA.

*Prontuário do Mandarim disponível em http://bdmarveldc.blogspot.pt/2013/05/galeria-de-viloes-mandarim.html
** Leiam aqui a resenha alargada da saga: http://bdmarveldc.blogspot.pt/2016/07/classicos-revisitados-o-demonio-na.html
*** Descubram alguns segredos da Viúva Negra em http://bdmarveldc.blogspot.pt/2012/05/herois-em-acao-viuva-negra.html

Homem de Ferro 2 apresentou ao público Chicote Negro e Máquina de Guerra,
duas das mais icónicas personagens da mitologia do herói.
Enredo: Um pouco por todo o globo, os media fazem eco do alarido causado pela revelação pública de Tony Stark da sua identidade de Homem de Ferro. Algures na Rússia, Ivan Vanko, ainda a chorar a perda do seu pai, Anton Vanko, acompanha as notícias com especial interesse. Dedicando-se em seguida à construção de um minirreator peitoral semelhante ao que mantém vivo o magnata americano.
Seis meses depois, Tony, convertido em celebridade mundial, é aclamado por turbas ululantes de cada vez que, em terra ou no céu, dá um ar da sua graça. Sentindo-se no topo do mundo, o filho do visionário Howard Stark avança com a reconstituição da Expo Stark de Nova Iorque, uma feira tecnológica inaugurada décadas antes pelo seu progenitor. Com esse projeto faraónico, Tony pretende dar continuidade ao legado paterno.
No entanto, apesar de continuar a usar a sofisticadíssima tecnologia do Homem de Ferro para fins pacíficos e em benefício da comunidade, Stark é intimado a comparecer perante um comité no Senado norte-americano. Pela voz do senador Stern, o comité pressiona-o a entregar a sua armadura ao Governo federal para futuras aplicações militares. Tony recusa e, de caminho, humilha publicamente o seu rival Justin Hammer, ao provar que a sua tecnologia está vários anos avançada em relação à da concorrência.

Justin Hammer (Sam Rockwell), o arquirrival de Tony Stark.
Nem tudo são, porém, rosas na vida de Tony Stark. Recentemente, ele fez uma descoberta aterradora: a radiação emanada do núcleo de paládio do seu minirreator peitoral vem-lhe envenenando lentamente o organismo. Convencido de que tem os dias contados, após todas as suas tentativas para encontrar um elemento químico alternativo terem fracassado, Tony decide guardar segredo da sua condição. Mesmo em relação aos que lhe são mais próximos, como a sua eficientíssima assistente pessoal, Pepper Potts, ou o seu fiel amigo e piloto James Rhodes.
É, pois, com estupefação que todos recebem a decisão de Tony de confiar a presidência do seu conglomerado de empresas a Pepper Potts. Contratando para sua nova assistente pessoal a bela e misteriosa Natalie Rushman.
Tony Stark, Iron Man 2 HD wallpaper for Wide 16:10 5:3 Widescreen WHXGA WQXGA WUXGA WXGA WGA ; HD 16:9 High Definition WQHD QWXGA 1080p 900p 720p QHD nHD ; Standard 4:3 5:4 3:2 Fullscreen UXGA XGA SVGA QSXGA SXGA DVGA HVGA HQVGA devices ( Apple PowerBook G4 iPhone 4 3G 3GS iPod Touch ) ; Tablet 1:1 ; iPad 1/2/Mini ; Mobile 4:3 5:3 3:2 5:4 - UXGA XGA SVGA WGA DVGA HVGA HQVGA devices ( Apple PowerBook G4 iPhone 4 3G 3GS iPod Touch ) QSXGA SXGA ;
Um herói confrontado com a própria mortalidade,
Quando. dias depois,  ao volante de um bólide vintage, compete no Grande Prémio Histórico de Fórmula 1 do Mónaco, Tony é brutalmente atacado por Ivan Vanko. Perante uma plateia mortificada, Vanko brande no ar um par de chicotes eletrificados capazes de cortar ao meio o carro conduzido pelo milionário americano. Este recorre a uma armadura sobressalente do Homem de Ferro que transportava consigo numa maleta para passar ao contra-ataque. Vanko acaba derrotado no final da escaramuça, não sem antes danificar severamente o traje do herói.
No momento em que é detido pela polícia monegasca, Vanko proclama, alto e bom som, que a sua intenção era mostrar ao mundo que a invencibilidade do Homem de Ferro não passa de um mito. Ainda combalido, Tony Stark sabe, no seu íntimo, que o vilão esteve muito próximo de derrotá-lo.


