clique aqui e encontre um template com a sua cara - template for blogger»

sábado, 27 de Setembro de 2014

ETERNOS: MARV WOLFMAN (1946 - ...)




     Consagrado através do trabalho desenvolvido com os Novos Titãs na década de 1980, Marv Wolfman teve em Crise Nas Infinitas Terras um dos maiores desafios da sua multifacetada e multipremiada carreira. Criador de personagens carismáticas, como Blade, Nova ou Tim Drake (Robin III), tornou-se ele próprio um herói acidental na defesa dos direitos autorais dos argumentistas.

Biografia e carreira: Segundo filho (tem uma irmã 12 anos mais velha) de um modesto casal composto por um polícia e uma doméstica, Marvin "Marv" Arthur Wolfman nasceu a 13 de maio de 1946 no Brooklyn, sendo portanto um nova-iorquino de gema. Aos 13 anos, mudou-se com a sua família para Queens, passando a frequentar o liceu local. Na esperança de vir a ser um cartunista, transferiu-se, anos depois, para o High School of Art and Design, em Manhattan.
     Sempre com esse objetivo em vista, durante os anos que se seguiram manteve-se muito ativo no circuito amador da 9ª arte, colaborando em diversos fanzines. Wolfman foi, de resto, o primeiro a publicar Stephen King nas páginas de um desses seus projetos editoriais: em 1965 deu à estampa Stories of Suspense #2 -um fanzine de terror da sua autoria - contendo um conto do mestre do suspense, intitulado In A Half-World Of Terror.
   A profissionalização como argumentista chegaria três depois, em 1968, ao serviço da DC Comics. Blackhawk #242 (datado de agosto/setembro desse ano) assinalou a primeira publicação oficial de material produzido por Wolfman (sem que, contudo, o mesmo lhe tivesse sido creditado). Meses depois, ele e o seu velho amigo Len Wein criaram em conjunto a personagem Jonny Double, cuja primeira aparição ocorreu em Showcase #78, ficando a história a cargo de Wolfman. Ainda nesse ano, em dezembro, os dois escreveram a meias Eye of the Beholder para Teen Titans #18. Com a particularidade de ter sido essa a primeira vez que Len Wein teve direito a figurar nos créditos da revista.

Uma das primeiras criações de Marv Wolfman.

    Em meados de 1969, Neal Adams foi chamado para reescrever e redesenhar uma história dos Titãs originalmente concebida por Wolfman e Wein. A qual - se não tivesse sido vetada pelo editor Carmine Infantino-  teria introduzido na mitologia da DC o primeiro super-herói afro-americano. Apesar desse revés, Wolfman - agora em parceria com Gil Kane - deu a conhecer em Teen Titans nº22 (julho/agosto de 1969) a origem inédita da Moça-Maravilha, sendo igualmente apresentado nessa edição o novo uniforme da personagem.
    Em 1972, já depois de ter criado com Bernie Wrightson a personagem Destiny (reciclada anos depois por Neil Gaiman), Marv Wolfman, na qualidade de protegido do editor-chefe da Marvel Roy Thomas, mudou-se de armas e bagagens para a Casa das Ideias. Quando Thomas abandonou o cargo, Wolfman assumiu o seu lugar, desempenhando inicialmente as funções de editor dos títulos a preto e branco publicados pela Marvel Comics, daí transitando para a linha de séries coloridas. Wolfman confidenciaria quase uma década depois que " a Marvel nunca se comprometeu completamente com a sua linha de títulos a preto e branco. Tão-pouco assumiu o menor compromisso com os profissionais que nela trabalhavam. Coube-me a mim selecionar e formar um novo painel de argumentistas e ilustradores". Não obstante, Wolfman renunciou ao cargo de editor-chefe de molde a dispor de mais tempo para se dedicar àquilo que mais gostava de fazer: escrever.
     Pouco tempo após tomar esta decisão, Wolfman foi convidado a assumir os argumentos de The Tomb of Dracula, série de terror (publicada entre 1972 e 1979) que se tornou um fenómeno de culto entre os leitores, sendo também muito aclamada pela crítica. Durante este período, Wolfman - em conjunto com Gene Colan - criou Blade, o caçador de vampiros celebrizado décadas depois no cinema através de uma sensacional trilogia protagonizada por Wesley Snipes.

A estreia de Blade em Tomb of Dracula #10 (1972).

    Até 1980 (ano em que, em litígio com a Marvel, regressou à DC), Wolfman imprimiu o seu cunho numa panóplia de títulos da Casa das Ideias, como Marvel Two-in-One, Spider-Woman, Spider-Man e Fantastic Four. Pelo meio, trabalhou em projetos paralelos como uma tira diária de Howard, the Duck e criou ou reinventou diversas personagens: Nova, Gata Negra e Mercenário (Bullseye, no original) são apenas alguns exemplos dessa sua efervescência  criativa.
  Novamente ao serviço da Editora das Lendas, Wolfman formou com George Pérez a dupla criativa incumbida de revitalizar o título regular dos Titãs. Adicionando ao elenco original da equipa novas e carismáticas personagens -  Cyborg, Starfire (Estelar), Raven (Ravena) e Changeling (Mutano) - os dois conseguiram não só dar um novo elã à série, como torná-la o primeiro grande êxito da DC em vários anos. Não surpreendendo por isso que, em 1984, Wolfman e Pérez tenham sido novamente cooptados para assumir os destinos de uma segunda série de The New Teen Titans.

The Judas Contract (O Contrato de Judas) foi uma das melhores sagas produzidas pela dupla Wolfman/Pérez naquela que é considerada a fase áurea dos Novos Titãs.

   Mais surpreendente foi o ovacionado Chris Claremont (à época uma das superestrelas da Marvel) ter sido, presumivelmente, sondado por um executivo da DC numa festa natalícia em 1986, para assumir as histórias dos Novos Titãs. Proposta prontamente declinada por Claremont, que se apressou a transmitir o sucedido a Wolfman. Quando este confrontou os mandachuvas da editora, eles alegaram que tudo não passara de uma brincadeira. A despeito deste desmentido, Claremont sustentou sempre que, na sua opinião, se tratara de uma oferta genuína de trabalho.
   O episódio acima relatado verificou-se já depois de George Pérez ter abandonado The New Teen Titans. Wolfman, por seu turno, manteve-se responsável pelos enredos da série durante mais alguns anos, colaborando nesse períodos com outros artistas consagrados, como Tom Grummett, Eduardo Barreto ou José Luis García-López.
   A dupla-maravilha Wolfman/Pérez reunir-se-ia, contudo, para produzir uma ambiciosa saga em doze capítulos intitulada Crisis on Infinite Earths (Crise nas Infinitas Terras). Corria o ano de 1985 e, para assinalar o seu meio século de existência, a DC resolveu arrumar a casa. O mesmo é dizer que a Wolfman e Pérez coube a ciclópica missão de reestruturar uma cronologia velha de 50 anos, na qual pontificava uma miríade de personagens espalhadas por um intrincado multiverso.
    Sob a batuta de Wolfman, dezenas de personagens foram eliminadas enquanto algumas provenientes de outras editoras foram incorporadas na depurada cronologia da DC. Findo esse megaprojeto, seguiu-se outro de idêntica envergadura: sempre em colaboração com Pérez, Wolfman escreveu History of the DC Universe, espécie de compêndio que sumarizava a renovada história da Editora das Lendas.

Capa do primeiro volume de Crisis on Infinite Earths, a saga que revolucionou para sempre o Universo DC.

