clique aqui e encontre um template com a sua cara - template for blogger»

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

GALERIA DE VILÕES: PISTOLEIRO



   Quando uma bala perdida lhe mudou as agulhas do destino, Floyd Lawton jurou não mais falhar um alvo. Depois de anos por conta própria a puxar o gatilho pelo preço certo, juntou-se ao Esquadrão Suicida. Se para desafiar a morte ou expiar os seus pecados, só ele o saberá.

Denominação original: Deadshot
Licenciadora: Detective Comics (DC)
Criadores: David Vern Reed (história) e Lee Sayre Schwarz (arte conceitual)
Primeira aparição: Batman nº59 (julho de 1950)
Identidade civil: Floyd Lawton
Parentes conhecidos: George Lawton (pai), Genevieve Pitt (mãe), Edward Robert Lawton (irmão falecido), Susan Lawton (ex-esposa), Zoe Lawton (filha) e Edward Lawton (filho falecido)
Afiliação: Sexteto Secreto (Secret Six), Esquadrão Suicida (Suicide Squad) e Killer Elite
Base de operações: Gotham City
Armas, poderes e habilidades: Embora desprovido de dons sobre-humanos, o Pistoleiro possui recursos suficientes para fazerem dele um adversário temível, mesmo quando tem pela frente pesos-pesados do Universo DC. Além da pontaria virtualmente infalível que lhe valeu o título de Melhor Assassino do Mundo, é proficiente no combate corpo a corpo, tendo já lutado de igual para igual com o Batman e o Arqueiro Verde.
Exímio no manuseamento tanto de armas brancas como de fogo, o Pistoleiro tem acesso a um impressionante arsenal. Além das suas icónicas metralhadoras de pulso, tem uma predileção especial por uma espingarda de precisão com mira telescópica. Arma que, nas suas mãos, se torna uma certidão de óbito para qualquer alvo que respire.
Fluente em russo - idioma que terá aprendido durante a juventude por supostas motivações políticas -, Floyd Lawton tem no bilinguismo outra importante ferramenta de trabalho.

Estático ou em movimento,
alvo algum escapa à pontaria do Pistoleiro.
Personalidade: Múltiplas avaliações psicológicas efetuadas ao longo dos anos coincidem na conclusão de que Floyd Lawton despreza o valor da vida humana (incluindo da sua), entregando-se frequentemente a exercícios autodestrutivos. Alguns especialistas que o examinaram (avultando entre eles Marnie Herrs, psicanalista residente da penitenciária de Belle Reeve) sustentam mesmo a tese de que ele terá aceitado fazer parte do Esquadrão Suicida apenas porque o encara como um instrumento para acelerar o próprio fim.
Este seu desejo de morrer torna o Pistoleiro um adversário extremamente imprevisível, ao ponto de se automutilar para atingir determinado objetivo. Foi o que aconteceu, por exemplo, durante a refrega que o pôs frente a frente com o Lanterna Verde Kyle Rainer na saga Crise de Identidade (Identity Crisis). Pressentindo a derrota iminente, o Melhor Assassino do Mundo não hesitou em disparar sobre si mesmo, antecipando o impulso do herói em salvar-lhe a vida. Conseguindo dessa forma que o seu oponente baixasse momentaneamente a guarda, o que quase custou a vida ao incauto Lanterna. Mesmo a esvair-se em sangue, o Pistoleiro conseguiu mirar nele, ferindo-o com gravidade. Nessa como em outras missões suicidárias, Lawton não escondeu o seu desapontamento por ter sobrevivido.
A concordância de Lawton em colaborar com a força-tarefa de criminosos descartáveis usados pelo Governo americano em missões sigilosas de alto risco é, porém, passível de outra leitura. Alguns psicanalistas que elaboraram o seu perfil psicológico creem ter sido essa a forma por ele encontrada para se redimir dos inúmeros pecados cometidos no passado.

Floyd Lawton: nascido para matar, marcado para morrer.
Já a afinidade do Pistoleiro com Rick Flag (comandante operacional do Esquadrão Suicida) é explicada pelos trágicos antecedentes familiares do vilão, especificamente pela morte do irmão que ele idolatrava (ver Origem). Havendo, de resto, fortes indícios de que Edward Lawton terá sido, se não a única, pelo menos uma das pouquíssimas pessoas com quem Floyd alguma vez se importou verdadeiramente.
Outra das exceções terá sido, porventura, o seu filho Edward. Após a morte do rapaz, Lawton não descansou enquanto não tirou a vida ao seu assassino. Justificando, no entanto, essa conduta como uma ação necessária à salvaguarda da sua reputação profissional. Segundo as suas próprias palavras, o Mal é real e a única forma de curar certas pessoas é metendo-lhes uma bala na cabeça. Importa ressaltar, a este propósito, que o filho de Lawton foi raptado e violado por um pedófilo antes de por ele ser barbaramente assassinado.
Novamente os pareceres dos especialistas em relação a mais este dramático episódio na vida de Floyd Lawton não foram unânimes. Com alguns deles a sugerirem que tudo não passaria de uma estratégia para camuflar as emoções, mercê da sua inabilidade em lidar com a própria dor e de fazer o luto pelo filho.
Dono de uma personalidades profundamente antissocial - temperada por um certo enviesamento moral -, o Pistoleiro tem na misoginia outro dos seus traços de caráter mais vincados. Questionado sobre as suas relações com o sexo oposto, assume sem pudor a sua preferência por prostitutas e acompanhantes. Justificando essa opção pela sua incapacidade inata em entender o que pretendem as mulheres num relacionamento convencional. Sentindo-se, por isso, muito mais confortável em perspetivar o sexo como uma simples transação comercial destituída de vínculos afetivos.
Regendo-se por um código ético draconiano, o Pistoleiro corresponde ao epítome do profissionalismo. Uma vez remunerado, ele nunca deixa inacabado o serviço para o qual foi contratado. Qualquer alvo seu está, portanto, marcado para morrer.

O Melhor Assassino do Mundo.
Origem e evolução da personagem: Conceito primordialmente desenvolvido por David Vern Reed e Lew Sayre Schwartz, o Pistoleiro fez a sua estreia oficial ainda na Idade do Ouro, nas páginas de Batman nº59 (edição datada de junho de 1950). Poucos pormenores foram, contudo, revelados sobre a respetiva origem e motivações nas suas escassas aparições durante esse período.
De facto, apenas em meados dos ano 80 do século passado - coincidindo com a fase seminal do Esquadrão Suicida - é que os antecedentes e a personalidade do vilão seriam devidamente aprofundados. Cortesia da dupla criativa composta pelo escritor John Ostrander e pelo artista Luke McDonnell. A esta r(e)evolução da personagem, seguir-se-ia uma outra, já este século, à luz de Os Novos 52. Mas vamos por partes. Comecemos, então, pela sua origem clássica.
Floyd Lawton nasceu literalmente em berço de ouro, no seio de uma família particularmente abastada. George Lawton, o patriarca, acumulara fortuna graças à especulação imobiliária, ao passo que a sua esposa, Genevieve Pitt, descendia de uma poderosa linhagem de banqueiros. Descrito como a antítese de Floyd, Edward, o seu irmão mais velho, era tratado como um pequeno príncipe pelos pais. Por conta dessa circunstância, Floyd cresceu à sombra do irmão, o que não o impediu de idolatrá-lo.
Fazendo eco do velho adágio que diz que o dinheiro não compra a felicidade, o clã Lawton vivia em constante desarmonia. Adúltero e abusivo, George maltratava a esposa, o que a levou a pedir aos filhos que pusessem fim ao seu ordálio, matando o pai. No entanto, apenas Edward acedeu de pronto à súplica materna. Floyd, por sua vez, tentou avisar o pai da conspiração em curso, acabando trancafiado pelo irmão numa pequena arrecadação instalada na propriedade da família.
Quando Floyd conseguiu finalmente evadir-se, levou consigo uma espingarda de caça, resoluto em impedir que o irmão manchasse as mãos com o sangue paterno.
Entretanto, no interior da mansão, já o pai jazia agonizante no chão da biblioteca, atingido por um disparo do filho mais velho. Que agora se preparava para lhe dar um tiro de misericórdia.
Perante este macabro cenário, Floyd trepou rapidamente a uma árvore e mirou de forma a apenas desarmar Edward. Contudo, no exato momento em que premia o gatilho, o ramo em que se encontrava empoleirado cedeu ao seu peso e ele acabou por atingir mortalmente o irmão. Já o pai, esse, sobreviveu ao atentado, mas ficaria paralisado até ao último dia da sua vida.
Foi assim que, numa cruel ironia do destino que lhe definiria para sempre o caráter, uma bala perdida disparada por Floyd matou a pessoa que ele mais amava salvando a vida àquela que ele mais odiava.