Ivan Vanko, uma ameaça eletrizante.
De volta a Nova Iorque, Tony investiga o passado de Ivan Vanko, descobrindo que ele é filho de Anton Vanko. Físico russo dissidente do regime soviético, Anton ajudara Howard Stark a projetar o primeiro protótipo do minirreator de paládio. Quando Anton tentou lucrar com a invenção de ambos, o pai de Tony usou a sua influência para garantir a deportação do sócio para a União Soviética. Condenando assim Anton a longos anos de degredo no gulag. Antes de morrer, o cientista teve ainda tempo de passar a tecnologia ao filho. E passou-lhe também o ódio visceral ao clã Stark, que Ivan aprendeu a culpar pelo infortúnio do pai.
Impressionado com a prestação de Ivan Vanko, Justin Hammer organiza a sua fuga da cadeia para onde fora enviado após o atentado à vida de Stark no Mónaco. Os dois homens chegam então a acordo para que Vanko desenvolva uma linha de armaduras de combate. As quais Hammer planeia usar para retribuir o vexame que lhe foi imposto publicamente por Stark. Escolhendo como cenário para a sua desforra a Expo Stark.
A descoberta de que o minirreator de Stark fora replicado por outra pessoa, leva à intensificação das pressões governamentais para que ele entregue a sua armadura de Homem de Ferro.
Deprimido pela perspetiva de que não viverá para comemorar o seu próximo aniversário, Tony organiza uma festa de arromba na sua luxuosa cobertura com vista panorâmica sobre a cidade. As coisas acabam, contudo, por se descontrolar quando ele, embriagado e usando o seu traje blindado, coloca em perigo a sua vida e a dos convidados.
Em desespero de causa, James Rhodes veste um modelo antigo da armadura do Homem de Ferro para deter o patrão. Tony reage com agressividade e da luta que se segue resulta a destruição quase total do seu apartamento.
Envergonhado, no dia seguinte Tony é levado à presença de Nick Fury, o diretor da agência de contraterrorismo SHIELD. Depois de revelar-lhe que a sua recém-contratada assistente pessoal é, afinal, uma agente infiltrada chamada Natasha Romanoff, Fury entrega a Tony um velho baú contendo diversos pertences de Howard Stark.
Suspeitando que o pai poderá ter deixado algum tipo de mensagem oculta na maqueta da primeira Expo Stark, Tony descobre que ela encerra, de facto, um diagrama da estrutura atómica de um elemento químico desconhecido. Tudo apontando para que a sua sintetização fora impossibilitada pelas limitações tecnológicas da época em que Howard Stark viveu.
Assessorado pela inteligência artificial JARVIS, Stark constrói em segredo um acelerador de partículas que usa para criar o novo elemento. Adicionando-o depois a uma versão modificada do seu minirreator. E conseguindo dessa forma travar o envenenamento causado pelo paládio.

Stark em pleno processo de criação
 do novo elemento químico que lhe salvará a vida.
Quase sem tempo para respirar de alívio, Tony recebe um telefonema de Ivan Vanko, informando-o de que se encontra livre e desafiando-o para um duelo na Expo Stark.
No certame tecnológico, Justin Hammer apresenta ao público os seus novos droides militares capitaneados por James Rhodes aos comandos de um antigo modelo da armadura do Homem de Ferro.
Irrompendo no recinto da exposição, o Homem de Ferro adverte Rhodes para que não participe naquela farsa que desonra a memória do seu pai. Antes, porém, que os dois homens cheguem a um entendimento, longe dali Ivan Vanko invade os sistemas informáticos e assume o controlo remoto dos droides e do traje blindado de Rhodes. Atacado por todos os lados, o Homem de Ferro procura proteger os inocentes sem ferir o seu amigo prisioneiro na própria armadura.
Enquanto isso, Happy Hogan, o motorista de Tony, acompanha a Viúva Negra até à fábrica de Justin Hammer a fim de deter Ivan Vanko. Este já arrepiara, no entanto, caminho para a Expo Stark, apetrechado com uma nova e mais poderosa versão dos seus chicotes elétricos.
Quando a Viúva Negra devolve por fim o controlo da armadura a Rhodes, este não perde tempo a somar o seu poder de fogo ao do Homem de Ferro contra Vanko. Pressentindo a inevitabilidade da derrota, o vilão aciona o mecanismo de autodestruição do seu aparato, fazendo-se explodir com ele. Face à ausência do respetivo cadáver, fica a dúvida se Vanko terá sobrevivido.