    Antes de se envolver numa disputa pública com a DC tendo como base o sistema de classificação dos conteúdos publicados pela editora, Wolfman teve ainda tempo para dar o seu contributo no relançamento do Super-Homem, reinventado o seu eterno némesis (Lex Luthor) e introduzindo nas histórias do herói kryptoniano personagens como o Professor Emil Hamilton e a repórter sensacionalista Cat Grant.
    Na sequência da disputa supracitada, Wolfman seria destituído das suas funções editoriais na DC, que não lhe perdoou o facto de ter tornado públicas as suas críticas ao sistema de classificação de conteúdos por ela implementado. Algum tempo depois, contudo, os responsáveis da empresa reconsideram a sua decisão e apresentaram um pedido de desculpas a Wolfman, acompanhado de um convite para que ele voltasse à DC. Wolfman aceitou o primeiro, tendo porém recusado o segundo.
     As pazes só seriam feitas no início da década de 1990, altura em que Wolfman, regressado à Editora das Lendas, teve uma breve passagem por Batman, a qual se saldou na criação de Tim Drake (o terceiro Menino Prodígio). Antes de reassumir os enredos de The New Teen Titans (desta feita em parceria com Tom Grummett), foi o responsável pela adaptação da primeira história de sempre do Homem-Morcego, publicada a par de outras duas adaptações e da original numa iniciativa inserida nas comemorações das bodas de ouro do herói.
     Apesar desses ponto altos, o regresso de Wolfman à DC ficou aquém das expectativas. A isto não terá sido alheio o facto de, em meados dos anos 90, ele ter abraçado, em paralelo, vários projetos televisivos e de animação. Com efeito, por essa altura, Wolfman assentou arraiais na Disney Comics, onde produziu vários arcos de histórias para algumas das figuras de proa da editora, como o Rato Mickey e o Tio Patinhas. Funções que acumulou com as de editor da revista Disney Adventures.
     Em finais da década de 1990, Wolfman foi um dos obreiros da série televisiva Beast Machines, baseada nos Transformers e muito elogiada pela consistência dos seus argumentos. Esse projeto decorreu de uma sua anterior colaboração, remontando aos anos 80, na terceira temporada da série animada Transformers. Wolfman foi o autor da história que marcou o regresso de Optimus Prime.
    No alvor deste século, Marv Wolfman regressou à indústria dos comics. O seu primeiro projeto nesta nova fase da sua carreira consistiu em escrever as histórias de Defex, personagem de charneira da Devil's Due Productions. Diversificando o escopo do seu trabalho, foi também consultor de Geoff Johns em várias edições de The Teen Titans, responsável pela novelização de Crise nas Infinitas Terras e do filme Superman Returns, além de coargumentista em Condor, filme de animação produzido pela Pow Entertainment (propriedade de Stan Lee) e lançado diretamente em DVD.

Defex marcou o regresso de Marv Wolfman aos quadradinhos.

   Em  2006, Marv Wolfman assumiu as funções de diretor editorial da Impact Comics, licenciadora de material didático inspirado no género mangá e direcionado para os estudantes estadunidenses a frequentarem o ensino secundário. Nesse mesmo ano, tornou-se argumentista da série Nightwing.
    Após escrever uma minissérie estrelada por Ravena, voltou a colaborar com George Pérez. Desta feita na produção de uma película de animação baseada na ovacionada saga dos Novos Titãs, Judas Contract (O Contrato de Judas).
     De então para cá, Wolfman e o seu eterno parceiro criativo concluíram, em 2011, a novela gráfica New Teen Titans: Games, projeto que haviam começado a desenvolver nos anos 80 do século passado. No ano seguinte, Wolfman, secundado pelo artista Tom Mandrake, reviveu a série Night Force. Prestou também consultoria na elaboração do enredo do jogo de vídeo Epic Mickey 2: The Power of Two, trabalho pelo qual foi nomeado para o Writers Guild of America Award, na categoria de Videojogo Com Melhor Argumento. E este, como fica patente na listagem abaixo, não foi o único galardão que recebeu ao longo da sua fulgurante carreira. Marcada, ainda assim, por algumas polémicas.

A graphic novel que assinalou a reedição da dupla-maravilha Wolfman/Pérez.

    Começando pela sua decisão de, em vésperas da estreia do filme Blade (1998) nos cinemas de todo o mundo, intentar um processo judicial contra a Marvel Comics, assente numa suposta violação dos seus direitos autorais. Em 2000, porém, um tribunal norte-americano deu razão à Casa das Ideias, sendo o acórdão essencialmente fundamentado no argumento de que, conquanto Blade tenha sido uma criação de Marv Wolfman em 1972, o subsequente uso da personagem por parte da editora foi substancialmente diverso do conceito original.
Marv Wolfman (dir.) conversa com Wesley Snipes numa pausa nas filmagens de Blade.

    Outra polémica, remontando aos primórdios da sua carreira, envolveu a Comics Code Authority (espécie de censor prévio dos conteúdos publicados pela indústria dos quadradinhos nos EUA). Numa época em que raros eram os autores a receberem os créditos nas publicações em que colaboravam, Marv Wolfman foi uma dessas exceções, quando ainda escrevia histórias para séries de terror e mistério editadas pela DC. Na origem do problema esteve o apelido do escritor (Wolfman significa Homem-Lobo em inglês). Uma vez que o Comics Code Authority (CCA) não permitia referências a lobisomens, exigiu que o seu nome fosse removido da ficha técnica das revistas em questão, julgando tratar-se de um pseudónimo.
   Porém, depois de a DC ter informado o organismo supervisor de que Wolfman era um apelido verdadeiro, a CCA insistiu que o nome constasse dos créditos das publicações. Abrindo dessa forma um precedente que motivou outros autores a reivindicarem igual direito. Pouco tempo depois, essa tornou-se uma prática corrente na indústria. Wolfman tornou-se, pois, inadvertidamente, um precursor na defesa dos direitos autorais dos seus pares.
     Casado em segundas núpcias e pai de uma filha, Marv Wolfman conta atualmente 68 anos, mas mantém-se no ativo. No seu site pessoal ( www.marvwolfman.com), pode ler-se:
  "Comecei a escrever por causa da minha paixão pela banda desenhada. É por isso muito gratificante ver muitas das personagens por mim criadas ganharem vida na TV e no cinema. Na verdade, só Stan Lee conseguiu ver mais criações suas transpostas para esses media do que eu. E sinto que ainda tenho muito para dar".
     E nós, fãs de ontem, hoje e amanhã, cá estaremos para nos deleitarmos com as suas fascinantes estórias.


Marv Wolfman  formou com George Pérez (dir.) uma das mais formidáveis duplas criativas da nona arte.

Principais criações e cocriações: 

* Nightwing/Asa Noturna (a identidade, não o conceito original, foi uma criação conjunta com George Pérez);
* Tim Drake (Robin III);
* Trigon;
* Brother Blood/Irmão Sangue;
* Terra;
* Destiny;
*Nova;
*Blade;
* Deathstroke/Exterminador; Cyborg; Raven/Ravena; Starfire/Estelar (cocriações com George Pérez);
* Bullseye/Mercenário;
* Terrax;
*Gata Negra;
*Monitor;
*Anti-Monitor;
* Jonny Double (cocriação com Len Wein);
* Omega Men;
* E muitos, muitos mais...


Mercenário.

Prémios e distinções: 

* 1 Shazam Award para melhor escritor humorístico em 1973;
* 1 Eagle Award na categoria de melhor nova série em 1982;
* 2 Eagle Awards (1984 e 1985) na categoria de melhor grupo de super-heróis (Novos Titãs);
* 2 Jack Kirby Awards (1985 e 1986) para melhor saga (Crise nas Infinitas Terras), distinção dividida com George Pérez);
* 1 Scribe Award conquistado em 2007 pela sua novelização de Superman Returns;
* 1 National Jewish Book Award pela sua obra de não ficção Homeland, The Illustrated History of the State of Israel;
* Além destes galardões, outras distinções abrilhantam o seu impressionante currículo. Destacando-se entre elas o facto de, em 1985 (ano em que se celebrou o 50º aniversário da DC), o seu nome ter figurado no quadro de honra da Editora das Lendas. Marv Wolfman foi uma das 50 personalidades homenageadas nessa data histórica.

Simplesmente Marv.


segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

HERÓIS EM AÇÃO: ASA NOTURNA




    Chegado o momento de se emancipar do seu taciturno mentor, Dick Grayson trocou a identidade de Robin pela de Asa Noturna. Não foi, porém, o primeiro a usar esse nome. Tão-pouco deixou de ser um dos principais aliados de Batman, a quem substituiu em algumas ocasiões.

