clique aqui e encontre um template com a sua cara - template for blogger»

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

BD CINE APRESENTA: HOMEM DE FERRO





    Primeira megaprodução auto-financiada da Marvel, Homem de Ferro fez furor entre os fãs e a crítica, dando um importante contributo para a revitalização do género super-heroico no cinema. Foi ainda a rampa de lançamento para recente o filme dos Vingadores.
 
 
Título original: Iron Man
Ano: 2008
País: EUA
Duração: 126 minutos
Realização: Jon Favreau
Argumento: Mark Fergus, Hawk Ostby, Art Marcum e Matt Holloway
Elenco: Robert Downey, Jr. (Tony Stark/Homem de Ferro), Terrence Howard (James Rhodes/Máquina de Guerra), Jeff Bridges (Obadiah Stane) e Gwyneth Paltrow (Pepper Pots)
Orçamento: 140 milhões de dólares
Receita: 585 milhões de dólares
Sinopse: Em visita ao Afeganistão na companhia do coronel James Rodhes (responsável pela segurança das Indústrias Stark), para uma demonstração dos novos mísseis Jericó, o playboy bilionário Tony Stark é raptado e gravemente ferido por um grupo terrorista chamado Dez Anéis. Com um fragmento metálico alojado no peito, a escassos centímetros do seu coração, o magnata apenas sobrevive graças ao dispositivo eletromagnético que desenvolve com a preciosa ajuda do seu companheiro de cativeiro, o cientista Yinsen.
                Raza, o líder dos terroristas, oferece a liberdade a Stark em troca da construção de um míssil Jericó para a sua organização. Sabendo de antemão que Raza não cumpriria a sua parte no acordo, Stark e Yinsen constroem em segredo um traje blindado que lhes permita escapar.
               Envergando o protótipo, Stark consegue evadir-se. Yinsen, porém, não tem tanta sorte e acaba morto pelos seus captores. Furioso, Stark arrasa a base dos terroristas, servido-se do arsenal do traje. Depois voa para o deserto onde se despenha, destruindo a armadura antes de ser resgatado por Rhodes.
              De volta aos EUA, Stark anuncia a sua decisão de que a sua empresa não mais fabricará armamento. O que muito desagrada ao seu sócio, Obadiah Stane.
              Entretanto, na sua oficina caseira, Stark trabalha afincadamente numa nova versão da sua armadura e no aperfeiçoamento da sua respetiva fonte de energia. Para sua grande surpresa, é tornada pública a notícia de que material bélico fabricado pelas Indústrias Stark fora recentemente vendido à organização Dez Anéis. Desligado da realidade, Stark toma igualmente conhecimento do insidioso plano de Stane para o afastar da diretoria da empresa. Uma investigação levada a cabo pela sua fiel assistente Pepper Pots, traz também à luz do dia a venda secreta de armamento à Dez Anéis por parte de Obadiah Stane, assim como os seus planos para a eliminação física de Stark.

Stark realiza os primeiros ensaios da sua nova armadura.

               Terminando em tempo recorde o seu traje blindado, Stark voa até ao Afeganistão e lança um ataque devastador sobre a Dez Anéis. Alguns dos seus membros, entretanto, contactam Obadiah Stane depois de terem recuperado os destroços do protótipo usado por Stark para escapar do cativeiro, no sentido de que este recrie a tecnologia da armadura.
              Apoderando-se do protótipo, Stane recorre à engenharia reversa para construir o seu próprio traje blindado. Contudo, os seus cientistas não conseguem replicar o mini-reator que Stark desenvolveu para servir de fonte de energia à sua armadura. O que leva Stane a emboscar Stark na sua própria casa, deixando-o moribundo após lhe ter arrancado o reator do peito.
             Stark, no entanto, não só sobrevive ao ataque como, com a ajuda de Pepper Pots, arquiteta um plano para neutralizar o seu inimigo.
Tony Stark mantém uma relação que ultrapassa a esfera profissional com a sua bela assistente.