Homem de Ferro e Máquina de Guerra: irmãos de armas.
Encurralada pelas chamas, Pepper Potts é salva no último instante pelo Homem de Ferro. Ainda mal refeita do susto, anuncia-lhe a sua renúncia ao cargo de CEO das Indústrias Stark antes de ser impetuosamente beijada pelo patrão perante o olhar divertido de Rhodes.
No final de uma conferência com outros altos responsáveis da SHIELD, Nick Fury informa Tony Stark de que o Homem de Ferro foi aprovado para participar no programa secreto conhecido apenas como Iniciativa Vingadores. O Governo prefere, todavia, que a armadura seja pilotada por alguém mais confiável. Tony concorda impondo como condição ser o senador Stern a entregar as medalhas que ele e Rhodes irão receber numa cerimónia pública organizada para homenagear os atos heróicos de ambos.
Na tradicional cena pós-créditos, o agente Phil Coulson, outro dos operacionais da SHIELD, reporta a Nick Fury a descoberta de um estranho martelo cravado no centro de uma enorme cratera fumegante. Trata-se do Mjolnir empunhado por Thor, o deus nórdico do trovão, e o próximo a estrelar um filme dos Estúdios Marvel.

Trailer:



Prémios e nomeações: Entre 2010 e 2011, foram várias as nomeações recebidas por Homem de Ferro 2, inclusive por parte da Academia de Hollywood que o colocou entre os candidatos ao Óscar para melhores efeitos visuais. Precisamente a mesma categoria em que seria distinguido no Festival de Cinema de Hollywood. Este seria, aliás, um dos dois únicos prémios arrecadados pelo filme. O outro, um People's Choice Award, assinalou a sua eleição como melhor película de ação de 2011. Um registo bem mais modesto do que o do seu predecessor que, um par de anos antes, averbara cinco galardões em outras tantas categorias, incluindo dois Saturn Awards para melhor ator (Robert Downey, Jr.) e melhor realizador (Jon Favreau).

Curiosidades:


* A personagem de Ivan Vanko, interpretado por Mickey Rourke, é na verdade uma mescla de dois inimigos clássicos do Homem de Ferro: Crimson Dynamo e Whiplash (conhecidos entre o público lusófono como Dínamo Escarlate e Chicote Negro). Criado nos idos de 1963 por Stan Lee e Don Heck, o primeiro debutou em outubro desse ano nas páginas de Strange Tales nº46, sendo apresentado como um brilhante cientista soviético, de sua graça Anton Vanko, que projetou uma armadura de alta tecnologia capaz de ombrear com a do Vingador Dourado. Já o segundo, criação conjunta de Stan Lee e Gene Colan, tinha como identidade civil Mark Scarlotti, um engenheiro eletrónico caído em desgraça nas Indústrias Stark que fez a sua primeira aparição em Tales of Suspense nº97 (janeiro de 1968). Recorde-se que, no filme, Ivan é referido como sendo filho de Anton Vanko;