A estreia do Pistoleiro
não mereceu destaque na capa de Batman nº59 (1950) .
Apesar do incidente ter sido abafado para evitar um escândalo que desonraria a família Lawton, nada voltaria a ser como antes. Mais amargo do que nunca, George negou conceder o divórcio a Genevieve, obrigando-a a viver sozinha com uma pequena mesada. Quanto a Floyd, sairia de casa pouco tempo depois, para empreender o seu treino com um reputado assassino profissional chamado David Cain.
Alguns anos depois, Floyd mudou-se para Gotham City, onde se instalou com o seu mordomo numa faustosa mansão a partir da qual levava uma vida de playboy. Aproveitando a ausência temporária da Dupla Dinâmica, criou a persona do Pistoleiro e, com o beneplácito do Comissário Gordon, começou a agir como o novo guardião da cidade. Usando, para esse efeito, uma fatiota que, à parte a mascarilha que lhe assegurava o anonimato, em tudo o mais fazia lembrar a que é até hoje trajada por Mandrake. Sendo o figurino completado por um par de revólveres que, quando disparados, nunca erravam o alvo.
Cada vez mais popular junto da Polícia e dos habitantes de Gotham City, o Pistoleiro chegou mesmo a dispor de um sinal luminoso próprio (em forma de alvo), destronando dessa forma o lendário Bat-sinal.
Retornados a Gotham, Batman e Robin investigaram o misterioso rival e logo o expuseram como a fraude que ele realmente era. O Pistoleiro estava afinal mancomunado com várias organizações criminosas, servindo as suas ações vigilantistas como cortinas de fumo para distrair as autoridades. Após ter deduzido a verdadeira identidade do vilão, o Cruzado Encapuzado mandou-o para trás das grades.
Na sua versão da Idade do Ouro,
o figurino do Pistoleiro fazia lembrar Mandrake.
A par da morte do irmão, essa primeira passagem de Floyd Lawton pelo cárcere, seria outro dos momentos definidores da sua trajetória de vida. Que só continuaria a ser traçada no período subsequente a Crise nas Infinitas Terras (saga em que o Pistoleiro teve uma participação residual).
Ainda com uma longa pena por cumprir, Floyd conseguiu escapar da prisão graças a um monóculo laser que roubara ao Pinguim. Embrutecido pelas agruras do confinamento, deixou de ter qualquer vestígio de preocupação com civis apanhados no fogo cruzado. Culpava igualmente o Batman pela sua desgraça e, envergando agora o uniforme vermelho que se tornaria sua imagem de marca a partir de meados da década de 1980, tentou matar o herói. Fracassou e foi novamente por ele recambiado para a prisão.
Depois de anos a passar pelas portas giratórias do sistema penal americano, o Pistoleiro foi recrutado para a Força-Tarefa X (mais tarde renomeada de Esquadrão Suicida*). Ao lado de outros supercriminosos condenados dispostos a jogarem as próprias vidas em troca de uma redução das respetivas penas, Floyd Lawton passou a usar os seus talentos para, ainda que de uma forma enviesada, tornar o mundo mais seguro. Aos poucos, o supervilão foi assim dando lugar ao anti-herói. Estatuto consolidado na nova continuidade da DC saída de Os Novos 52.
Entre os vários retoques dados à história do Pistoleiro em 2011, releva o facto de o seu filho ter sido inapelavelmente apagado da existência. No processo Floyd Lawton perdeu também o aristocrático bigode que, até então, fora outra das suas imagens de marca. Apresentado nesta sua versão contemporânea como um velho némesis do Batman, é igualmente descrito como um caçador de recompensas.
Condenado a prisão perpétua na sequência de uma tentativa de assassinato de um senador americano, o Pistoleiro foi recrutado para as fileiras do Esquadrão Suicida, recebendo uma redução de pena como contrapartida. Sempre de mira certeira e moral questionável, assumiu-se, pela primeira vez, como líder do grupo.

*Prontuário do Esquadrão Suicida em http://bdmarveldc.blogspot.pt/2014/08/galeria-de-viloes-esquadrao-suicida.html

O homem que nunca falha um tiro
surge mais letal do que nunca em Os Novos 52.
Apontamentos:

* Malgrado a sua incorporação nos cânones da DC reporte ao período que precedeu Crise Nas Infinitas Terras, o Pistoleiro conservou praticamente intocada a sua origem na nova continuidade emanada da saga. Alguns elementos da sua história poderão, contudo, ter sido objeto de revisionismo, devendo, portanto, ser considerados apócrifos;
* Conhecido pelos seus hábitos pouco salutares, Floyd Lawton é fumador, intolerante à lactose e amigo de infância de William Heller (vulgo Dragão Branco, vilão engajado com ideais de extrema-direita). Lawton alega igualmente ser militante comunista, apesar das suas raízes burguesas;
* As armas que o Pistoleiro usa acopladas nos pulsos foram inspiradas em protótipos idênticos desenvolvidos durante a II Guerra Mundial pelos laboratórios militares do Exército britânico;

Poucos saberão que as icónicas armas de pulso
 do Pistoleiro tiveram um modelo real.
Noutros media: Sem escapar ao cada vez mais frequente revisionismo étnico que vem pautando sucessivas adaptações ao panorama audiovisual de personagens de banda desenhada originalmente caucasianas, o Pistoleiro viu recentemente ser alavancada a sua popularidade graças a Suicide Squad. Filme em que é interpretado pelo ator afro-americano Will Smith, e cuja versão retratada coincide largamente com a de Os Novos 52.

Will Smith dá vida ao Pistoleiro em  Suicide Squad (2016).
Esta não foi, porém, a primeira vez que Floyd Lawton participou numa produção de ação real com a chancela da DC. Tomando emprestado o corpo de Bradley Stryker, o Pistoleiro marcou presença em dois episódios da temporada final de Smallville. Seguindo-se participação mais relevante na segunda temporada de Arrow, agora interpretado por Michael Rowe. Ator que repetiu o papel num episódio da segunda temporada de The Flash ambientado na Terra 2.

 Michael Rowe vestiu a pele de Floyd Lawton em Arrow e The Flash.

No campo da animação, desde o início deste século que o  Pistoleiro vem sendo presença regular tanto em filmes como em séries baseadas no Universo DC. Com a sua estreia televisiva a acontecer na série Justice League (2001-04), onde contou com a voz de Michael Rosenbaum (o Lex Luthor de Smallville). Já a sua última aparição num filme animado remonta a 2014, ano de estreia de Batman: Assault on Arkham, no qual assume o comando do Esquadrão Suicida, arranjando ainda tempo para namoriscar com a Arlequina.

O Pistoleiro
 estreou-se na TV em  Justice League.


segunda-feira, 15 de agosto de 2016

EM CARTAZ: «O JUSTICEIRO»




  Exército de um homem só, o primeiro Justiceiro do século 21 sobreviveu ao confronto com um sanguinário senhor do crime, mas não à metralha de críticas negativas. De pouco lhe valendo o colete à prova de bala ou o facto de esta sua nova aventura cinematográfica ter sido baseada num par de obras antológicas que o consagraram nos quadradinhos.

Título original: The Punisher (subtitulado O Vingador, em Portugal)
Ano: 2004
País: EUA
Género: Ação/Aventura/Fantasia
Duração: 123 minutos (menos 17 do que na versão estendida lançada em formato DVD)
Produção: Marvel Enterprises, Valhalla Motion Pictures e Artisan Entertainment
Realização: Jonathan Hensleigh
Distribuição: Lions Gate Entertainment (EUA) e Columbia Pictures (resto do mundo)
Argumento: Jonathan Hensleigh e Michael France
Elenco: Thomas Jane (Frank Castle/Justiceiro); John Travolta (Howard Saint); Will Patton (Quentin Glass); Roy Scheider (Frank Castle, Sr.); Laura Harring (Livia Saint); Ben Foster (Spacker Dave), Rebecca Romijn (Joan) e Kevin Nash (O Russo)
Orçamento: 33 milhões de dólares
Receitas: 54,7 milhões de dólares

Crime e castigo: as duas faces da justiça.

Desenvolvimento: A ideia de levar novamente o Justiceiro ao grande ecrã começou a ganhar forma no princípio de 1997. Três anos depois, a Marvel celebrou um contrato de longa duração com a Artisan Entertainment (que já produzira em 1989 o primeiro The Punisher) com vista à adaptação de quinze das suas personagens ao cinema e à televisão. Lista que incluía aquele que era há muito um dos mais carismáticos anti-heróis dos quadradinhos. Estatuto que, à partida, fazia do Justiceiro um ativo em que valia a pena tornar a apostar.
Assim, em abril de 2002, foi oficializada a contratação de Jonathan Hensleigh para escrever e dirigir a nova aventura cinematográfica de Frank Castle. Argumentista traquejado, Hensleigh não possuía, contudo, qualquer experiência de realização. Mas nem por isso pensou duas vezes em aceitar o desafio.
Como principais referências para o seu enredo, Hensleigh selecionou duas histórias antológicas do Justiceiro: Welcome Back, Frank (ovacionada série mensal da autoria de Garth Ennis e Steve Dillon, originalmente publicada entre abril de 2000 e março de 2001) e The Punisher: Year One (minissérie composta por quatro volumes lançada nos EUA entre dezembro de 1994 e março de 1995).


Capas de Welcome Back, Frank nº1 (cima)
e de The Punisher: Year One nº1.
Hensleigh não se limitou, porém, a fazer uma colagem de elementos das sagas em questão. Empenhando-se, ao invés, na reinterpretação das motivações de Frank Castle. Sobre as quais teceu em tempos as seguinte considerações: "Tive de me questionar intensivamente sobre que tipo de crime hediondo cometido contra um indivíduo poderia levar mesmo quem repudia o vigilantismo a resolver fazer justiça pelas próprias mãos. Era essa a principal incógnita na minha equação. Foi por isso dei conta aos mandachuvas da Marvel que não era minha intenção filmar apenas uma história de vingança; queria apresentar a mãe de todas as histórias de vingança. Aprovada a minha ideia, tratei de reinventar vários dos aspetos da origem do Justiceiro, tornando-a ainda mais soturna e violenta. Exercício que muito me empolgou fazer."