Obadiah Stane contempla a sua criação.

 
                Numa conferência de imprensa concedida no dia seguinte, Tony Stark revela ser ele o herói blindado que os media haviam batizado de Homem de Ferro.
               Após os créditos finais, Nick Fury (Samuel L. Jackson), o diretor da agência de contraterrorismo SHIELD, visita Stark em sua casa, informando-o de um projeto ultrassecreto denominado Iniciativa Vingadores, abrindo assim caminho não só para uma sequela mas também para um filme baseado nos heróis mais poderosos da Terra.
Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=jHVM7FpywIQ

Prémios e nomeações:
 
* Homem de Ferro foi eleito um dos dez melhores filmes de 2008 pelo American Film Institute;
* O filme do Vingador Dourado foi nomeado para dois Óscares nas categorias de Melhores Efeitos Especiais e Melhor Edição Sonora, tendo, no entanto, perdido para O Estranho Caso de Benjamin Button e Batman, O Cavaleiro das Trevas, respetivamente;
* Recebeu nomeações para nove categorias dos Saturn Awards, tendo arrecadado os prémios para Melhor Realizador (Jon Favreau), Melhor Ator (Robert Downey, Jr.) e Melhor Filme de Ficção Científica.

 
Curiosidades:
 
* Inicialmente, Jon Fraveau fora destacado para dirigir um novo filme do Capitão América, sob a forma de uma comédia de ação. No entanto, escolheu assumir a realização de Homem de Ferro, optando por imprimir-lhe um tom mais sério;
* Quando o filme começou a ser rodado, o guião não estava ainda completo, uma vez que os produtores estavam mais concentrados na história e nas cenas de ação, sendo os diálogos inclusos durante a filmagem;
* Nicholas Cage e Tom Cruise manifestaram interesse em assumir o papel principal, mas a escolha recaiu sobre Robert Downey, Jr.;
* O protótipo usado por Tony Stark para escapar do seu cativeiro no Afeganistão pesava 41 kg;
* Jarvis, o nome da Inteligência Artificial que assiste Tony Stark na construção da armadura do Homem de Ferro, é uma referência ao fiel mordomo dos Vingadores na banda desenhada;
* Para se preparar para o seu papel como Obadiah Stane, Jeff Bridges leu algumas das histórias do Homem de Ferro onde o vilão figurava e rapou a cabeça por ser algo que sempre desejara fazer;
* Numa primeira versão do argumento, o Mandarim (que será o antagonista do Vingador Dourado em Homem de Ferro 3), surgia como um terrorista indonésio ao invés de chinês;
* Vários escritores de banda desenhada, entre os quais Joe Quesada e Brian Bendis, foram contratados como consultores do argumento.

Uma pose em grande estilo do Vingador Dourado.

Minha avaliação: 73%
           Entre as várias virtualidades desta primeira adaptação cinematográfica do Vingador Dourado, destaco a abordagem madura feita à personagem (por contraponto à imaturidade quase pueril que caracteriza Tony Stark). Ao contrário de outras produções do género, Homem de Ferro fornece uma maior complexidade intelectual, emocional e moral de um herói terrivelmente humano, na linha do trabalho desenvolvido por Chris Nolan na recente trilogia do Cavaleiro das Trevas.
           Robert Downey, Jr. foi a escolha perfeita para o papel de um génio inventivo com um ego desmesurado, por trazer profundidade (e um toque de humor sarcástico) à personagem.
           Com um argumento fiel à banda desenhada original,  efeitos especiais convincentes e cenas de ação marcadas a espaços pela espetacularidade, Homem de Ferro, resulta, na pior da hipóteses, em duas horas de puro entretenimento  para espectadores pouco ou nada familiarizados com o universo Marvel.


terça-feira, 18 de dezembro de 2012

HERÓIS EM AÇÃO: HOMEM DE FERRO



 
 
     Sob uma reluzente armadura de alta tecnologia, esconde-se um ser humano com várias fraquezas. Membro fundador dos Vingadores. o Homem de Ferro é um dos mais poderosos e carismáticos heróis dentro e fora dos quadradinhos, à beira de completar meio século de existência. 
 