Nome original da personagem: Nightwing
Primeira aparição (como Asa Noturna): Tales of the Teen Titans nº44 (julho de 1984)
Criadores: Marv Wolfman (história) e George Pérez (arte)
Licenciadora: DC Comics
Identidade civil: Richard John "Dick" Grayson
Parentes conhecidos: John e Mary Grayson (pais falecidos); Bruce Wayne (pai adotivo); Damian Wayne, Jason Todd, Tim Drake e Cassandra Cain (irmãos adotivos que, tal como ele, assumiram no passado o manto de Robin)
Afiliação: Ex-líder dos Novos Titãs; ex-membro dos Graysons Voadores, dos Renegados e da Liga da Justiça (como Batman); membro ativo da Corporação Batman
Base de operações: Gotham City e Chicago (onde passou a operar já depois do início de Os Novos 52!)
Armas, poderes e habilidades: Mesmo antes de ser treinado pelo Cavaleiro das Trevas, Dick Grayson era já um atleta e acrobata prodigioso ao serviço dos Graysons Voadores. Às suas extraordinárias aptidões físicas acresce o domínio de diversas artes marciais: boxe, capoeira, aikido, ninjitsu, esgrima, etc.
    Dono de um quociente de inteligência superior à média, Asa Noturna possui elevadas capacidades de análise e dedução, apenas superadas pelas do seu antigo precetor.  É também um mestre da estratégia, do disfarce e do escapismo, além de um líder nato e experimentado. Fascinado pela informática, com o tempo desenvolveu as suas competências nesse campo ao ponto de se tornar um  hacker genial. Decorrendo da refinada educação que lhe foi proporcionada por Bruce Wayne, Dick Grayson é fluente em vários idiomas: inglês, francês, espanhol, russo, mandarim, japonês, entre outros.
     Dentre o equipamento que habitualmente utiliza no combate ao crime, destaca-se o seu traje à prova de bala e de fogo. Confecionado com várias camadas de kevlar e nomex, o uniforme do Asa Noturna já teve três versões: originalmente era azul escuro com luvas e botas azuis claras, sobressaindo uns motivos dourados no peito e ombros; no segundo, mais elaborado, continuou a predominar o azul escuro, mas o azul claro das botas e das luvas foi substituído pelo dourado; na sua terceira variante, a cor predominante passou a ser o preto com uma asa estilizada em azul claro (cor que deu lugar ao vermelho em  Os Novos 52!) espraiando-se pelo peito, ombros e braços do herói.
     Shurikens em forma de asas e bastões de esgrima feitos de um polímero virtualmente inquebrável são as armas de eleição de Asa Noturna. Como meios de transporte, a preferência do ex-pupilo de Batman vai tanto para uma variante do célebre Batmóvel equipada com tecnologia ultrassofisticada como para o Wingcycle (motociclo com características especiais e sidecar acoplado).

http://3.bp.blogspot.com/-xYONwCUaUkk/Uh1_SbTma-I/AAAAAAAADuw/K81X02n-8Cs/s1600/New_Teen_Titans_Vol_1_44.jpg
Tales of the Teen Titans #44 (1984) assinalou a estreia de Asa Noturna.

Predecessores: Em janeiro de 1963, nas páginas de Superman Vol.1 #158, numa história intitulada Superman in Kandor, foi introduzida uma nova personagem denominada Asa Noturna. Tratava-se, com efeito, de um alter ego usado pelo Homem de Aço nas suas ocasionais visitas à cidade engarrafada de Kandor (metrópole sobrevivente à destruição de Krypton). Despojado dos seus superpoderes sob o sol vermelho artificial de Kandor, o herói ( acompanhado por Jimmy Olsen) é confundido com um fora de lei. Inspirando-se nos seus encontros com o Duo Dinâmico, resolve então criar disfarces que lhe permitiriam a ele e ao seu parceiro manterem as suas identidades secretas enquanto atuavam como vigilantes mascarados. A escolha dos respetivos nomes - Asa Noturna e Pássaro Flamejante (Nightwing e Flamebird, na versão original) - derivou de duas espécies de aves kryptonianas.
     Com a ajuda do seu velho amigo Nor-Van, Kal-El converteu o laboratório subterrâneo e o veículo deste em réplicas, respetivamente, da Batcaverna e do Batmóvel.
   Anos depois, em Superman Family #183 (maio/junho de 1977), foi a vez de Van-Zee (um primo distante de Kal-El) e o seu amigo Ak-Var assumirem as identidades de Asa Noturna e Pássaro Flamejante, dando assim continuidade ao legado de Super-Homem e Jimmy Olsen.
     Antes, porém, fora publicada em World's Finest #143 (agosto de 1964), uma história que reunia ambos os Duos Dinâmicos, a qual marcou para sempre o Menino Prodígio. Quando este decidiu sair da sombra de Batman, adotou o nome Asa Noturna em homenagem à personagem original.

http://goodcomics.comicbookresources.com/wp-content/uploads/2009/12/Best13.jpg
Asa Noturna (Super-Homem) e Pássaro Flamejante (Jimmy Olsen) foram o Duo Dinâmico de Kandor na cronologia DC pré-Crise nas Infinitas Terras.
    No entanto, após Crise nas Infinitas Terras, foi convencionado que o Super-Homem não estaria ciente da existência de Kandor e, portanto, jamais teria operado como Asa Noturna. Este adquiriu o estatuto de personagem mitológica. Nesta nova versão, Asa Noturna teria sido um indivíduo que, num passado remoto, perdera a sua família e, em consequência desse facto, empreendera uma vida devotada à proteção dos fracos e oprimidos. Depois de ter ouvido esta narrativa da boca do Homem de Aço, Dick Grayson ficou fascinado por ela e decidiu tomar o nome para si quando saiu da sombra de Batman.

http://media.insidepulse.com/zones/insidepulse/uploads/2011/06/Robin-to-Nightwing-by-George-Perez.jpg
Saindo de baixo da asa do morcego.

Biografia: Órfão na sequência de um ato de sabotagem ordenado por um mafioso que pretendia extorquir dinheiro ao proprietário do circo onde atuavam os Graysons Voadores, Dick Grayson foi perfilhado pelo multimilionário Bruce Wayne. Vendo no garoto um reflexo de si mesmo, Bruce revela-lhe o seu maior segredo (ele e Batman são a mesma pessoa) e convida-o a juntar-se a ele na sua cruzada contra o crime. Nascia assim Robin, o Menino Prodígio*.
    Aos 17 anos, Robin (num sinistro prenúncio para a tragédia envolvendo, anos depois, o seu sucessor) foi baleado no ombro pelo Joker. Temendo pela vida do seu pupilo, Batman afasta-o das suas atividades de combate ao crime, procurando dessa forma resguardá-lo dos perigos. Frustrado pela situação, ao fim de um único semestre, Dick abandona a faculdade. Decisão que merece forte reprovação por parte do seu tutor.
    Entretanto, a antiga Turma Titã (coletivo que reunia originalmente os parceiros juvenis de diversos heróis seniores) foi refundada e renomeada como Novos Titãs**. Robin assume a liderança do grupo sediado em Nova Iorque, sobrando assim ainda menos espaço e tempo para os seus compromissos para com o Cavaleiro das Trevas e Gotham City.
   Ao lado dos Titãs, Dick recuperou a sua autoestima, ao mesmo tempo que aumentava o fosso que o separava de Batman. Por fim, este comunicou-lhe que, caso não desejasse continuar a ser seu parceiro, teria  de renunciar ao uniforme de Robin.
    Perante esta exigência do seu mentor, Dick desiste de ser o Menino Prodígio e também da liderança dos Titãs (a qual transita para a Moça-Maravilha). Já depois de abandonar a Mansão Wayne, Dick equaciona a hipótese de pôr um ponto final na sua carreira super-heroica.
    Nesta fase conturbada da sua vida, Dick encontrou respaldo emocional em Estelar, à data sua namorada e uma das novas integrantes dos Titãs.
   Durante uma conversa com o Super-Homem, este dá-lhe a conhecer uma antiga lenda do seu mundo natal: um proscrito que se converteu num herói chamado Asa Noturna. Inspirado pela narrativa, Dick decide adotar o nome da personagem para o seu novo alter ego.
   Quando todos os outros Titãs são capturados pelo Exterminador e entregues à organização criminosa C.O.L.M.E.I.A. (eventos ocorridos na saga O Contrato de Judas), Dick debuta como Asa Noturna e, com a ajuda do seu novo aliado Jericó, consegue resgatá-los.
    Nem tudo, porém, foram rosas. Se, por um lado, Dick logrou emancipar-se de Batman, a sua liderança dos Titãs logo seria posta à prova quando ele foi submetido a uma lavagem cerebral pelo Irmão Sangue. Ficaria também em xeque a sua relação com Estelar, quando a princesa alienígena foi forçada a casar-se com um compatriota por motivos políticos. Seria, contudo, a trágica morte de Jason Todd (o segundo Robin) às mãos do Joker a deixá-lo profundamente abalado.

http://static.comicvine.com/uploads/original/0/40/2748981-tumblr_l0ss6tusob1qzr2ako1_400.jpeg
O visual original de Asa Noturna...
...e a sua versão mais recente.
 