Jonathan Hensleigh (esq.) e Thomas Jane.
A empolgação do cineasta esmoreceu consideravelmente quando, em vésperas do arranque das filmagens, lhe foi transmitido que o orçamento do projeto se quedaria pelos 33 milhões de dólares, dos quais somente 15,5 milhões se destinariam à produção propriamente dita. Ciente de que a maioria das fitas de ação dispunham de uma verba global a rondar os 64 milhões de dólares, Hensleigh não pôde deixar de sentir uma pontada de angústia. Pontada que se tornaria ainda mais aguda quando lhe foi apresentado o cronograma para as filmagens e pós-produção: 52 dias. Prazo que correspondia, sensivelmente, a metade do tempo alocado à maior parte das produções análogas.
Conforme é revelado nos comentários da edição em DVD de The Punisher, em consequência das restrições orçamentais e do apertado calendário, um significativo número de cenas inclusas na versão primitiva do enredo foram alteradas ou simplesmente eliminadas.
Por insistência do coargumentista Michael France, Tampa (cidade situada na costa oeste da Flórida) foi o local escolhido para acolher as filmagens. Para convencer os produtores das vantagens dessa localização, France fez-lhes notar que, além de sair mais barato filmar lá do que em Chicago ou Nova Iorque, Tampa providenciaria cenários ensolarados. Ora sucede que a cidade é extremamente propensa à ocorrência de repentinas e violentas intempéries. A despeito de as filmagens terem decorrido em meados de julho, desde 1890 que não havia registo de um verão tão chuvoso. Quadro meteorológico que, em larga medida, prejudicou a rodagem da película.
Além das já citadas sagas do Justiceiro, um sortido de filmes e de séries de ação dos anos 60 e 70 do último século serviram de inspiração a Jonathan Hensleigh: de Dirty Harry a The Godfather passando por Bonnie & Clyde, foram várias as influências que impregnaram o seu trabalho de realização. Numa entrevista concedida logo após a estreia de The Punisher, Hensleigh revelou ainda ter ido beber inspiração a Othello, tragédia literária que se conjetura ter sido escrita por William Shakespeare no ano de 1603. Surgindo no entanto as personagens em papéis revertidos, com Frank Castle a ser o catalisador do ciúme doentio que, no filme, leva Howard Saint a assassinar a sua esposa e o seu melhor amigo.
Com as filmagens em velocidade de cruzeiro, a Lions Gate interpôs um processo judicial à Artisan. Em consequência desse diferendo, não obstante a película ter sido distribuída sob a égide da Lions Gate, a verdade é que ela nada teve a ver com o projeto. Ao qual, aliás, nunca dera luz verde. Significando isto que, na prática, a "paternidade" deste The Punisher - tal como da película homónima de 1989 - pertence exclusivamente à Artisan.

Os criminosos podem rir da Lei,
mas não riem do Justiceiro.

Enredo: Quando Bobby Saint e Mickey Duka se encontram com o traficante de armas europeu Otto Krieg nas docas do porto de Tampa, o FBI intervém, daí resultando a morte do primeiro e a detenção do segundo. Também aparentemente morto no tiroteio, Krieg é na verdade um agente federal disfarçado chamado Frank Castle.
Pouco tempo depois desta operação, Castle demite-se do FBI e viaja com a sua esposa e filhos para a ilha de Porto Rico para participar numa reunião familiar em casa do seu pai, Frank Castle Sr.
A transbordar de ódio e rancor devido à perda do filho, o senhor do crime Howard Saint e o seu braço-direito Quentin Glass subornam agentes do FBI que lhes revelam a verdadeira identidade de Otto Krieg. De imediato Saint ordena o assassínio de Frank Castle, mas a sua esposa, Lívia, exige que toda a família Castle seja executada a sangue-frio, pois só assim as contas serão acertadas.
Em Porto Rico, a reunião do clã Castle é violentamente interrompida por um grupo de sicários a soldo de Howard Saint, no qual se inclui John Saint, o outro filho do mafioso, também ele ansioso por vingar a morte do seu irmão gémeo. Frank e o pai ainda conseguem abater alguns dos atiradores, antes de este último ser mortalmente atingido. 
Ao tentarem escapar do fogo cruzado, a mulher e os filhos de Frank são atropelados por um camião conduzido por John Saint. Alvejado no peito e atingido pelos estilhaços de uma explosão deflagrada por Glass, Frank é dado como morto após o seu corpo afundar nas águas da baía. 

O que move um homem a quem foi tirado aquilo que mais amava?
No entanto, Frank sobrevive milagrosamente, sendo resgatado por um pescador local que lhe providencia abrigo e faz o melhor que pode para lhe curar os ferimentos. Uma vez recuperado, o antigo agente federal e ex-operacional da Força Delta, regressa a Tampa, refugiando-se num edifício decrépito onde trava amizade com um trio de jovens inadaptados: Dave, Bumpo e Joan.
Naquele que será o primeiro capítulo da sua vingança, Castle rapta Mickey Duka, que de bom grado lhe fornece informações sobre a vida familiar e os obscuros negócios do clã liderado com mão de ferro por Howard Saint.
Entretanto, Frank caça, um por um, os agentes policiais e antigos colegas do FBI que, por fazerem parte da folha de pagamentos de Howard Saint, haviam dado por encerrada a investigação ao massacre da sua família. 
De seguida, é o próspero negócio de lavagem de dinheiro operado por Howard Saint a ficar na mira de Frank, que consegue mesmo sabotar a sua parceria com os irmãos Toro, dois mafiosos cubanos. Ao investigar Livia Saint e Quentin Glass, Frank descobre que este guarda segredo da sua homossexualidade.
À medida que os seus prejuízos se avolumam, Howard Saint deduz que Frank Castle permanece vivo e que é ele o responsável pela sabotagem dos seus negócios. Determinado em resolver o problema de uma vez por todas, Saint contrata dois assassinos profissionais para liquidar o seu obstinado inimigo.

O reinado criminoso de Howard Saint tem os dias contados.
Harry Heck, um falso guitarrista, é o primeiro a entrar em cena. Durante uma violenta refrega com Frank, acaba morto por ele com uma faca balística cravada no pescoço.
Segue-se o Russo, uma montanha de músculos com força e resistência descomunais, mas que acaba igualmente liquidado por Frank quando este lhe derrama óleo a ferver no rosto. Aproveitando a cegueira do seu adversário, Frank empurra-o por um lanço de escadas abaixo, partindo-lhe o pescoço.
Instantes depois, os homens de Saint acorrem ao local, liderados por Quentin Glass e John Saint. Dave, Joan e Bumpo escondem Frank, recusando-se a entregá-lo mesmo quando Glass tortura sadicamente o primeiro, arrancando-lhe vários dos seus piercings faciais com um alicate. 
Frustrados pela ausência de respostas, os malfeitores resolvem arrepiar caminho, deixando um dos seus companheiros para trás com ordens para matar Frank caso ele reapareça. Contudo, assim que Glass e os restantes abandonam o edifício, Frank mata o capanga e avança para a próxima fase do seu plano de retribuição.
Com a ajuda de Mickey Duka, Frank induz Howard Saint a acreditar que a sua mulher tem um caso com Quentin Glass. Ignorando a homossexualidade do seu lugar-tenente e descrente da fidelidade de Livia, Howard resolve matar ambos pessoalmente, sem que qualquer um deles compreenda o motivo.
Pouco tempo depois, Frank ataca o quartel-general de Howard Saint, um badalado clube noturno na baixa de Tampa. Do ataque resulta a morte de muitos dos asseclas de Howard, incluindo do seu filho John. 
Segue-se uma intensa troca de tiros no parque de estacionamento do clube, durante a qual Frank fere Howard Saint, amarrando-o de seguida pelos tornozelos ao para-choques de um automóvel. Antes de pôr o veículo em movimento, Frank conta-lhe que Livia e Glass nunca o haviam traído, e que tudo não passara de uma farsa por ele orquestrada. 
Enquanto o carro rodopia como um pião infernal pelo parque de estacionamento, arrastando consigo o corpo ensanguentado do vilão, Frank aciona vários engenhos explosivos que tinha plantado previamente. Processo que culmina com a morte de Saint e com o desenho flamejante da icónica caveira que serve de símbolo ao Justiceiro.

O Justiceiro é sinónimo de pena capital para os culpados.
Mais tarde naquela noite, Frank regressa ao seu modesto apartamento com a intenção de se suicidar. Mudando de ideias após ter uma fugaz visão da sua falecida esposa, que o encoraja a dar seguimento à sua campanha de punição a todos quantos se julgam acima da Lei. 
Antes de partir para a sua próxima missão, Frank deixa um saco de dinheiro que trouxera consigo do covil de Saint como um presente de agradecimento a Dave, Joan e Bumpo.
No cimo de uma ponte, banhado pela luz do crepúsculo, Frank faz o seu juramento solene: "Aqueles que fazem mal aos outros - assassinos, violadores, traficantes, psicopatas  - irão conhecer-me bem. Frank Castle está morto. Chamem-me Justiceiro!".