Dínamo Escarlate (cima) e Chicote Negro:
os dois arqui-inimigos do Homem de Ferro que serviram de matriz a Ivan Vanko.
*Malgrado a sua compleição robusta e o facto de se ter submetido a um exigente programa de preparação física nos meses que antecederam o arranque das filmagens, num primeiro momento Mickey Rourke revelou-se incapaz de manejar com destreza os chicotes metálicos acoplados ao pesado exoesqueleto usado pela sua personagem. Perante a impossibilidade técnica de tornar mais leve o aparato, nas suas subsequentes sessões de treino, o ator passou a envergar coletes especiais que simulavam o traje blindado. À parte isso, vários dos elementos que compõem a caracterização do vilão foram sugeridos pelo próprio Mickey Rourke. Partiu dele, por exemplo, a ideia de Ivan Vanko possuir dentes de ouro e uma catatua como mascote. Adereços que o ator pagou do próprio bolso;
* Terrence Howard foi substituído por Don Cheadle no papel de James Rhodes por razões ainda não cabalmente esclarecidas. A fazer fé na versão do ator, o seu afastamento da franquia ficou a dever-se à tentativa de renegociação contratual levada a cabo pelos Estúdios Marvel com vista a uma redução do seu cachê. Importa notar que Howard fora o elemento mais bem pago no elenco de Iron Man, o que poderá muito bem ter condicionado a sua participação na sequela. Igualmente plausível é a possibilidade de a saída de Howard ter sido uma exigência de Jon Favreau. Logo após a estreia do primeiro capítulo da saga, a revista Entertainment Weekly escrevia que o realizador ficara desagradado com o desempenho do ator, ao ponto de se ter visto na contingência de refilmar ou cortar diversas cenas por ele representadas;
* Numa entrevista à MTV, Don Cheadle confessou que, até à chegada do Homem de Ferro ao grande ecrã em 2008, estava absolutamente convencido que o herói era um robô;
* Natalie Portman, Angelina Jolie, Jessica Biel, Jessica Alba e Gemma Arterton foram algumas das atrizes cogitadas para emprestarem o corpo à Viúva Negra. Correndo em pista própria, Eliza Dushku não se furtou a esforços para obter o papel, levando a cabo uma intensa, porém frustrada, campanha de lóbi. Emily Blunt, por sua vez, só não encarnou a ex-espia do KGB devido à sua indisponibilidade de agenda decorrente da sua participação em As Viagens de Gulliver, cuja rodagem se desenrolou em simultâneo à de Iron Man 2. A escolha final recairia, assim, sobre Scarlett Johansson que, mesmo antes de ser oficialmente confirmada, tingiu o cabelo de ruivo, tal era a sua vontade de interpretar aquela que é uma das mais notórias femmes fatales do Universo Marvel. Consta também que a curvilínea atriz terá tido um breve momento de pânico ao ver pela primeira vez o uniforme que teria de usar no filme. De tão cingida, a roupa fazia lembrar uma segunda pele e Johansson não concebia como poderia alguém mover-se dentro dela;

Scarlett Johansson foi a escolhida para encarnar a Viúva Negra.
*Na tabela periódica, o paládio surge classificado como um metal pesado com reduzida toxicidade. Seria, portanto, altamente improvável que causasse um envenenamento como aquele que, na película, faz perigar a vida de Tony Stark. Com efeito, a ideia de Stark ser envenenado pela própria armadura é uma referência a Mark XVI, o modelo que, na banda desenhada, foi responsável por idêntico problema de saúde, acabando por esse motivo descartado pelo seu usuário;
* Ainda no campo das referências ao material original, a cena que mostra Stark embriagado na sua festa de aniversário homenageia a saga O Demónio na Garrafa (já aqui esmiuçada), na qual os problemas de alcoolismo do milionário são expostos. São também sinalizáveis no enredo alguns pontos de contacto com A Guerra das Armaduras, outra das mais impactantes sagas do repertório do Homem de Ferro, dada à estampa em 1988. Nela, a tecnologia de Stark cai em mãos erradas obrigando desse modo o herói a confiscar todo e qualquer componente por ele fabricado. Campanha que, apesar das boas intenções, rapidamente degenera num conflito aberto que não distingue adversários de aliados;

Iron Man: Armor Wars Prologue
A saga A Guerra das Armaduras serviu de referência
 ao enredo de Homem de Ferro 2.
* A sequência da corrida automobilística no Mónaco em que participava Tony Stark foi na verdade gravada no parque de estacionamento dos Estúdios Downey, na Califórnia. Isto depois de Bernie Ecclestone, o todo-poderoso patrão da Fórmula 1 que havia autorizado a realização das filmagens no circuito do Grande Prémio do principado, ter voltado atrás na sua decisão. Pertencentes a vários colecionadores particulares, na corrida em causa foram utilizados cinco modelos vintage, incluindo um Lotus de 1976;
* Stark cria um novo minirreator peitoral empregando um artefacto que faz lembrar o escudo do Capitão América. Adereço que já fora mostrado de relance no primeiro filme do Vingador Dourado, sinalizando a produção da longa-metragem do Sentinela da Liberdade que chegaria às salas de cinema no ano seguinte. Contudo, contrariamente ao que creem alguns espectadores desavisados, não se tratava do verdadeiro escudo do Capitão América mas sim de uma réplica, visto que o original fora congelado com o herói perto do final da 2ª Guerra Mundial;
* No primeiro rascunho da trama, Ivan Vanko morria às mãos de James Rhodes após ter sobrevivido a uma explosão e de ter tentado assassinar Tony Stark e Pepper Potts. Precavendo a possibilidade de os produtores quererem reutilizar o vilão em películas vindouras, a sequência foi reescrita a fim de apresentar uma situação mais ambígua.