   Estando ainda por sanar antigas feridas na relação entre Dick Grayson e Bruce Wayne, a rutura entre ambos consumar-se-ia na sequência da descoberta por parte do primeiro de que o homem responsável pela morte dos seus pais, ao contrário do que o segundo o levara a crer, estava afinal vivo, embora em coma.
   Algum tempo depois, Dick foi abordado por Tim Drake, um adolescente que afirmava saber as identidades secretas dele e de Bruce Wayne.  Tim exortou Dick a reassumir o manto de Robin, porquanto a morte de Jason Todd mergulhara Batman numa vertiginosa espiral de vingança e autodestruição. Dick recusa-se a fazê-lo, mas convence Bruce a treinar Tim para ser o próximo Menino Prodígio.
    Seguiram-se tempos tumultuosos ao lado dos Titãs, marcados por um frenético vaivém de membros e pela quase capitulação da equipa perante a infame Sociedade Gnu.Uma vez mais, a liderança de Asa Noturna foi testada, tendo o herói demonstrado estar à altura dos desafios.
    No campo sentimental, num impulso para tentar salvar a sua fragilizada relação com Estelar, Dick pediu-a em casamento. A cerimónia seria, porém, interrompida por Ravena (outra Titã, dada como morta tempos atrás), agora renascida como um avatar do seu maligno pai, o demónio Trigon. Em resultado do ataque místico empreendido por Ravena, Estelar teve implantada nela uma semente demoníaca que a obrigou a abandonar a Terra para uma longa jornada espiritual. Ela e Dick foram-se distanciando progressivamente um do outro, culminando com o regresso da princesa alienígena a Tamaran (o seu mundo natal).

http://media.insidepulse.com/zones/insidepulse/uploads/2011/06/New-Teen-Titans-Older.jpg
Antes de se lançar numa carreira a solo, Asa Noturna viveu assombrosas aventuras ao lado dos Novos Titãs.

    Após a Queda do Morcego (quando Bane deixou Batman paralítico), Asa Noturna regressou a Gotham para assumir temporariamente o manto do seu antigo mentor. As muitas mágoas e divergências mútuas vieram, contudo, à superfície. Ambos conseguiram, não obstante, reconstruir a relação de quase pai e filho que os unira no passado. Paralelamente, a ausência do seu líder precipitou a dissolução dos Novos Titãs. Facto que abriria caminho a uma carreira a solo de Asa Noturna nos anos subsequentes.
   Nessa nova etapa da sua vida, Dick desenvolve um relacionamento sério com Barbara Gordon (ex-Batgirl). O casal chega a anunciar o noivado. O qual é, no entanto,desfeito quando Dick resolve acompanhar Bruce Wayne numa jornada de conhecimento (eventos ocorridos na minissérie 52).
    Na sequência da sua fugaz aliança com os Renegados, Asa Noturna refunda os Titãs, novamente como líder. Esta nova encarnação da equipa, congregando vários dos seus membros originais, não sobrevive contudo à morte de Donna Troy (ex-Moça-Maravilha). Em seu lugar surge uma nova formação de Titãs que inclui antigos elementos da Justiça Jovem. Asa Noturna escolhe, porém, não participar nela.
    Entretanto, Bruce Wayne decide adotar legalmente Richard Grayson como seu filho e herdeiro legítimo. Uma macabra coincidência considerando que, não muito tempo volvido, Batman seria dado como morto. Com a criminalidade em Gotham a disparar para níveis estratosféricos, Alfred e Robin (Tim Drake) pressionam Dick a assumir o manto do morcego. O que ele, inicialmente, se recusa a fazer. O ponto de viragem ocorre quando Dick descobre que o novo e sanguinário vigilante a operar nas ruas da cidade é, na verdade, Jason Todd. Ultrajado pela mácula que o antigo Robin está a verter sobre o legado de Batman, Dick põe de lado as suas hesitações e transforma-se no novo Cavaleiro das Trevas. Substituindo Tim Drake por Damian Wayne (filho biológico de Bruce) no papel de Robin, Dick devolve alguma paz e segurança a Gotham City.
    Regressado ao presente após uma longa deriva pelo fluxo temporal, Bruce Wayne canaliza os seus vastos recursos financeiros para a criação de um projeto global denominado Corporação Batman. O objetivo consiste em recrutar outros Homens-Morcegos por todo o planeta, que poderiam dar continuidade ao legado do Cavaleiro das Trevas caso este morresse. Dick, entretanto, continua a atuar como Batman em Gotham City e passa a fazer parte da Liga da Justiça.
    No âmbito das alterações introduzidas no Universo DC por Os Novos 52!, os eventos que levaram Dick Grayson a tornar-se o Robin foram exatamente os mesmos, com a diferença de que isso aconteceu quando ele tinha quinze anos de idade, envergando agora uma versão mais moderna do seu icónico uniforme. A transformação em Asa Noturna ocorreria um pouco mais tarde do que na versão primitiva: aos vinte anos, Dick resolve tentar uma carreira independente, muda-se para um modesto apartamento num bairro problemático de Gotham e passa a operar sob o codinome Asa Noturna. O seu uniforme é agora preto e vermelho, denotando o seu comportamento uma maior agressividade.

* Informação detalhada sobre Robin em  http://bdmarveldc.blogspot.pt/2013/12/herois-em-acao-robin.html
** Mais pormenores sobre os Novos Titãs em http://bdmarveldc.blogspot.pt/2013/03/herois-em-acao-novos-titas_30.html

Longe vão os tempos do traje colorido de Menino Prodígio.

Notas:
* Em fevereiro de 1984, Dick Grayson fez a sua derradeira aparição como Robin em The New Teen Titans #39 (o mesmo sucedendo com Wally West como Kid Flash);
* No arco de histórias Year 3, os leitores ficaram a saber que Dick conheceu Tim Drake (o terceiro Robin) quando ainda fazia parte dos Graysons Voadores. O pequeno Tim era um grande fã da malograda família de acrobatas circenses e idolatrava Dick (com quem, de resto, fez questão de ser fotografado). Esse facto levaria Tim, anos mais tarde, a deduzir as verdadeiras identidades do Duo Dinâmico;
* Dick Grayson herdou um fundo de investimento após a morte dos pais. Graças às aplicações financeiras feitas por Lucius Fox (associado de Bruce Wayne), o referido fundo converteu-se numa pequena fortuna. Embora esta seja incomparavelmente inferior à do seus antigo tutor, permite-lhe financiar não só as suas atividades como Asa Noturna como também lhe possibilitou a aquisição dos direitos do Circo Haly (onde cresceu), que enfrentava o risco de penhora devido ao acúmulo de dívidas, além do prédio de apartamentos onde reside, em Gotham City;
* Aparentemente, Dick tem um fraquinho por ruivas, tendo em conta que as suas duas grandes paixões (Estelar e Barbara Gordon) tinham essa cor de cabelo.

http://robot6.comicbookresources.com/wp-content/uploads/2013/06/New_Teen_Titans_Vol_1_39.jpg
O fim de uma era em The New Teen Titans #39 (1984).
 