Trailer:




Prémios e nomeações: Nomeado em diversas categorias dos Taurus World Stunt Awards (galardão anual que, desde 2001, distingue as performances dos duplos de cinema), The Punisher saiu apenas vencedor na de Melhor Duplo de Fogo, prémio atribuído a Mark Chadwick.

Curiosidades:

* Apesar de ter sido a primeira escolha do realizador Jonathan Heinsleigh e do produtor Avi Arad para assumir o papel principal, Thomas Jane relutou em aceitá-lo. Após ter recusado um primeiro convite nesse sentido por não se considerar talhado para interpretar super-heróis, mudou de ideias graças à arte conceitual do Justiceiro desenvolvida por Timothy Bradstreet. Ilustrador cujo fabuloso trabalho em Blade II (2002) lhe valera reconhecimento internacional;
* Para corresponder aos exigentes requisitos físicos da personagem a quem, literalmente, aceitou dar corpo, durante sete meses Thomas Jane recebeu treino intensivo dos Navy Seals norte-americanos. Programa que, além da vertente atlética, incluiu também uma formação no manuseamento de vários tipos de armas. Em paralelo, o ator seguiu uma rigorosa dieta proteica que o ajudou a adquirir nove quilos de massa muscular em tempo recorde;
* Devido à deficiente divulgação feita pelas autoridades municipais de Tampa, as linhas de emergência foram entupidas com centenas de chamadas de moradores em pânico durante a rodagem de uma cena que incluía uma explosão junto à sucursal local do Bank of America;
* Ainda no campo dos incidentes, Thomas Jane esfaqueou acidentalmente Kevin Nash quando com ele contracenava - felizmente sem consequências graves. Tendo sido depois a vez de o próprio Thomas Jane sentir na pele o excesso de zelo de uma colega de representação. Numa cena em que deveria fingir suturar uma ferida a Frank Castle, Rebecca Romijn espetou-lhe, sem querer, a agulha no corpo;
* Foram propositadamente construídos para o filme cinco Pontiac GTO, dois dos quais acabariam totalmente destruídos. A opção por este modelo de automóvel foi justificada pela necessidade de marcar diferença em relação ao meio de transporte utilizado pelo Justiceiro na película de 1989. Recorde-se que Dolph Lundgren conduzia uma imponente Harley Davidson;
*No primeiro rascunho do enredo, o Justiceiro dispunha de um escudeiro na sua cruzada vindicativa. Ninguém menos do que David Lieberman, vulgo Microchip. Personagem que, na banda desenhada original, recolhe informações e presta assistência técnica e logística a Frank Castle (coadjuvando-o, esporadicamente, no teatro de operações). Microchip acabaria contudo riscado da história por ordem de Jonathan Heinsleigh, que com ele antipatizava particularmente;

Na BD, David Lieberman adjuva o Justiceiro
 sob o codinome Microchip.
* Estava igualmente previsto que a sequência de abertura do filme mostrasse uma encarniçada batalha ambientada no Koweit durante a primeira Guerra do Golfo. A ideia seria atualizar o cadastro militar de Frank Castle, um veterano do Vietname na história original. Essa seria, porém, uma das muitas cenas cortadas em consequência do austero orçamento da produção;
* A declaração que Frank Castle redige na ponta final da história, elencando os preceitos básicos da sua filosofia vigilantista, corresponde à primeira entrada do seu Diário de Guerra. É nele que, na BD, o Justiceiro regista o deve e o haver da sua campanha contra o crime organizado. E que serviu de base a The Punisher War Journal, outra das suas aclamadas séries mensais encerrada em janeiro de 2009;
* Na versão estendida da película, inclusa na edição em DVD, é apresentada uma trama secundária, na qual é revelado que Jimmy Weeks (antigo colega de Frank no FBI) fornecera, em troca do perdão de uma avultada dívida de jogo, informações sobre a família de Castle a Howard Saint. Após tomar conhecimento da traição de Weeks, Frank compele-o a cometer suicídio. Não foi, contudo, o registo macabro da cena a ditar a sua exclusão da versão cinemática, mas antes a necessidade de encurtar a duração do filme.

Outra das séries do Justiceiro
 que serviram de inspiração ao filme.
Legado: Antes de The Punisher ser trespassado pelo ricochete de críticas contundentes e deixado para morrer em lenta agonia, a Lions Entertainment planeara a produção de uma sequela. Avi Arad, presidente-executivo dos Estúdios Marvel, chegara mesmo a vangloriar-se de que essa seria a quinta franquia cinematográfica baseada na mitologia da Casa das Ideias. Também Jonathan Hensleigh sinalizou o seu interesse em dirigir o segundo capítulo da saga do Justiceiro. Personagem que Thomas Jane se mostrara entretanto disponível para voltar a encarnar. Numa entrevista concedida a uma publicação especializada, o ator chegou mesmo a confidenciar que The Punisher 2 teria o Retalho (Jigsaw) como mau da fita.
Devido à desapontante prestação do primeiro filme, o projeto para a realização de uma sequência direta seria, contudo, deixado em banho-maria nos três anos seguintes. Período durante o qual Jonathan Hensleigh escreveu um primeiro rascunho do guião, que deixou para trás quando resolveu bater com a porta, em meados de 2006.
Nesse mesmo ano, John Dahl foi sondado para ocupar a vaga deixada por Hensleigh, mas as negociações não chegaram a bom porto. Ao que consta, o realizador terá ficado desagradado com a fraca qualidade do enredo, e mais ainda com a recusa dos produtores em abrirem os cordões à bolsa.
Meses depois, em maio de 2007, Thomas Jane seguiria as pisadas de Dahl, invocando os mesmíssimos motivos. Com efeito, após ler o novo guião, da autoria de Kurt Sutter, o ator teve o seguinte desabafo no decorrer de uma entrevista radiofónica: "Aquilo que eu nunca farei é desperdiçar meses da minha vida a dar o litro por um filme em que não acredito. Adoro os tipos da Marvel e desejo-lhes as maiores felicidades. Entretanto, continuarei à procura de projetos que não me venham a causar embaraços no futuro." 
Sem demora, os Estúdios Marvel anunciaram, poucas semanas depois, os nomes do novo realizador e do novo ator principal: respetivamente, Lexi Alexander (um inexperiente cineasta germânico) e Ray Stevenson (ator nascido na Irlanda do Norte que, até aí, apenas numa ocasião fora cabeça de cartaz). De caminho foi ainda anunciado que o filme não seria afinal uma sequela, mas sim um relançamento da franquia do Justiceiro. Assim se explicando a escolha do título - Punisher: War Zone. Esta seria, de facto, a segunda tentativa nesse sentido, na medida em que The Punisher fora, também ele, um reboot da longa-metragem homónima de 1989, protagonizada por Dolph Lundgren.
Perante uma plateia extasiada, na edição de 2012 da San Diego Comic-Con International foi exibida uma curta-metragem do Justiceiro produzida por um fã e estrelada por ninguém menos do que Thomas Jane. Dirty Laundry contava ainda no seu elenco com outro astro de Hollywood habituado a dar vida a personagens saídas dos quadradinhos: Ron Perlman (Hellboy e Hellboy II - The Golden Army).Embora não-canónica, a película tornou-se objeto de culto, especialmente no ciberespaço.

Os três filmes do Justiceiro realizados até ao momento.

Veredito: 53%

Prometia muito esta segunda passagem do Justiceiro pelo grande ecrã. Talvez até demasiado à boleia de uma trama baseada em algumas das suas sagas mais emblemáticas, da presença de um astro de primeira grandeza (John Travolta) no elenco e, principalmente, pelo comprometimento da Marvel na sua produção. Dado que poderia ter feito toda a diferença, tendo em conta a relutância da Casa das Ideias em reconhecer oficialmente a película de 1989.
Ainda que, na minha modesta opinião, o primeiro The Punisher, apesar do seu caráter tosco - recebendo em Portugal um título a condizer (Fúria Silenciosa) - fique alguns furos acima desta nova aventura cinematográfica de Frank Castle. Que, por sua vez, também não é tão sofrível como a pintam. E que só não correspondeu às altas expectativas porque, a exemplo de tantos outros projetos artísticos, foi vítima da avareza de produtores de olhos postos apenas no lucro.
Claro que o filme tem as suas pechas. Apesar de o realizador ter ido beber diretamente à fonte e da sua vontade manifesta em inovar no que às motivações do protagonista dizia respeito, a verdade é que a história é basicamente a mesma. Salvo por algumas licenças poéticas tomadas por Jonathan Hensleigh, como o facto de este ser o primeiro filme em que o Justiceiro é colocado frente a frente com os carrascos da sua família.
No capítulo das representações, Travolta - que se imagina ter recebido um robusto cachê - parece ter ligado o piloto automático durante as gravações, servindo-nos um vilão com o carisma de um pepino. Contrastando, portanto, com um Thomas Jane que deu boa conta do recado no papel de Frank Castle. Cuja faceta mais violenta não foi, todavia, devidamente explorada neste filme.
Quem conhece minimamente as histórias do Justiceiro sabe que ele não hesita em aplicar métodos radicais capazes de deixarem qualquer defensor dos direitos humanos de cabelos em pé. Sendo essa, aliás,uma parte fundamental da sua estratégia para infundir terror nos malfeitores que ele jurou punir após a matança que vitimou a sua família.
Em The Punisher, a maior brutalidade fica, no entanto, por conta dos maus da fita. Facto a que não terá sido alheia a decisão de eliminar algumas cenas mais violentas em que o Justiceiro dava largas à sua veia sádica (ver Curiosidades).
Resumindo, não sendo uma pérola reluzente da 7ª Arte - tampouco uma referência dentro do género super-heroico - julgo que ninguém terá tido verdadeiramente motivos para exigir o reembolso no final da sessão. Ainda que talvez tivesse sido preferível guardar esses trocados para um filme que justificasse mais uma ida ao cinema. Se foi o vosso caso, que vos sirva de consolo que não falta por aí quem tenha pago para ver o mais recente reboot do Quarteto Fantástico. Essa, sim, uma razão mais do que suficiente para reclamar uma choruda indemnização. Que, no caso dos verdadeiros fãs grupo, reverteria em grande parte para sessões de psicoterapia, tal foi o trauma.







quarta-feira, 3 de agosto de 2016

HERÓIS EM AÇÃO: VISÃO




  Encarnação moderna de uma personagem homónima da Idade do Ouro, serviu inicialmente de instrumento de vingança de Ultron contra Hank Pym e os Vingadores. Equipa que depois o acolheria de braços abertos, ajudando-o a desvendar parte dos segredos do seu passado. Com a Feiticeira Escarlate formou um dos mais poderosos e inusitados casais dos quadradinhos, com muito melodrama à mistura.