Sequela: As astronómicas receitas de bilheteira obtidas por Iron Man 2 garantiram a produção de nova sequela. Após terem concordado em pagar 115 milhões de dólares à Paramount Pictures pela distribuição mundial de um pacote que incluía o terceiro filme do Homem de Ferro e a primeira aventura cinematográfica dos Vingadores, foi com pompa e circunstância que os Estúdios Marvel anunciaram 3 de maio de 2013 como a data de estreia de Iron Man 3 em terras do Tio Sam. Mais uma megaprodução da subsidiária da Walt Disney Company que, além dos principais astros da franquia, contaria com diversas adições de peso ao elenco. como o oscarizado Ben Kingsley. Em contrapartida, Jon Favreau, cedeu, como já vimos, a cadeira de realizador a Shane Black, cuja carreira tivera como ponto alto até aí a autoria do enredo desse clássico da 7ª Arte que é Arma Mortífera (1987).
Apesar de ter sido o mais lucrativo dos três capítulos da saga e de ter caído nas boas graças da generalidade da crítica, Iron Man 3 não encheu as medidas aos fãs, que muito torceram o nariz à interpretação do Mandarim. Facto que, ao que tudo indica, comprometeu a realização de um quarto filme, pese embora exista a forte possibilidade de isso vir a acontecer num futuro próximo. Se ainda com Robert Downey, Jr. no papel principal, só o tempo o dirá...

Mesmo não tendo sido deixado de cócoras pela crítica,
 Iron Man 3 não convenceu os fãs.


Veredito: 68%


Existe uma velhinha tradição (quiçá de origem culinária) lá para os lados de Hollywood: sempre que é preciso reproduzir uma receita de sucesso, o segredo é reforçar-lhe os ingredientes.Por exemplo, se um filme fez furor por conta da espetacularidade das suas cenas de ação, é muito provável que a respetiva sequela inclua ainda mais cenas desse tipo. Seria, pois, algo do género que os produtores de Homem de Ferro 2 teriam em mente.
O problema é que nem a receita é infalível (conforme prova a montanha de sequelas falhadas), nem os ingredientes reforçados neste filme foram os certos. Em vez de servirem uma dose ainda mais abonada da ação e do humor que deixaram o público e a crítica rendidos ao primeiro filme do Vingador Dourado, os responsáveis pelo projeto, quais cozinheiros desastrados, enganaram-se nos condimentos. Acabando assim por empanturrar os espectadores com acepipes (leia-se, personagens e subtramas) à falta de um prato principal (leia-se, enredo) capaz de lhes forrar o estômago.
Com tanta coisa a acontecer a tanta gente ao mesmo tempo, a história perde o foco e o espectador também. Tanto mais que as diversas subtramas não estão ligadas entre si. Sendo precisamente esse o maior defeito de Homem de Ferro 2: a dispersão narrativa. 
Mesmo ficando alguns furos abaixo do original, esta sequela não deixa de ter qualidade suficiente para fazer dela uma referência dentro do seu género. Ficando, contudo, a sensação de que terá servido, essencialmente, para preparar terreno para a película dos Vingadores. Como qualquer filho do meio, Homem de Ferro 2 sofre, portanto, da ausência de um propósito específico e ressente-se disso.
Nada que coloque, porém, em xeque os muitos pontos positivos do filme: Robert Downey Jr. mantém-se impecável na sua interpretação de Tony Stark, conseguindo torná-lo simpático aos olhos do público, apesar do seu irritante narcisismo. Ao som da fantástica banda sonora com a assinatura dos AC/DC, as cenas de ação continuam de cortar a respiração. O mesmo se aplicando aos efeitos visuais. E tanto Scarlett Johansson como Don Cheadle, por via das suas representações de Viúva Negra e Máquina de Combate, trouxeram um acréscimo de qualidade à produção.
No final das contas, Homem de Ferro 2 é um filme divertido que não desilude sem, todavia, conseguir fazer esquecer o original. Servindo-lhe de consolo que, salvas raras exceções (Super-Homem II e Homem-Aranha 2 foram duas delas), raramente as sequelas de super-heróis conseguem ser bem-sucedidas nessa tarefa. Menos ainda quando são temperadas com condimentos indigestos.

Uma franquia ainda em altos voos, mas já a perder gás.