Noutros media: Em 2013, Asa Noturna quedou-se num notável quinto lugar no Top 25 Heroes of DC Comics elaborado pelo site IGN. Um episódio da série animada The New Batman Adventures (1997-99), intitulado Sins of the Father, assinalou a estreia da personagem no pequeno ecrã. Com maior ou menor preponderância, participou em anos recentes em diversas outras produções do género, entre as quais se destacam Young Justice: Invasion (2012) e no filme de animação com lançamento direto em DVD Batman: Under the Red Hood (2010).
    São feitas referências a Asa Noturna em três filmes do Homem-Morcego:  em Batman Para Sempre (1995),  Dick Grayson (Chris O'Donnell) sugere esse nome no momento de escolher uma identidade secreta para adjuvar o Homem-Morcego no combate ao crime. Já em Batman & Robin (1997), saltam à vista as semelhanças entre o uniforme usado por Robin (ainda interpretado por O'Donnell) e o de Asa Noturna nos comics.
   Por fim, em O Cavaleiro das Trevas Renasce (2012), o detetive John Blake (encarnado por Joseph Gordon-Levitt) exibe um distintivo policial onde é claramente visível a asa estilizada que serve de símbolo ao Asa Noturna.
   Circulam atualmente rumores acerca de planos para a produção de uma série televisiva baseada no ex-líder dos Titãs.

http://img1.wikia.nocookie.net/__cb20111101025918/batman/images/d/df/Nightwinganimated.jpg
Asa Noturna em The New Batman Adventures.

sábado, 6 de Setembro de 2014

EM CARTAZ: HOMEM-ARANHA 3

http://img1.wikia.nocookie.net/__cb20070301120718/marveldatabase/images/b/be/Spider-Man_3_(film)_2.jpg 


   Para levar de vencida as sinistras ameaças que impendem sobre si e os que lhe são queridos, o herói aracnídeo terá primeiro de travar uma batalha interior. Menos consensual do que os seus antecessores, o último capítulo da trilogia dirigida por Sam Raimi continua, ainda assim, a ser um dos filmes mais lucrativos de sempre da Marvel.

Titulo original: Spider-Man 3
Ano: 2007
País: EUA
Género: Ação/Aventura/Fantasia
Duração: 139 minutos
Distribuição: Columbia Pictures
Realização: Sam Raimi
Argumento: Sam e Ivan Raimi
Elenco: Tobey Maguire (Peter Parker/Homem-Aranha); Kirsten Dunst (Mary Jane Watson); James Franco (Harry Osborn/ Duende Verde II); Thomas Haden Church (Flint Marko/Homem-Areia); Topher Grace (Eddie Brock/Venom); Bryce Dallas Howard (Gwen Stacy); Rosemary Harris (May Parker) e J.K. Simmons (J.Jonah Jameson)
Orçamento: 258 milhões de dólares
Receitas: 891 milhões de dólares (a terceira produção cinematográfica mais lucrativa da Marvel, superada apenas por Os Vingadores e Homem de Ferro 3)
Prémios e nomeações: Nomeado, entre 2007 e 2008, para vários prémios e galardões, Homem-Aranha 3 apenas conseguiu sair vencedor na categoria de Melhor Filme de Verão nos Golden Trailer Awards.

http://cdn.fansided.com/wp-content/blogs.dir/315/files/2014/05/Spider-Man-31.jpg
Uma das cenas mais icónicas de toda a trilogia original do herói aracnídeo.
 
Produção e desenvolvimento: A produção de um terceiro filme do Escalador de Paredes arrancou em março de 2004, três meses antes da chegada às salas de cinema de todo o mundo de Homem-Aranha 2. Antevendo o sucesso comercial da sequela, os estúdios da Marvel definiram 2 de maio de 2007 ( data posteriormente alterada para 4 do mesmo mês) para a estreia do próximo capítulo de uma franquia comprovadamente rentável.
    Imediatamente após a chegada aos cinemas de Homem-Aranha 2, Sam Raimi escreveu (a meias com o seu irmão Ivan) uma primeira versão do argumento para o filme seguinte. O realizador pretendia explorar a faceta menos luminosa do herói por contraponto ao lado mais humano dos criminosos. Nesse sentido, Harry Osborn foi repescado porque Sam Raimi acreditava que ele não seguiria o legado maligno do pai, sendo antes retratado como uma personagem de moral ambígua.
    Couberam, assim, ao Homem-Areia as honras de antagonista principal, tendo Raimi ficado fascinado com o potencial visual da personagem. Apesar de, nos quadradinhos, se tratar de um criminoso de segunda linha, os argumentistas criaram-lhe um background em que era ele o verdadeiro assassino de Ben Parker, potenciando dessa forma o sentimento de culpa de Peter relativamente à morte do tio. Em última análise, Raimi descreveu a sua história como sendo uma jornada de expiação dos pecados dos protagonistas.
    Raimi desejava incluir outro vilão na trama, indo a sua preferência para o Abutre. No entanto, o produtor Avi Arad convenceu-o a optar por Venom, por forma a agradar aos muitos fãs da personagem. Na sua versão cinematográfica, Eddie Brock serve, pois, de reflexo distorcido de Peter Parker, já que ambos têm a mesma profissão e interesses românticos em comum. Por outro lado, a conduta antiética de Brock permitia explorar temas contemporâneos como os paparazzi e as perversidades do jornalismo tabloide.

http://static.comicvine.com/uploads/original/0/40/805134-asg_004975.jpg
Sam Raimi relutou em incluir Venom no argumento.
  
   Os produtores sugeriram ainda que fosse acrescentada ao enredo uma disputa amorosa entre Eddie e Peter por Gwen Stacy. Com tantas alterações a adensarem a complexidade da história, a dado momento foi equacionada a hipótese de dividir o filme em duas partes. Ideia que só não vingou porque nenhum dos argumentistas conseguiu conceber um clímax intermédio.
    Entretanto, a 5 de novembro de 2005, arrancaram as gravações de cenas envolvendo grande quantidade de efeitos especiais. Processo que levou dez dias a concluir e que permitia à Sony, a exemplo do que já sucedera com Homem-Aranha 2, ir trabalhando nesses segmentos enquanto decorria a produção do resto da película.
   Entre janeiro e julho de 2006, decorreram as filmagens, tendo como cenários Los Angeles, Cleveland e Nova Iorque. Em agosto, porém, as mesmas foram retomadas dada a necessidade de incluir cenas de ação adicionais. Só no início de 2007 a produção ficaria finalmente concluída. Para esta demora contribuiu a indecisão quanto a qual das quatro versões da origem do Homem-Areia seria utilizada no filme.

http://robsmovievault.files.wordpress.com/2009/12/spiderman3.jpg
Mesmo os heróis mais nobres possuem um lado lunar.
 
Enredo: Enquanto desfruta da sua enorme popularidade como Homem-Aranha, Peter Parker planeia pedir Mary Jane (que acaba de se estrear como atriz na Broadway) em casamento. Durante um passeio noturno do casal no Central Park, um meteorito despenha-se a pouca distância deles e um simbionte alienígena atraca-se a Peter sem que este se aperceba.
    Longe dali, enquanto tenta escapar da Polícia, o criminoso evadido Flint Marko cai acidentalmente dentro de um acelerador de partículas e tem o seu ADN combinado com a areia que havia no local. Em consequência disso, adquire a capacidade de moldar a sua forma e de transformar o seu corpo em areia.
   Harry Osborn, que culpa Peter pela morte do seu pai (Norman Osborn, o Duende Verde), usa um sofisticado arsenal herdado do seu genitor para atacar o ex-amigo. Na refrega entre os dois, Harry sofre uma contusão na cabeça que o deixa parcialmente amnésico ao ponto de se esquecer que Peter e o Homem-Aranha são uma só pessoa, ficando assim suprimido o seu desejo de vingança em relação a ambos.
    Durante um festival em homenagem ao herói aracnídeo, Flint Marko rouba um carro blindado carregado de dinheiro. O capitão George Stacy, do Departamento de Polícia de Nova Iorque, informa Peter e a sua tia May que Marko foi o verdadeiro assassino de Ben Parker, sendo Dennis Carradine um simples cúmplice.
    Nessa noite, enquanto Peter tem o seu sono povoado por pesadelos, o simbionte alienígena funde-se com ele. Peter desperta pendurado no cimo de um arranha-céus envergando um uniforme negro, logo constatando que os seus poderes foram amplificados.