Denominação original: Vision
Licenciadora: Marvel Comics
Criadores: Roy Thomas (história) e John Buscema (arte conceitual)
Primeira aparição: The Avengers nº57 (outubro de 1968)
Identidade civil: nenhuma
Local de nascimento: Brooklyn, Nova Iorque
Parentes conhecidos: Ultron ("pai"/criador), Jocasta ("irmã"/ "madrasta"), Simon Williams/Magnum ("irmão"), Wanda Maximoff/Feiticeira Escarlate (ex-mulher), Thomas e William Maximoff ("filhos" falecidos), Virginia ("esposa"), Viv ("filha") e Vin ("filho" falecido). Possui ainda numerosa prole com Eve, sua contraparte feminina criada pelo Alto Evolucionário.
Afiliação: Vingadores (além de já ter assumido a liderança da equipa, integrou várias das suas divisões especiais, como os Vingadores da Costa Oeste ou, mais recentemente, o Esquadrão Unidade dos Vingadores).
Base de operações: Atualmente a residir num pacato subúrbio de Arlington, ao longo dos anos foi inquilino dos vários quartéis-generais dos Heróis Mais Poderosos da Terra, o mais emblemático dos quais foi a Mansão dos Vingadores.
Armas, poderes e habilidades: Exceto pelo facto de que todos os seus órgãos, tecidos e fluidos são sintéticos, o corpo robótico do Visão é uma réplica exata do organismo humano. Num processo em tudo similar ao da fotossíntese levada a cabo pelas plantas, a Joia Solar incrustada na testa do androide absorve constantemente (até mesmo durante a noite, embora com menor eficácia), a energia ambiente do astro-rei que lhe serve de combustível. Permitindo-lhe igualmente converter esse acúmulo de energia em rajadas óticas de radiação infravermelha ou de micro-ondas. Processo que, em casos extremos, pode ser efetuado diretamente através da Joia Solar, amplificando desse modo a potência das descargas, ainda que comprometendo outras funções do sistema, inclusive as vitais.
Graças às suas células especiais ativadas ciberneticamente e que lhe permitem interagir com uma dimensão desconhecida, o Visão pode regular a seu bel-prazer a própria densidade corporal: da intangibilidade de um fantasma à  rigidez de um diamante num piscar de olhos. Quando opta pelo primeiro estado, consegue atravessar superfícies sólidas - como paredes, corpos ou objetos - e voar. Já o segundo dota-o de invulnerabilidade e de superforça proporcional ao aumento da sua massa. Quando esta atinge o seu pico máximo, a força do Visão ronda as 90 toneladas.
Equipado com uma mente computorizada, o Visão é um tecnopata por excelência. Por outras palavras, consegue conectar-se e interagir com sistemas informáticos, deles extraindo informação que processa velozmente antes de armazená-la na sua base de dados. Sendo uma inteligência artificial, possui um raciocínio analítico que faz dele um exímio estrategista dotado de uma apuradíssima cultura tática. Atributos que lhe valeram, em tempos, a liderança dos Vingadores.
Após a Era de Ultron, os protocolos latentes do Visão foram ativados, sendo o seu corpo agora formado por milhões de nanitas. Cada um deles carrega uma cópia da sua inteligência artificial, bastando portanto apenas uma dessas unidades microscópicas para recriar o corpo do androide caso este seja danificado ou mesmo destruído.
Treinado pelo Capitão América, o Visão é também proficiente no combate corpo a corpo, possuindo resistência, velocidade e reflexos sobre-humanos intrínsecos à sua natureza robótica.
Toda esta vasta gama de poderes e recursos fazem do Visão um dos mais formidáveis seres do Universo Marvel capaz de ombrear com outros titãs como Thor, Hulk ou o Príncipe Submarino. Facto que faz dele um aliado de peso ou um adversário de respeito.

Na sua forma espectral, o Visão consegue voar.


Fraquezas: No passado, a obsessão do Visão em tornar-se humano deixou-o profundamente transtornado ao ponto de lhe provocar uma crise existencial com funestas consequências tanto para ele como para aqueles que o rodeavam. Fase durante a qual usou a sua tecnopatia para assumir o controlo da rede mundial de computadores e dos sistemas de defesa com o objetivo de assegurar a paz na Terra.
Paradoxalmente, o androide tem na sua rigidez diamantina outra das suas fraquezas. A partir de determinado limiar, torna-se mais e mais difícil ao Fantasma de Pedra mover a sua densa massa corporal. Quando esta atinge o seu pico de densidade, ele torna-se literalmente inamovível como se de uma montanha se tratasse.

Quem disse que os androides não choram?

Histórico de publicação: Na senda das versões contemporâneas de outros ícones da 9ª Arte (casos do Lanterna Verde Hal Jordan ou do Tocha Humana Johnny Storm), o Visão que conhecemos é na verdade uma declinação de um conceito elaborado na chamada Idade do Ouro dos Quadradinhos (1938-1955). No entanto, além do nome, o primeiro Visão pouco mais tinha em comum com o atual (ver texto seguinte).
Em meados de 1968, Stan Lee (à data, editor-chefe da Marvel Comics) e o escritor Roy Thomas decidiram avançar com uma nova adição ao elenco dos Vingadores. Enquanto o segundo pretendia trazer de volta o Visão original, a preferência do primeiro recaía sobre um androide. A solução de compromisso encontrada consistiu na conceção de um novo Visão, personagem robótica apenas vagamente inspirada no seu antepassado da década de 1940.
O processo criativo não foi, todavia, isento de peripécias. De modo a realçar a natureza fantasmagórica da personagem, Thomas advogava que o Visão deveria ser totalmente branco. Pretensão que esbarrou nas limitações técnicas que, à época, caracterizavam a impressão gráfica, sobretudo no que às publicações coloridas dizia respeito. Se a ideia de Thomas tivesse sido implementada, a personagem surgiria com os contornos indefinidos nas páginas das revistas, assemelhando-se efetivamente a uma assombração ou a uma miragem. Opção estética que, conforme veremos mais adiante neste texto, seria duas décadas depois, recuperada por John Byrne.

Roy Thomas, um dos "pais" do Visão moderno.

Perante a impossibilidade de apresentar um Visão totalmente branco, Thomas optou pelo vermelho para dar cor à pele sintética do androide (embora, numa fase inicial, esta assumisse um tom alaranjado por conta dos citados problemas de impressão), já que não queria que ele fosse verde como o Hulk ou azul como os Atlantes.
Apesar de a sua criação ter sido muitas vezes comparada com o Mister Spock de Star Trek, Roy Thomas nega perentoriamente até hoje ter ido buscar inspiração a uma série televisiva com a qual estaria na altura pouco familiarizado. Admitiu, no entanto, ter sido influenciado pelas estórias de Adam Link. Personagem idealizada em 1939 por Otto Binder, foi um dos primeiros robôs benignos introduzidos na literatura baseada na ficção científica. Género onde, tradicionalmente, androides, robôs e outras inteligências artificiais surgiam retratados como escravos mecânicos ou como armas de destruição massiva. Outra comparação inevitável é com o Tornado Vermelho, androide da rival DC cuja estreia oficial precedeu num par de meses (em agosto de 1968) a do Visão. A despeito das evidentes parecenças entre ambos, continua por provar a existência de algum tipo de plágio.
Dados os retoques finais no visual e na personalidade, o novo Visão debutou em outubro de 1968 nas páginas de The Avengers nº57, sendo acolhido com grande entusiasmo pelos leitores. Mesmo tendo o androide sido apresentado nessa sua primeira aparição como um veículo para a vingança do terrorista cibernético chamado Ultron*.

A estreia do Visão  em The Avengers nº57 (1968).