Nome original: Iron Man
Primeira aparição: Tales of Suspense nº39 (março de 1963)
Criadores: Stan Lee, Larry Lieber, Don Heck e Jack Kirby
Licenciadora: Marvel Comics
Identidade civil: Anthony Edward "Tony" Stark
Local de nascimento: Long Island, Nova York
Parentes conhecidos: Howard e Maria Stark (pais falecidos), Edward Stark (tio falecido) e Morgan Stark (primo)
Base de operações: Nova York
Filiação: Vingadores (membro fundador), Indústrias Stark, SHIELD, Thunderbolts.
Poderes e habilidades: Dotado de um Q.I. muito acima da média, Tony Stark é um génio inventivo, especializado na criação de armamento tecnologicamente vanguardista. Entre outros recursos ofensivos e defensivos, a armadura-padrão do Homem de Ferro inclui raios repulsores com elevado poder destrutivo, geradores sónicos, mini-mísseis, um gerador de campos eletromagnéticos e um maçarico laser embutido no dedo indicador de cada luva. A armadura pode ainda gerar automaticamente um campo elétrico para rechaçar ataques de natureza diversa. Graças aos seus poderosos servomotores, a armadura fornece força sobre-humana ao seu usuário, bem como a capacidade voar a velocidade Mach 8, propulsionada pelos jatos incorporados nas botas. Dispõe ainda de uma vasta gama de sensores internos e externos, radar, sonar, suprimento de oxigénio, rádio, magnetoscópio, etc. Na sua versão mais recente, o traje consegue levantar cem toneladas de peso (quando na máxima potência) e possui um campo defletor.

A primeira aparição do Homem de Ferro em Tales of Suspense nº39 (1963).

 
Em Tales of Suspense nº48 o Homem de Ferro surgiu pela primeira com as cores vermelha e dourada que ainda hoje usa.
 