O célebre uniforme negro que fez furor nos quadradinhos e fora deles.

    A sua ligação com o simbionte traz, porém, à tona o seu lado mais sombrio. Assim, quando localiza o Homem-Areia num túnel do metro, o Escalador de Paredes espanca-o com violência e usa água para reduzir o vilão a uma poça de lama.
   Mary Jane, cuja carreira artística se encontra estagnada, sente-se humilhada pela súbita mudança de comportamento de Peter e busca consolo em Harry Osborn. Influenciado por uma alucinação do seu pai, Harry recupera a memória e chantageia Mary Jane para levá-la romper o seu noivado com Peter. Coagida por Harry, MJ declara-se apaixonada por outro homem, deixando Peter devastado.
    Numa atitude provocatória, Harry procura Peter para se assumir como o novo dono do coração de Mary Jane. Mais tarde, usando o seu novo traje, Peter confronta Harry. Este lança uma abóbora explosiva na direção do ex-amigo, que a rebate em pleno ar. A bomba rebenta desfigurando o rosto de Harry.
    Manipulado pelo simbionte, Peter denuncia as fotografias forjadas retratando o Homem-Aranha como um criminoso, tiradas por Eddie Brock, um fotógrafo rival do Clarim Diário. Furioso por ter de publicar um desmentido, o diretor do jornal, J. Jonah Jameson, demite Brock.
    Numa tentativa de causar ciúmes a Mary Jane, Peter faz-se acompanhar de Gwen Stacy (uma jovem que Brock acreditava ser sua namorada) à discoteca onde a sua ex-noiva trabalha atualmente. No entanto, nem tudo corre conforme desejado: ao vê-los juntos, Brock assume que Peter e Gwen namoram; apercebendo-se de que foi usada por Peter, Gwen bate em retirada; Peter, por sua vez, envolve-se numa zaragata com os seguranças do estabelecimento acabando acidentalmente por atingir Mary Jane. É nesse momento que toma enfim consciência da influência perniciosa que o simbionte vem exercendo sobre ele.

http://imageserver.moviepilot.com/spider-man-3_610-spider-man-3-the-sandman-venom-more-the-good-the-bad-and-the-ugly.jpeg?width=610&height=458
Homem-Areia, Novo Duende e Venom: um triunvirato vilanesco de respeito.

    No campanário de uma catedral, Peter procura desesperadamente desenvencilhar-se do uniforme, que é afinal um ser vivo.Quando, acidentalmente, faz tocar o sino da catedral, as vibrações sónicas por ele emitidas enfraquecem o simbionte, e Peter consegui removê-lo de si. Em agonia, o simbionte cai no interior da edifício onde, naquele momento, Eddie Brock rezava pela morte de Peter. Encontrando em Brock um novo hospedeiro, o simbionte transforma-o em Venom. Ainda que inicialmente horrorizado com a metamorfose, logo Brock aceita a sua nova forma. Sem perder tempo, Venom vai ao encontro do Homem-Areia a fim de lhe propor uma aliança contra o Escalador de Paredes.
    Mary Jane viaja a bordo de um táxi que é sequestrado por Venom, pendurando-o de seguida numa teia sobre um enorme monte de areia num estaleiro de obras.  Perante o sucedido, Peter procura a ajuda de Harry, mas é rejeitado.
http://www.wallcoo.net/movie/2007_Spider-Man_3_Wallpaper_1024/images/Bryce_Dallas_Howard_in_Spider-Man_3_Wallpaper_21.jpg
Na BD , Gwen Stacy foi o primeiro grande amor de Peter Parker. No cinema, esse papel coube a Mary Jane Watson.

   Ao mesmo tempo que o Homem-Aranha combate sozinho os poderes combinados de Venom e do Homem-Areia, Harry descobre, através do seu velho mordomo, a verdade sobre a natureza maléfica do seu falecido pai e resolve ir em auxílio de Peter.
    Prestes a ser subjugado pelos vilões, o Homem-Aranha é salvo no último momento pela chegada de Harry usando um uniforme inspirado no primeiro Duende Verde. Unindo forças, os dois amigos conseguem levar a melhor sobre Venom e o seu comparsa.
   Venom ainda tenta usar o planador do novo Duende para empalar o Homem-Aranha, mas Harry interpõe-se e é ferido mortalmente.
   O Homem-Aranha constrói então um círculo de guizos com as suas teias, criando dessa forma uma muralha de vibrações sónicas. O simbionte liberta Brock, o qual é prontamente resgatado pelo herói aracnídeo. No entanto, quando o Escalador de Paredes atira uma das bombas-abóbora de Harry na direção do simbionte, Brock salta para junto da criatura, sendo colhido pela violenta explosão. Dela resultando a aparente morte de ambos.
    Flint Marko confessa a Peter nunca ter tido intenção de assassinar o seu tio tio. Apenas queria o seu carro para escapar à Polícia, tendo o disparo fatal ocorrido quando o seu cúmplice lhe agarrou o braço.Uma morte que o assombra desde então. Peter perdoa Marko, que se dissolve em areia e desaparece.
    Peter e Harry fazem as pazes antes deste último soltar o seu derradeiro suspiro, sendo o momento testemunhado por Mary Jane.
    Algumas noites depois, Peter visita o club de jazz onde Mary Jane agora atua como cantora e ambos começam a remendar o seu relacionamento. 
Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=8X6W2VG_MaA

http://static.thecia.com.au/reviews/s/spider-man-3-7.jpg
Duelo ao espelho.

Curiosidades: 
* Todos os gritos de Kristen Dunst ao longo da película foram reciclados de Homem-Aranha 2 (2004);
* Bryce Dallas Howard dispensou a utilização de uma dupla na sua cena mais arriscada, desconhecendo na altura estar grávida;
* Embora assumindo-se como um fã de super-heróis que leu as primeiras histórias de Venom na sua infância, Topher Grace viveu um verdadeiro calvário na pele do vilão. Além de muito desconfortável, o traje demorava uma hora a ser vestido (à qual se somavam outras quatro para a aplicação de próteses) e tinha de ser constantemente lambuzado com gosma por forma a conceder-lhe o seu característico aspeto viscoso. Como se isso não bastasse, o ator teve também de utilizar presas postiças que lhe feriram as gengivas;
* Um dos sons guturais emitidos por Venom no filme pertencia a um demónio da Tasmânia;
http://img.photobucket.com/albums/v615/gail_b/Un/Spiderman3_9840.jpg
Topher Grace teve de penar para dar vida a Venom no grande ecrã.
 * Sam Raimi foi o primeiro realizador a dirigir três filmes consecutivos de uma franquia super-heroica. Em 2012, ao concluir a sua trilogia do Cavaleiro das Trevas, Chris Nolan tornou-se o segundo cineasta a conseguir essa proeza. Raimi, de resto, na sequência do sucesso comercial de Homem-Aranha 3, foi convidado para dirigir nova sequela. Divergências entre o realizador e a Sony ditaram, porém, o seu afastamento do projeto, abrindo dessa forma caminho a um reboot  da franquia;
* Foram necessários três anos para criar os efeitos visuais que permitiram reproduzir os poderes do Homem-Areia. Por forma a compreender a dinâmica da areia, ao longo desse período foram conduzidas diversas experiências e consultados escultores habituados a trabalhar com esse material;
* Pode dizer-se que Homem-Aranha 3 foi um projeto familiar, uma vez que teve o condão de reunir os três irmãos Raimi: Sam assumiu a realização, Ivan foi coargumentista e Ted interpretou um pequeno papel como Hoffman;
* Com 139 minutos, este é o filme mais longo da trilogia original do Escalador de Paredes. É também o único em que o antagonista principal (Homem-Areia) sobrevive no final da história. Recorde-se que, nos dois capítulos anteriores, o Duende Verde e o Dr. Octopus tiveram fins trágicos;
* Segundo Grant Curtis (um dos produtores da trilogia), inicialmente estava prevista a participação do Abutre na película, tendo Ben Kingsley sido sondado para o papel. O vilão acabaria, contudo, por ser substituído por Venom, malgrado a renitência de Sam Raimi, que considerava a personagem repulsivamente desumana;
* Na BD, foi o Senhor Fantástico quem descobriu a verdadeira natureza alienígena e simbiótica do uniforme negro do herói aracnídeo. Devido aos direitos do Quarteto Fantástico pertencerem à 20th Century Fox - e não à Sony Entertainment como o Escalador de Paredes - esse mérito coube no filme ao Dr. Curt Connors (o Lagarto).

http://collider.com/uploads/imageGallery/Spiderman_3_Hi_Res/spiderman_3_movie_image_kirsten_dunst_and_tobey_maguire.jpg
Mary Jane e Peter: a bonança antes da tempestade.
 