Volvidos quase dois anos, em abril de 1970, o número 75 da série regular dos Vingadores assinalou o regresso da Feiticeira Escarlate** às fileiras da equipa. Num ápice, a filha de Magneto perdeu-se de amores pelo circunspeto Visão, assim nascendo um dos mais improváveis - e melodramáticos - romances da história dos quadradinhos, entrelaçando os destinos de um androide e de uma mutante.
Entrevistado em 2015 por Marcus Errico, autor do livro The Secret Origins of Vision and Ultron: An Oral History (As Origens Secretas do Visão e de Ultron: Uma História Oral), Roy Thomas explicava assim o que esteve na base dessa sua arrojada ideia: "Intuí que algum tipo de ligação sentimental ajudaria a desenvolver o potencial da Feiticeira Escarlate, aumentando dessa forma a sua preponderância no seio de uma equipa onde ela era muitas vezes incompreendida e até secretamente temida pelos seus companheiros. Em meu entender, o Visão seria o candidato ideal porque a sua racionalidade exacerbada serviria de contraponto à volatilidade emocional de Wanda. Um romance entre ambos teria igualmente o condão de colocar em evidência a faceta mais humana do Visão, que eu vinha já explorando com uma minúcia cada vez maior. Havia ainda a circunstância de ambos participarem apenas em The Avengers. Portanto, foi essencialmente por razões práticas que eu decidi juntá-los.".


Visão e Feiticeira Escarlate: o poder do amor.

Escassos meses antes de abandonar o título mensal dos Heróis Mais Poderosos da Terra, Roy Thomas deixou na ar a ideia de o Visão ter sido afinal construído a partir do corpo do Tocha Humana original (também ele um androide). Pista plantada em The Avengers nº93, mas que só seria seguida, vários anos depois, por Steve Englehart, nos números 134 e 135 da série. Com a bênção do antecessor, Englehart glosou com mestria o mote por ele lançado, vertendo desse modo alguma luz sobre o denso mistério que envolvia até então a origem do Fantasma de Pedra.
Atada esta ponta solta no passado de uma personagem que se tornara entretanto uma das arquitraves dos Vingadores, o casamento do Visão com a Feiticeira Escarlate ficou marcado para junho de 1975, com a cerimónia a ter lugar em Giant-Size Avengers nº4. Em consequência da sua crescente popularidade entre os leitores, entre 1982 e 1986, o casal teve direito a duas efémeras séries próprias. Na segunda das quais Wanda deu à luz dois gémeos - Thomas e William Maximoff - concebidos através de meios arcanos.
Agora ao serviço dos Vingadores da Costa Oeste (título escrito e ilustrado por John Byrne***), em 1989 o Visão sofreu uma profunda metamorfose cujas repercussões se fazem sentir até aos dias de hoje. Objetivando colocar em evidência a natureza robótica do herói, Byrne apagou-lhe a memória e eliminou-lhe os padrões cerebrais humanos, despojando-o assim de qualquer vestígio de emoção. Publicado em West Coast Avengers nº42 a 45, o arco de histórias Vision Quest mostrava como esta desumanização do androide prejudicava severamente o seu relacionamento com a Feiticeira Escarlate, revelando de uma penada que os filhos de ambos não passavam afinal de construtos imaginários gerados pelo poder mutante de Wanda.
O maior choque para o leitores ficaria no entanto reservado para uma sequência de duas páginas em que era mostrado o desmantelamento peça a peça do Visão. Imagens que alteraram radicalmente a perceção de uma personagem que, até aí, sempre fora mais perspetivada como um ser humano sintético do que como uma simples máquina.

Sem cor. Sem emoções.
Assim era o Visão de Byrne,

Desde o primeiro momento presença assídua nas histórias dos Vingadores e nas principais sagas da Casa das Ideias, em novembro do ano passado o Visão ganhou nova série a solo. Com histórias do estreante Tom King ilustradas pelo espanhol Gabriel Hernandez Walta, The Vision dá a conhecer a nova vida do herói, agora convertido num típico pai de família suburbano. Com a particularidade de a sua esposa e filhos serem na verdade androides por ele projetados.

Visão e a sua família imaginária.

*Prontuário de Ultron disponível em http://bdmarveldc.blogspot.de/2014/12/galeria-de-viloes-ultron.html;
**Prontuário da Feiticeira Escarlate disponível em http://bdmarveldc.blogspot.com/2014/05/heroinas-em-acao-feiticeira-escarlate.html
*** Perfil de John Byrne disponível em http://bdmarveldc.blogspot.com/2015/01/eternos-john-byrne-1950.html


Aarkus, o antepassado extradimensional




Criação de Joe Simon e Jack Kirby (a mesma dupla genial que, no ano seguinte, apresentaria ao mundo o Capitão América), o primeiro Visão estreou-se em novembro de 1940, numa história de apenas quatro páginas publicada em Marvel Mistery Comics nº13. Ao longos dos tês anos imediatos, ele seria, de resto, um habitué nesse título de charneira da Timely Comics. Tendo feito igualmente participações episódicas noutras séries regulares incorporadas no cardápio editorial daquela que foi a precursora da Marvel - especificamente, em Kid Comics.
Também conhecido como Aarkus, o Visão da Idade do Ouro era um agente policial oriundo de uma dimensão paralela chamada Mundo de Fumo (Smoke World, no original). Enquanto procurava um local apropriado para exilar um perigoso malfeitor sob sua custódia, Aarkus foi acidentalmente contactado por Markham Erickson, um cientista norte-americano obcecado em encontrar vida inteligente extraterrestre. A convite dele, Aarkus mudou-se de armas e bagagens para o nosso planeta, onde assumiu as funções de combatente do crime.

O Visão original teve as suas histórias
 publicadas pela Timely Comics.
O leque de poderes do Visão original era bastante distinto do da sua versão moderna: à capacidade de voar e de projetar ilusões de si mesmo, somava a habilidade de produzir gelo e de se teleportar para onde quer que houvesse fumaça.
Durante a II Guerra Mundial, Aarkus foi temporariamente induzido pelas Força do Eixo a afrontar os Aliados. Erro que no entanto remediaria com a ajuda dos Invasores. Após esses eventos, o bisonho alienígena pareceu ter-se esfumado da superfície da Terra. E, de facto, foi isso que aconteceu. Já este século, foi revelado que ele habitava os esgotos subterrâneos de Nova Iorque, servindo de guardião a um Cubo Cósmico extraviado.
Coadjuvante na saga X-Men: Legacy (2012), onde começou por opor-se ao mutante Legião antes de a ele se aliar, Aarkus acabou confinado no departamento médico da Escola Jean Grey para Estudos Superiores após ter mergulhado num desconcertante coma. Ao despertar dele, transcorridos largos meses, acedeu ao pedido do Soldado Invernal para que o ajudasse a transportar os restantes Invasores para o planeta Kree, onde se encontrava sequestrado o Príncipe Submarino.
Ficando então os leitores a saber que, durante a II Guerra Mundial  - e com o consentimento dos heróis -, Aarkus havia apagado as memórias que os Invasores dele conservavam, por forma a ocultar a localização de uma antiga e poderosíssima arma Kree.

Figurino do Visão nos anos 1990.

Origem:
Ultron, a monstruosidade cibernética projetada pelo Vingador fundador Henry Pym, rebelou-se contra o seu criador depois de, inadvertidamente, ter adquirido senciência. Em busca de um veículo para a sua vingança, o maléfico robô raptou o Professor Phineas T. Horton, inventor do androide que, nos anos 1940, ficara conhecido como Tocha Humana. O plano de Ultron consistia em usar o corpo do Tocha Humana como matriz para a construção de uma nova inteligência artificial.
Coagido pelo seu captor, o cientista reconfigurou as células Horton, responsáveis pelos poderes incandescentes da sua criação. Graças a essa modificação, o novo androide poderia regular a densidade da sua massa corporal.

Ultron rejubila com a sua criação.
Ao descobrir que Horton não eliminara por completo as memórias do Tocha Humana, Ultron puniu a traição do cientista com a morte. Encarregando-se ele próprio de reprogramar a mente computorizada do androide. No processo, as memórias originais da criatura foram substituídas pelos padrões cerebrais de Magnum (Wonder Man, no original), um recém-falecido supervilão que fizera parte dos Mestres do Terror.
Em seguida, Ultron ordenou ao seu novo servo que atraísse os Vingadores para uma armadilha mortal. A primeira a avistar a criatura, quando esta invadiu o seu apartamento, foi a Vespa. Que, horrorizada, a descreveu como uma "visão da própria morte" aos seus colegas de equipa. Foi pois desta forma que o androide obteve o nome com que se notabilizou na História da Nona Arte.
A Vespa foi a primeira a ser assombrada pelo Visão.
Tirando proveito do desnorte do Visão, os Vingadores conseguiram subjugá-lo, transportando-o de seguida para o laboratório científico de Hank Pym, para que este o examinasse. Desses exames resultou a descoberta de que estavam em presença de um construto de Ultron, investido da missão de destruí-los.
Persuadido pelos Vingadores a trair o seu amo, o Visão ajudou-os a derrotar Ultron. Altruísmo recompensado com sua admissão nas fileiras da equipa. Que, dessa forma, reforçou o seu contingente de vilões regenerados.
Algum tempo depois, o misterioso viajante temporal conhecido como Immortus revelaria aos Vingadores que usara o poder do seu Cristal da Eternidade para dividir o Tocha Humana original em duas entidades distintas. Significando isto que, contrariamente ao que se imaginava, Ultron não usara o verdadeiro corpo do Tocha Humana como matéria-prima para a construção do Visão. Fazendo tudo parte de um intrincado plano para induzir um relacionamento entre o androide e a Feiticeira Escarlate de molde a evitar que esta gerasse descendência biológica. Se tal se verificasse, o nível de poder dos filhos de Wanda faria perigar o próprio equilíbrio cósmico.
Anos mais tarde, o mesmo Immortus manipularia um punhado de agentes federais corruptos para que capturassem e desmantelassem o Visão. Depois de os Vingadores terem recuperado os destroços do seu companheiro, Hank Pym reconstruiu-o o melhor que pôde. Contudo, Magnum (agora um Vingador), não autorizou que os seus padrões cerebrais fossem novamente usados para dotar o androide de emoções. A par dos severos danos infligidos à sua pele sintética durante o processo de desmantelamento, deste facto sobreveio uma versão esbranquiçada e desumanizada do Visão. Personagem cujo passado continua a encerrar muitos enigmas por decifrar e que, a julgar pelo seu presente, reservará muitas surpresas no futuro.