Biografia: Filho de um magnata industrial fundador das Indústrias Stark, Tony herdou a genialidade inventiva do pai. Desde tenra idade que se sentia fascinado pela construção de máquinas e outros dispositivos. Aos 15 anos foi precocemente admitido no MIT, onde cursou Engenharia Eletrónica. Quatro anos e duas pós-graduações depois, Tony começou a trabalhar na empresa paterna, tendo, contudo, revelado uma maior apetência pela boémia do que pelos negócios.
                  Aos 21 anos, Tony herdou inesperadamente o império industrial construído pelo pai, na sequência de um acidente de viação que vitimou os seus progenitores. Foi com relutância que o jovem bilionário assumiu o legado paterno, que via como um fardo do qual tudo faria para se livrar.
                  Anos depois, Tony supervisionou pessoalmente no Vietname um teste de campo de um dos equipamentos militares por ele desenvolvido. Acabou, porém, raptado por guerrilheiros vietcongues que pretendiam obrigá-lo a construir-lhe armamento avançado. Durante a refrega, uma mina terrestre explodiu, cravando um fragmento metálico no peito de Tony, a escassos centímetros do seu coração.
                  Transportado para a base secreta dos guerrilheiros, Tony teve como companheiro de cela um renomado físico chinês, também ele mantido em cativeiro. Sabendo que não sobreviveria muito tempo com o fragmento metálico alojado no peito, Tony, auxiliado pelo outro cientista, construiu uma armadura que projetara antes da sua viagem ao Vietname.  Dotado de um gerador de campo magnético, o traje blindado impediria que o pedaço de metal atingisse o coração de Tony. Usando a sua nova invenção para se evadir, Tony não conseguiu, porém, evitar que o seu cúmplice fosse morto pelos guerrilheiros. Sedento de vingança,  Tony arrasou a base, antes de ser finalmente resgatado por militares norte-americanos. Entre estes estava James Rodhes, com quem Tony encetou uma amizade duradoura e a quem ofereceu emprego nas Indústrias Stark.
                   De volta a casa, Tony descobriu que o fragmento metálico alojado no seu peito não poderia ser removido sem o matar. Obrigado a usar permanentemente a placa peitoral da armadura - que necessitava de ser recarregada  regularmente - a vida do herdeiro das Indústrias Stark tornou-se um verdadeiro tormento. Contudo, Tony manteve a sua condição em segredo. Ao mesmo tempo que mergulhava numa espiral autodestrutiva, marcada pelo alcoolismo e por tendências suicidas.
                   Valeu-lhe o apoio e o afeto da sua noiva à época, Joanna Nivena. Depois de lhe ter revelado a sua condição e a vida dupla que levava, Tony foi encorajado por Joanna a usar a armadura no combate ao crime. Só então o Homem de Ferro saiu da obscuridade para se tornar num heroico cavaleiro dos tempos modernos.
                   Nem tudo foram rosas, porém: consciente de que Tony nunca seria o marido e homem de família que ela desejava, Joanna cancelou o casamento e desapareceu da sua vida para sempre.
                   Em resultado disso, Tony tornou-se ainda mais obstinado e empenhou-se em aperfeiçoar a sua armadura, concebendo sucessivas versões da mesma. Para manter secreta a sua identidade, apresentou publicamente o seu alter ego blindado como sendo o seu guarda-costas.
Dos primórdios à atualidade: as múltiplas versões da armadura do Vingador Dourado.
 
                   Entretanto, Tony Stark desempenhou um duplo papel na formação dos Vingadores: o de patrocinador e o de membro-fundador (como Homem de Ferro).
                   Posteriormente, Tony estaria também envolvido na fundação da SHIELD, uma super-agência secreta antiterrorista. O Homem de Ferro, no dealbar da sua carreira heroica, enfrentava, de acordo  com o espírito da época, vilões conotados com a ameaça soviética: Viúva Negra (a bela espia do KGB entretanto regenerada), Homem de Titânio e Dínamo Escarlate eram apenas alguns dos exemplos.
                  As suas primeiras histórias estavam, com efeito, fortemente marcadas por temáticas relacionadas com a Guerra Fria: espionagem industrial, corrida armamentista, paranoia anticomunista, etc. Por esse motivo, ao longo dos anos, a sua origem tem sido sucessivamente revista e atualizada. Assim, na década de 1990 a primeira  Guerra do Golfo substituiu o conflito no Vietname como cenário de fundo. Já neste século, a narrativa foi transferida para o Afeganistão. No entanto, a premissa original que  levou à construção da armadura, assim como a colaboração do cientista chinês que Tony conheceu no cativeiro, mantiveram-se inalterados.
                  A propósito da conceção do Vingador Dourado, Stan Lee disse certa vez que quis criar uma personagem que encarnasse a quintessência do capitalismo, tendo-se inspirado principalmente no magnata Howard Hughes. Surgiu assim a ideia de um playboy genial, egocênctrico e obscenamente rico, mas que carregava dentro de si um segredo que lhe dilacerava a alma. Os criadores do Homem de Ferro, quiseram, em suma, criar um herói blindado com pés de barro.
       
A mais recente versão da armadura do Homem de Ferro emprega nanotecnologia.
 