Veredito:  58% 

   Depois de dois capítulos épicos que mereceram plenamente o seu sucesso, seguiu-se um terceiro menos equilibrado, balançando precariamente entre  arrebatadoras sequências de ação e monótonos intervalos dramáticos.
   Era sabido que Homem-Aranha 3 teria de superar os seus predecessores, sob pena de - como, de facto, aconteceu - a franquia perder gás. Desse imperativo decorreram, com efeito, os seus principais problemas.
   Conquanto seja maior(e mais lucrativa), a terceira aventura cinematográfica do herói aracnídeo não é, todavia, melhor do que as anteriores. Dada a profusão de personagens (no caso particular dos vilões, assenta como uma luva o velho axioma "dois é bom, três é demais") e uma intrincada tapeçaria de narrativas secundárias, o Escalador de Paredes parece ter de lutar por destaque no seu próprio filme. Facto que, por si só, justificaria a divisão do projeto em duas partes - hipótese, de resto, cogitada pelos produtores. Tal não aconteceu e, à imagem de um arranha-céus construído sobre frágeis alicerces, a película acabou por ceder ao próprio peso. Homem-Aranha 3 acaba, portanto, por ser vítima de alguma megalomania.
   Faltando-lhe em fluidez narrativa o que lhe sobra em melodrama e personagens, Homem-Aranha 3 é bem-sucedido no seu objetivo de conservar os fãs dos dois primeiros filmes (mesmo perdendo na comparação com eles), embora fracassando em arregimentar novos.
   No entanto, como vieram comprovar as duas mais recentes adaptações ao grande ecrã do Escalador de Paredes dirigidas por Marc Webb, Homem-Aranha 3 não é afinal assim tão mau como muitos sentenciaram. Não faltando por aí quem suspire já pelo regresso de Sam Raimi à cadeira de realizador...

      http://www.fernbyfilms.com/wp-content/uploads/2011/10/Spider-Man-3-001.jpg

quarta-feira, 27 de Agosto de 2014

GALERIA DE VILÕES: KRAVEN, O CAÇADOR




    Criado no seio de uma aristocracia decadente, Sergei Kravinoff procurou recuperar a nobreza perdida tornando-se um dos melhores caçadores do planeta. Não foi, contudo, na savana, mas sim na selva de betão, que encontrou a sua presa de eleição. No Homem-Aranha encontrou um desafio à sua altura.

Nome original da personagem: Kraven, the Hunter
Primeira aparição: The Amazing Spider-Man nº15 (agosto de 1964)
Criadores: Stan Lee (história) e Steve Ditko (arte)
Licenciadora: Marvel Comics
Identidade civil: Sergei Nikolaevich Kravinoff (originalmente, o apelido era Kravinov)
Local de nascimento: Volgogrado (antiga Estalinegrado), Rússia
Parentes conhecidos: Nikolai Kravinoff (pai falecido), Ana Kravinoff (mãe) Dmitri Smerdyakov (o vilão conhecido como Camaleão, seu meio-irmão), Sasha Kravinoff (esposa falecida), Alyosha Kravinoff (filho), Ana Tatiana Kravinoff (filha), Ned Tannengarden (filho falecido), Gog (filho adotivo) e Xraven (clone)
Afiliação: Ex-membro do Sexteto Sinistro e dos Vingadores (grupo ativo na década de 1950, sem qualquer conotação com a atual equipa); ex-aliado do Camaleão e de Calypso
Base de operações: Móvel
Armas, poderes e habilidades: Graças à ingestão regular de poções produzidas a partir de misteriosas ervas colhidas nas profundezas das selvas africanas, Kraven adquire capacidades físicas (como força, velocidade e resistência sobre-humanas) que lhe permitem rivalizar com oponentes mais poderosos. Também os seus sentidos são amplificados pela ação das referidas poções herbáceas, aumentando dessa forma as suas já impressionantes habilidades de rastreamento.
     Como efeito colateral das supracitadas poções, Kraven teve o seu processo natural de envelhecimento profundamente retardado. Apesar de ser já septuagenário, o vilão não aparenta ter mais de trinta anos.
    Mesmo despojado de habilidades sobre-humanas, Kraven é um atleta de nível olímpico, um estrategista brilhante e um exímio lutador corpo a corpo. É ainda um profundo conhecedor da anatomia humana e de muitos animais, estando por isso familiarizado com os pontos de pressão que, quando tocados com precisão, lhe permitem facilmente neutralizar os seus adversários.
   Avesso ao uso de armas de fogo, nas suas caçadas Kraven opta frequentemente pela utilização de armadilhas, redes, lanças e dardos embebidos em venenos ou tranquilizantes naturais. 
    Poucos são os animais que Kraven não consegue domar e/ou treinar no sentido de obedecerem quase na perfeição aos seus comandos. Muitos especulam que este facto se deverá a algum tipo de controlo mental exercido pelo vilão sobre as feras, o que nunca ficou demonstrado.

http://static.comicvine.com/uploads/scale_small/3/33913/1097769-95_spider_man__origin_of_the_hunter_1.jpg
Kraven sonha adicionar o Homem-Aranha à sua coleção de troféus de caça.
 
Histórico de publicação:  Há precisamente meio século, em agosto de 1964, Kraven, o Caçador debutava nas páginas de The Amazing Spider-Man nº15. Conquanto, nos anos subsequentes, tenha ocasionalmente marcado presença em títulos de outras personagens do Universo Marvel, notabilizou-se como antagonista do Homem-Aranha.

http://thecomicscode.weebly.com/uploads/2/6/1/5/2615983/2919065_orig.jpg
Kraven fez a sua primeira aparição em Amazing Spider-Man nº15 (1964), numa edição que contava ainda com participação especial de outro dos antagonistas clássicos do herói aracnídeo: o Camaleão.

    Conforme mostrado no texto anterior, o vilão suicidou-se no final da saga Kraven's Last Hunt (1987), da autoria de J.M. DeMatteis e Mike Zeck. Também como vimos anteriormente, sendo quase unanimamente considerada a história suprema da personagem, Kraven acabou por ser uma segunda escolha do argumentista, que idealizara outro némesis para o Escalador de Paredes.
    A este propósito, DeMatteis recorda: "Estava pronto para começar a trabalhar na história. Estava sentado meu escritório e dei comigo a folhear o «Marvel Universe Official Handbook». Por nenhuma razão especial, li a entrada referente a Kraven, o Caçador. Desconhecia em absoluto que a personagem tinha nacionalidade russa. Aos olhos de um indefetível de Dostoiévski como eu, isso tornou-a logo mais interessante. Ocorreu-me que Kraven, a exemplo de muitas personagens de Dostoiévski, poderia ser dono de uma alma torturada. Adquiri subitamente um entendimento totalmente novo da sua quintessência. Considerei interessante a possibilidade de explorar as motivações de Kraven para ser quem era. Foi uma verdadeira epifania, visto que a personagem em questão nunca me suscitara o menor interesse. Honestamente, sempre o considerei um dos mais ridículos inimigos do Homem-Aranha. Porém, a partir daquele momento, passei a percecioná-lo de uma forma completamente diversa".
   Não obstante tratar-se de um dos mais antigos oponentes do herói aracnídeo, DeMatteis afirma que nenhum dos mandachuvas da Marvel levantou objeções à morte de Kraven no final da história em questão. No entanto, o vilão - ainda que numa forma espectral - seria ulteriormente devolvido ao mundo dos vivos na novela gráfica Soul of the Hunter, produzida em 1992 pelos mesmos autores de Kraven's Last Hunt. DeMatteis escreveu ainda Kraven's First Hunt, espécie de prequela publicada em The Sensational Spider-Man Annual '96. Entre outras coisas, na história eram abordados pormenores do passado de Kraven, nomeadamente as sevícias por ele infligidas ao seu meio-irmão (Dmitri Smerdyakov, o Camaleão).