Nos Vingadores, o Visão encontrou
 um lar, uma família e o amor da sua vida.
Apontamentos:

* Tratando-se de um androide, a nacionalidade do Visão permanece indeterminada. Isto apesar de poder ser considerado um nova-iorquino de gema, na medida em que foi construído num laboratório sediado no Brooklyn. Visando tornear complexas questões jurídicas e diplomáticas - e atendendo ao seu estatuto de Vingador - , o Governo dos EUA entendeu, no entanto, atribuir-lhe provisoriamente a cidadania americana;
* Em Avengers Forever (saga em 12 capítulos publicada originalmente entre dezembro de 1998 e novembro de 1999), os Vingadores reunidos por Immortus visitam um futuro possível onde os marcianos estão em guerra com o nosso mundo. Entre os poucos heróis remanescentes que formam a última linha defensiva da Terra, está a robô Jocasta (outra das criações de Ultron) cujo novo visual e poderes são muito semelhantes aos do Visão. Acrescendo o dado curioso de ela estar grávida do Homem-Máquina;
*The Vision é o título de um conto da autoria de Jonathan Lethem - parte integrante da sua coletânea Men and Cartoons -, no qual uma das personagens se veste e age como o Visão na infância, continuando a fazê-lo na idade adulta.

O Fantasma de Pedra.

Noutros mediaPouco conhecido ainda do grande público, por via da sua participação em duas das mais recentes megaproduções dos Estúdios Marvel (Avengers; Age of Ultron e Captain America: Civil War), o Visão começa a ganhar notoriedade fora dos quadradinhos. Interpretado em ambos os filmes pelo ator britânico Paul Bettany, a sua origem cinematográfica apresenta, contudo, algumas nuances.relativamente à história clássica.
Conforme é mostrado na sequela dos Vingadores, o androide foi criado para servir de recetáculo ao próprio Ultron. Outra diferença reside no facto de, em vez da Joia Solar, o Visão ser portador de uma das Joias do Infinito cobiçadas por Thanos. Facto que lhe deixa antever um papel importante em capítulos vindouros da saga.
Antes da sua estreia no grande ecrã, o Visão fizera apenas pequenas aparições em séries animadas da Marvel, quase todas tendo os Vingadores como cabeça de cartaz. E já lá vão três anos desde que isso aconteceu pela última vez, em Avengers: Ultron Revolution.
Não sendo, portanto, de admirar que o herói sintético continue a ser um ilustre desconhecido para quem não está suficientemente familiarizado com a mitologia da Casa das Ideias.Espero, por isso, que este artigo ajude à descoberta desta fascinante personagem.

Paul Bettany como Visão num cartaz promocional de
Avengers: Age of Ultron (2015).

sexta-feira, 22 de julho de 2016

ETERNOS: BOB LAYTON (1953 - ... )



  Teve um dos pontos mais altos da sua trepidante carreira na sua passagem pelas estórias do Homem de Ferro, a quem ajudou a restituir o fulgor de outrora. Visionário também no mundo dos negócios, fez prosperar uma pequena editora falida e revolucionou o circuito de distribuição de comics antes de rumar à Meca do cinema.

Biografia e carreira: Mesmo depois de ter trocado a Nona pela Sétima Arte, aos 63 anos Robert "Bob" Layton continua a ser um dos mais venerados autores de banda desenhada com super-heróis, tendo no Homem de Ferro a sua personagem-talismã. Conhecido pela sua astúcia e polivalência, erigiu uma sólida carreira ao serviço dos gigantes da indústria de quadradinhos norte-americana.Com cujas produções teve contacto ainda em tenra idade e cujas potencialidades de negócio começou a explorar numa fase igualmente precoce da sua vida.
Bob contava apenas quatro anos de idade quando foi alfabetizado pela sua irmã mais velha que, cansada de ler-lhe vezes sem conta a mesma edição de Showcase (almanaque de referência da DC Comics, muito popular nos anos 50 e 60 do último século), o ensinou pacientemente a juntar as primeiras letras.
Mal concluiu o liceu, Bob tornou-se uma espécie de traficante de revistas aos quadradinhos, vendendo-as a outros jovens nas imediações do edifício de apartamentos em Indianápolis onde residia com a família. Foi graças a esta pequena negociata que, em 1973, travou conhecimento com Roger Stern. À época, o futuro romancista e escritor de algumas das personagens de proa da Marvel e da DC trabalhava numa estação de rádio local. Deste encontro fortuito nasceu uma proveitosa sinergia que alçaria ambos a voos mais altos.
Com efeito, pouco tempo depois de os seus caminhos se terem cruzado, Bob Layton e Roger Stern lançaram um fanzine que logo os colocaria na berlinda. Sob o pomposo título Contemporary Pictorial Literature (Literatura Pictórica Contemporânea), mais não era, contudo, do que uma publicação amadorística dedicada à Nona Arte, material muito comum ao longo de toda a década de 1970. Sobressaindo, porém, o CPL pela sua elevada qualidade, tanto a nível gráfico como textual.
Vendido uma vez mais à porta da casa de Bob, foi muito por conta das apelativas capas por ele ilustradas que o CPL se tornou um fenómeno de popularidade, obrigando a sucessivos aumentos de tiragem. Sobremaneira apreciados pelos fãs - que, de quando em vez, eram convidados a participarem no projeto - eram também os artigos da lavra de Roger Stern.

cpl12_cover_afront
Capa de CPL nº17 (1975) com arte de Paul Gulacy,
outro dos virtuosos que  lá se deu a conhecer.

Tamanho furor não passou despercebido aos mandachuvas da Charlton Comics que, intuindo o virtuosismo dos jovens autores do CPL, os convidou a produzirem e publicarem o lendário Charlton Bullseye. Magazine a preto e branco que, entre 1975 e 1976, serviria essencialmente para divulgar material inédito da editora, indo dessa forma ao encontro de iniciativas análogas por parte da Marvel e da DC.
Entre os vários nomes que se tornariam sonantes nos meandros dos quadradinhos depois de terem engalanado as páginas do CPL com o seu talento, destaque para John Byrne, então um jovem desenhador freelancer a tentar afirmar-se na Charlton Comics.
Azougado como poucos, Bob Layton soube retirar grandes benefícios desta parceria com aquela que, à época, era uma das mais importantes editoras a operar no mercado dos comics. Desde logo porque foi graças a ela que foi apresentado a Wallace Wood, um dos mais prestigiados cartunistas estadunidenses do século transato, de quem se tornaria aprendiz. Esse aprendizado com tão insigne mestre abrir-lhe-ia as portas da Charlton, companhia da qual Bob assumiria vários dos seus títulos de charneira.

O primeiro número do Charlton Bullseye
foi lançado em janeiro de 1975.
Ainda que com alguma sorte e batota à mistura, também as portas da Casa das Ideias se entreabririam entretanto para Bob Layton. Entre as incumbências inerentes ao seu tirocínio com Wallace Wood, incluía-se a ocasional entrega de trabalhos do seu precetor nos estúdios nova-iorquinos da Marvel Comics. Tendo sido precisamente numa dessas visitas à sede da editora que era ainda capitaneada por Stan Lee que, com o arrojo que lhe é característico, Bob se atirou de cabeça para não deixar escapar a oportunidade em que lá inesperadamente tropeçou.
Recuperemos o relato na primeira pessoa de como tudo se passou: «Certo dia, estava eu na sede da Marvel para entregar alguns trabalhos do Woody (diminutivo pelo qual Wallace Wood é afetuosamente tratado no seu círculo de amizades) e resolvi aproveitar a oportunidade para mostrar parte do meu portfólio a quem se dispusesse a vê-lo. Ao passar pelo gabinete do diretor artístico, não pude deixar de ouvir John Romita a barafustar ao telefone. Percebi que ele tentava desesperadamente encontrar alguém que arte-finalizasse os esboços de George Tuska para a próxima edição de Iron Man. Como um perfeito idiota, enfiei a cabeça através da porta entreaberta do gabinete e, sem parar para pensar que isso seria humanamente impossível, dei comigo a dizer que conseguiria ter o trabalho pronto nos quatro ou cinco dias de que disporia para fazê-lo. Claro que era pura gabarolice minha, mas eu queria mesmo muito trabalhar para a Marvel. Para meu espanto, Romita estendeu-me as páginas inacabadas, dizendo-me: "Mostra-me do que és capaz, miúdo."»