Noutros media: Foi na série animada de 1966 The Marvel Super Heroes que o Vingador Dourado fez a sua estreia fora dos quadradinhos. Ao longo dos quase cinquenta anos de existência, o herói tem marcado presença em várias outras produções do género, ora na qualidade de protagonista, ora como coadjuvante.
                           Nos últimos anos participou igualmente em diversos filmes de animação com a chancela da Marvel, quase sempre integrado nos Vingadores (Ultimate Avengers 1 e 2, por exemplo).
                           Num filme dirigido por Jon Favreau e com Robert Downey Jr. no papel principal, o Homem de Ferro teve direito à sua primeira adaptação ao cinema em 2008. Na esteira do sucesso obtido por Iron Man, seguiu-se uma sequela (Iron Man 2) em 2010. Já este ano, o herói enfrentou Loki e uma invasão extraterrestre ao lado dos restantes Vingadores numa megaprodução para o grande ecrã. Foi entretanto anunciada a data oficial da estreia do terceiro filme a solo do Vingador Dourado: Iron Man 3 chegará aos cinemas de todo o mundo a 3 de maio de 2013, já com Shane Black sentado na cadeira do realizador, mas ainda com Robert Downey Jr. a envergar a armadura.
 
O primeiro filme do Homem de Ferro estreou em 2008.
 
 

Iron Man 2 (2010) contou com participação especial da Viúva Negra, numa espécie de prólogo para o filme dos Vingadores.
 
 


segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

BD CINE APRESENTA: HOMEM-ARANHA 2



       Incapaz de conciliar a sua conturbada vida pessoal com a de combatente do crime, Peter Parker desiste de ser o Homem-Aranha, numa altura em que surge uma nova e poderosa ameaça. Poderá o herói escapar ao seu destino?
Título original: Spider-Man 2
Ano: 2004
País: EUA
Duração: 128 minutos
Realização: Sam Raimi
Argumento: Miles Millar e Michael Chabon
Elenco: Tobey Maguire (Peter Parker/Homem-Aranha), Kirsten Dunst (Mary Jane Watson), James Franco (Harry Osborn) e Alfred Molina (Otto Octavius/Doutor Octopus).
Orçamento: 200 milhões de dólares
Receita: 784 milhões de dólares
Sinopse:  Num quotidiano repleto de peripécias, Peter Parker esforça-se por equilibrar os seus deveres de combatente do crime com as exigências da sua vida pessoal. O anúncio do noivado de Mary Jane Watson com o filho de J.J. Jameson, diretor do jornal Daily Bugle e inimigo jurado do Homem-Aranha, deixa-o devastado. Como se isso não bastasse, o seu melhor amigo, Harry Osborn, continua obcecado em vingar-se do Homem-Aranha pelo seu suposto envolvimento na morte do pai. Agora à frente da Oscorp, o filho de Norman Osborn financia a pesquisa de um brilhante cientista nuclear, de seu nome Otto Octavius. Este desenvolve um aparato com tentáculos mecânicos dotados de inteligência artificial para uma complexa experiência científica. A qual corre terrivelmente mal, resultando na morte acidental da esposa de Octavius e na fusão do aparato com a sua espinal medula.
                 Ensandecido, Octavius (entretanto batizado de Doutor Octopus pelo Daily Bugle), inicia uma série de assaltos com o propósito de assim financiar o seu novo e infame projeto científico.
                Enquanto isso, devido ao elevado stress emocional a que Peter tem estado sujeito, os seus poderes tornam-se perigosamente instáveis, levando-o a desistir do seu alter ego mascarado para poder levar uma vida normal.
Peter desiste de ser o Homem-Aranha para poder levar uma vida normal.
               Em resultado do súbito desaparecimento do herói aracnídeo, a taxa de criminalidade dispara em Nova York, ao mesmo tempo que o Dr. Octopus sela um acordo secreto com Harry Osborn: em troca do material necessário para o funcionamento do reator nuclear construído pelo vilão, este entregará a Harry o Homem-Aranha. Para atraí-lo, Octopus rapta Mary Jane, obrigando Peter - cujos poderes haviam sido entretanto restaurados -  a vestir de novo o seu uniforme.
               Durante o confronto que se segue, o Homem-Aranha, num esforço sobre-humano, salva vários passageiros de um comboio descarrilado por Octopus. Exausto, é então facilmente derrotado pelo vilão que o leva à presença de Harry. Ao desmascarar o herói, Harry fica mortificado ao descobrir que este é, na verdade, o seu melhor amigo. A muito custo, Peter consegue convencer Harry a poupar-lhe a vida e a revelar-lhe os planos de Octopus, que mantém ainda sequestrada a jovem Mary Jane.
Depois do Duende Verde, o Dr. Octopus é o vilão que se segue.
               Depois de derrotar o Dr. Octopus, o Homem-Aranha revela-lhe a sua verdadeira identidade, com o propósito de convencê-lo a desmantelar o reator que ameaça destruir Nova Iorque, assim como a usar a sua mente genial para um bem maior. No entanto, o vilão acaba por perecer no processo. Tudo isto é testemunhado por uma atónita Mary Jane.
               Percebendo que enquanto Peter for o Homem-Aranha, os dois nunca poderão ficar juntos, Mary Jane regressa para os braços do noivo. Harry, por sua vez, é assombrado pelo fantasma do seu pai e descobre acidentalmente uma câmara secreta  onde repousa o equipamento do Duende Verde.
              No dia do seu casamento, Mary Jane muda de ideias e corre para o apartamento de Peter. Ambos assumem os fortes sentimentos que nutrem um pelo outro e comprometem-se a tudo fazer para que a relação entre eles dê certo, apesar da existência do Homem-Aranha.
Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=bpgrOgypc9g
Prémios e nomeações: Homem-Aranha 2 ganhou o Óscar na categoria Melhores Efeitos Especiais, tendo igualmente arrebatado os Saturn Awards para Melhor Ator, Melhor Realizador, Melhor Argumentista, Melhores Efeitos Especiais e Melhor Filme de Fantasia. Foi ainda nomeado para vários outros prémios, entre os quais os prestigiados BAFTA. O American Film Institute incluiu Homem-Aranha 2 na lista dos dez melhores filmes de 2004.