Sozinho ou integrado no Sexteto Sinistro, Kraven é um dos mais antigos oponentes do Homem-Aranha.

Biografia: Sergei Kravinoff é filho de um aristocrata russo obrigado a exilar-se com a sua família em terras do Tio Sam na sequência da Revolução Bolchevique e da consequente queda do regime do Czar Nicolau II em 1917.
   Procurando recuperar o prestígio perdido, Sergei procurou os serviços de um misterioso mercenário  conhecido apenas como Gregor, que o treinou para ser um dos melhores caçadores do mundo. Celebrizado internacionalmente como Kraven, o Caçador, Sergei rapidamente se entediou por conta da escassez de desafios à sua altura. Por sugestão do seu associado, Dmitri Smerdyakov (futuro Camaleão), Kraven elegeu o Homem-Aranha como o seu supremo troféu de caça.
   No entanto, ao invés da maioria dos seus congéneres, Kraven desdenha o uso de armas de fogo (bem como de arcos e de flechas), preferindo subjugar animais ferozes e de grande porte com as próprias mãos ou recorrendo a sofisticadas armadilhas. Rege-se igualmente por um estrito código de honra que o leva a tratar com respeito as suas presas. Em Kraven's Last Hunt abriu, contudo, uma exceção no que tange à utilização de armas de fogo. Ainda que não tenha disparado munição real, mas sim dardos tranquilizantes que deixaram o Escalador de Paredes em estado comatoso.
   Graças às infusões e poções confecionadas pela sua amante Calypso (uma sacerdotisa vudu) a partir de extratos de plantas exóticas trazidas das selvas mais profundas, Kraven adquire capacidades acima da média, que o tornam um caçador ainda mais eficiente.
   Embora coadjuvado pelo Camaleão, Kraven foi malsucedido na sua primeira tentativa de caçar o Homem-Aranha e acabou deportado dos EUA. Regressaria pouco tempo depois ao país, para integrar o Sexteto Sinistro (coletivo vilanesco que, na sua primeira formação, contava também com o Dr. Octopus, Mysterio, Abutre, Electro e Homem-Areia). Ele e os seus comparsas acabariam, todavia, derrotados pelo herói aracnídeo.

http://news.doddleme.com/wp-content/uploads/2013/12/sinister-six-spider-man.jpg
Formação original do Sexteto Sinistro, com Kraven em primeiro plano.

    Por sempre ter subestimado o Escalador de Paredes, Kraven foi sucessivamente sobrepujado por ele. Após anos a acumular frustração e rancor, o vilão empreendeu, como vimos, a sua derradeira caçada ao Homem-Aranha. Derrotado uma vez mais pelo herói, colocou aparentemente termo à vida.
   Na esteira desses eventos, Dmitri Smerdyakov - tido até então como um mero serviçal de Kraven - revelou o grau de parentesco existente entre os dois (meios-irmãos) e denunciou os maus-tratos de que foi continuadamente vítima por parte do falecido.
    Mercê do seu suicídio, a alma de Kraven foi condenada ao purgatório, sendo-lhe interdito o perpétuo descanso. Ciente disso, a sua esposa Sasha, adjuvada pela prole do casal Kravinoff (Ana, Vladimir e Alyosha), levou a cabo um ritual de ressurreição no qual foi pretensamente utilizado sangue do Homem-Aranha. Mas alguma coisa correu mal. Devolvido à vida, Kraven revelou-se mais psicótico e violento do que nunca.
     Após ter espancado Alyosha e Ana, foi esfaqueado por esta. Sasha constatou então que o sangue usado no ritual não pertencia ao Homem-Aranha, mas sim a Kaine, o seu clone corrompido. O que explicava os comportamentos erráticos do marido
   Depois de o clã ser desbaratado pelo verdadeiro Escalador de Paredes, todos os seus elementos escaparam para a Terra Selvagem. Kraven decidiu então caçá-los um por um, a fim de confirmar se eles eram dignos de ostentarem o seu apelido. Em consequência disso, Sasha foi morta pelo marido, Vladimir foi eutanasiado pelo pai, Alyosha fugiu e Ana implorou ao progenitor que lhe concedesse a oportunidade de ser treinada por ele, para assim poder reconstituir o clã Kravinoff. Kraven aquiesceu a troco da promessa feita por Ana de que iria caçar o irmão foragido.

O caçador supremo.
      
Legado: Durante o período em que Kraven foi dado como morto, e mesmo após o seu regresso ao mundo dos vivos, vários descendentes seus tentaram honrar o seu legado. O primeiro a assumir essa responsabilidade foi o seu filho Vladimir que moveu caça tanto ao Homem-Aranha como a alguns dos seus inimigos, acabando assassinado por Kaine, o clone insano do Escalador de Paredes. Seria posteriormente ressuscitado por Sasha Kravinoff através de um ritual envolvendo sacrifícios humanos. O redivivo Vladimir, no entanto, regressou sob a forma de uma leão humanoide. Numa expressão de respeito pelos mortos, Kraven eutanasiou o filho durante a estada do clã Kravinoff na Terra Selvagem.
     Pouco tempo após a morte do seu meio-irmão, foi a vez de Alyosha assumir, durante um breve período, a identidade de Kraven. A qual abandonou para se mudar de armas e bagagens para Hollywood.
    Houve ainda um terceiro filho, Ned Tannengarden, que tentou matar Alyosha, acabando ele próprio por ser morto pelo Camaleão, cujo grau de insanidade o levava a acreditar ser ele o verdadeiro Kraven.
    Mais tarde foi a vez de Ana Kravinoff seguir as pisadas do pai. Pelo meio houve ainda Gog, um ser extraterrestre perfilhado por Kraven depois de ter sido resgatado por ele da sua espaçonave despenhada.
    Em 2009, no crossover X-Men/Spider-Man, foi revelada a existência de Xraven, um clone produzido pelo Senhor Sinistro a partir  do ADN de Kraven combinado com o dos X-Men originais. Facto que lhe conferia as habilidades do quinteto de heróis mutantes.

Ana Kravinoff: quem sai aos seus não degenera.

Noutros media: No seu ranking de 2009 dos Melhores Vilões de Sempre dos Quadradinhos, o site IGN atribuiu a Kraven a 59ª posição. No pequeno ecrã, a sua estreia ocorreu na série animada de 1966 The Marvel Super-Heroes - curiosamente no segmento estrelado pelo Homem de Ferro. Em 1981, Kraven participou pela primeira vez numa série similar  - Spider-Man - tendo o Homem-Aranha como protagonista. Antes, numa produção homónima datada de 1967, uma personagem decalcada de Kraven (um caçador australiano chamado Harley Clivington) havia marcado presença num episódio intitulado The One-Eyed Idol. Remonta a 2012, na série de animação Ultimate Spider-Man, a  mais recente incursão televisiva do vilão.
   Marc Webb, realizador das duas últimas aventuras cinematográficas do Escalador de Paredes, já manifestou o seu interesse em incluir Kraven no terceiro capítulo da nova saga, muito provavelmente com o vilão a surgir integrado no Sexteto Sinistro.

Kraven em Spider-Man: The Animated Series (1994-1998).