Bob Layton teve no Homem de Ferro
 a sua personagem-talismã.
À alegria inicial por ter conseguido o seu primeiro trabalho para a Marvel seguiu-se o pânico de não conseguir tê-lo pronto a tempo. A procura frenética de Bob por ajuda levou-o a bater à porta do Continuity Associates, conceituado estúdio de ilustradores freelancers fundado em 1971 pela dupla Dick Giordano / Neal Adams e que, ao longo dos anos, se afirmou como um autêntico viveiro de talentos. Walt Simonson, Howard Chaykin e Jim Starlin foram apenas alguns dos que nele tiveram a rampa de lançamento para carreiras de estratosférico sucesso na indústria dos quadradinhos.
Apesar das adversidades iniciais, Bob Layton conseguiu, graças a essa providencial ajuda, entregar o trabalho dentro do prazo estabelecido. Proeza que lhe valeu o estatuto de arte-finalista residente de Champions, na altura uma das coqueluches editoriais da Casa das Ideias. Bob soube-o de uma forma invulgar: no mês seguinte, recebeu na sua morada um grosso envelope almofadado contendo os esboços de uma historieta completa dos Campeões, a primeira equipa de super-heróis Marvel a eleger Los Angeles como base de operações.
Seria, contudo, meteórica esta primeira passagem de Bob Layton pela Casa das Ideias. Ao cabo de apenas alguns meses, foi brindado com uma proposta irrecusável por parte da DC: um contrato de exclusividade com duração anual a troco de um salário chorudo. Período durante o qual Bob arte-finalizou títulos como All Star Comics e DC Special, além do número inaugural da série Star Hunters, escrita por David Michelinie. Pelo meio, participou na conceção da versão moderna da Caçadora (The Huntress, no original), heroína com raízes na Idade do Ouro dos Quadradinhos.
Bob Layton e David Michelinie voltariam a trabalhar juntos, aquando do regresso do primeiro à Casa das Ideias. Os dois firmariam, de resto, uma profícua parceria criativa, principiando a sua colaboração em Iron Man nº116 (novembro de 1978). Título que, antes da chegada dos novos autores, andava pelas ruas da amargura sempre assombrado pelo espectro negro do cancelamento iminente.
Sob a batuta de ambos (e, também, de John Romita, Jr, que a eles se juntou), a série regular do Homem de Ferro ganhou novo fôlego, tornando-se mesmo um best-seller. Circunstância para a qual contribuiu em grande medida o êxito retumbante da saga Demon in a Bottle (vide texto anterior). Para regozijo dos leitores, a arrojada abordagem de Layton e Michelinie  trouxe uma lufada de ar fresco às histórias bafientas de um herói que parecia condenado ao inexorável declínio.
Sempre em articulação com o seu parceiro criativo, Bob Layton ajudou a criar um naipe de influentes coadjuvantes para as histórias do Vingador Dourado, nele avultando James Rhodes, o braço-direito de Tony Stark que, anos mais tarde, passaria a atuar como Máquina de Guerra (War Machine). Este e outros conceitos da sua autoria têm vindo, aliás, a marcar presença nas produções dos Estúdios Marvel, com especial incidência, naturalmente, na franquia cinematográfica do Homem de Ferro.




Máquina de Guerra (cima) e Caçadora:
duas cocriações de Bob Layton .
Em setembro de 1982, após a sua saída de Iron Man seguida de fugazes passagens (sempre na qualidade de capista) por títulos como Captain America, The Incredible Hulk ou Micronauts, Bob Layton assumiu a sua primeira empreitada a solo. Nada menos do que a primeira minissérie da Marvel.
Apostado em não deixar os seus créditos por mãos alheias, Bob escreveu e ilustrou os quatro volumes de Hercules: Prince of Power, cujo sucesso, malgrado o seu improvável protagonista, excedeu mesmo as expectativas mais otimistas. Valendo-lhe assim novo e aliciante desafio: desenhar a linha de brinquedos da Mattel que estaria na origem de Secret Wars (saga emblemática da Marvel publicada nos idos de 1984).

Hercules: Prince of Power marcou a estreia a solo
 de Bob Layton na Marvel.
Cada vez mais requisitado, em fevereiro de 1986 Bob Layton foi o escolhido para reviver os X-Men originais em X-Factor, escrevendo os cinco primeiros números da série. Exatamente um ano depois, reuniu-se com David Michelinie em Iron Man. Dessa segunda incursão da parelha por um título que muito se ressentira da sua saída, resultou outra saga antológica do Homem de Ferro: Armor Wars (Guerra das Armaduras).

O regresso triunfal dos X-Men originais
 em X-Factor nº1 (1986).

Era ainda a década de 1990 uma nascitura quando Bob Layton trocou a segurança da Marvel pela incerteza da Valiant (Voyager Communications, Inc). Fundada em 1989, esta pequena editora independente encontrava-se em situação financeira aflitiva caminhando a passos largos para a insolvência. Nada que demovesse, ainda assim, Bob de acumular os cargos de editor-chefe, coproprietário e vice-presidente executivo.
Herdando da anterior administração um passivo que ascendia aos 4 milhões de dólares, Bob logrou a façanha de, em apenas um par de anos, tirar as contas da empresa do vermelho para passar a apresentar lucros na ordem dos 30 milhões de dólares. Num abir e fechar de olhos, a Valiant passou de uma pequena editora detentora de uma quota de mercado residual para uma pujante empresa capaz de fazer sombra à Marvel e à DC.
Na base deste fulgurante sucesso da rediviva Valiant, esteve, entre outros fatores, o lançamento de um jogo de vídeo desenvolvido a partir de conceitos idealizados por Bob Layton. Com 1,5 milhões de unidades vendidas, Turok, Dinosaur Hunter foi um maná muito cobiçado pela concorrência.

O fenómeno de vendas que salvou a Valiant da bancarrota.
Em 1994, já depois de, no ano anterior, Bob Layton ter sido votado pelos leitores da revista Wizard Editor do Ano, a Valiant foi adquirida pela Acclaim Entertainment por uns astronómicos 65 milhões de dólares. Bob conservou, apesar disso, o cargo de vice-presidente executivo por mais dois anos. Momento em que, por vontade própria, resolveu abandoná-lo para desfrutar de uma espécie de reforma antecipada na Flórida.
Incapaz de se manter afastado por muito tempo daquilo que mais gosta de fazer, entre 1997 e 1998, Bob Layton escreveu e arte-finalizou uma dúzia de edições de Doctor Tomorrow, a mais recente aposta da Acclaim Entertainment (nome pelo qual era agora conhecida a Valiant), cujos esboços estavam a cargo do veterano Dick Giordano. A residir também na Flórida, este tornar-se-ia uma espécie de mentor de Bob nos anos que antecederam a fundação da Future Comics. Projeto que, além deles, teve como impulsionadores David Michelinie e Allen Berrebi.
Do peculiar repertório da Future Comics faziam parte Deathmask, Metallix, Peacekeeper e Freemind. Sendo este último escrito, editado e arte-finalizado por Bob Layton. Que, provando uma vez mais ser um homem de visão, quis revolucionar o circuito de distribuição desse tipo de material, fazendo da sua companhia uma pioneira do comércio digital. Descartando intermediários, a Future Comics - fazendo jus ao nome - apostou forte na Internet para captar clientes, vendendo-lhes diretamente as sua publicações.
Os proventos do negócios ficaram no entanto aquém do esperado. Vergada pelas severas pressões de tesouraria, no verão de 2002 a Future Comics viu-se compelida a assinar contrato com a Diamond Comics Distribution, a maior distribuidora de quadradinhos a nível mundial. Mudança de paradigma que não obstou à falência da companhia pouco tempo depois. À semelhança de tantos outros visionários, Bob Layton testemunhou, impotente, o lento ocaso de um sonho à frente do seu tempo.

Freemind foi uma das apostas editoriais
 da Future Comics.
Deixando para trás um impressionante lastro na História da Nona Arte, num passado recente Bob Layton deu uma guinada na sua vida profissional ao trocar os quadradinhos pelo cinema. Atualmente a residir em Hollywood, tem firmado créditos como guionista, empenhado-se em desenvolver novas ideias e conceitos a serem transpostos tanto ao grande como ao pequeno ecrã.
Longe de se sentir deslocado na feérica Meca da Sétima Arte, Bob - que, ao longo da sua carreira ligada à banda desenhada, privara com argumentistas e cineastas de renome, como George Romero (Night of the Living Dead) - tem prestado igualmente serviços de consultoria de guiões.
No entanto, de momento, a sua grande aposta é o filme Shumbler, uma comédia de terror da Odyssey Pictures que o creditará como cocriador, coargumentista e produtor executivo. Demonstrando uma admirável capacidade de trabalho, Bob escreve em paralelo o enredo de Mettle, longa-metragem ainda em fase de pré-produção que terá Edward James Olmos - nomeado para o Óscar de Melhor Ator em 1988 - como realizador.
Mesmo por estes dias arredado dos quadradinhos, Bob Layton será sempre uma figura incontornável para inúmeros consumidores desse produto cultural que ele ajudou a prestigiar, deixando a sua marca indelével em todas as personagens que perfilhou ao longo dos anos. Nalguns casos dando-lhes a notoriedade merecida, noutros devolvendo-lhes o glamour perdido. Mas tratando-as sempre com o carinho e respeito que um pai extremoso dedica aos filhos. Os leitores agradecem e jamais o esquecerão.

Voltará algum dia Bob Layton  às histórias do Homem de Ferro?