Curiosidades:
* As filmagens do segundo filme do Escalador de Paredes arrancaram antes de o guião estar concluído;
* Robert De Niro, Sam Neill, Ed Harris e Chris Cooper foram cogitados para o papel de Otto Octavius;
* A participação de Tobey Maguire na sequela esteve em dúvida, devido às fortes dores nas costas que afligiam o ator. Jake Gyllenhaal foi considerado como alternativa;
* O aparato mecânico usado por Alfred Molina pesava 34 kg;
* A luta entre o Homem-Aranha e o Dr. Octopus a bordo de um comboio em movimento foi uma ideia de Sam Raimi e foi a primeira sequência a ser gravada;
* Alfred Molina é um grande fã do universo Marvel e ficou entusiasmado com o seu papel;

Numa das mais eletrizantes sequências do filme, o Homem-Aranha enfrenta o Dr. Octopus num comboio em movimento.

Minha avaliação: 78%
             Mesmo após a estreia, já este ano, do reboot The Amazing Spider-Man, Homem-Aranha 2 continua a ser, na minha opinião, o melhor filme do Escalador de Paredes produzido até à data.
             Mais dinâmico, divertido e consistente do que o primeiro filme da trilogia dirigida por Sam Raimi, conta ainda com uns soberbos efeitos especiais que imprimem um maior realismo e espetacularidade, não só às acrobacias do herói, mas também aos tentáculos do Dr. Octopus.
             Com várias cenas de ação de tirar o fôlego, Homem-Aranha 2 merece figurar nos anais da história do cinema fantástico, designadamente pela eletrizante sequência de luta num comboio em movimento.
             A excelente prestação de Alfred Molina teve o mérito de transformar Otto Octavius numa personagem simultaneamente ameaçadora e trágica, um adversário à altura do atormentado herói aracnídeo.
            Estamos, em suma, perante um filme que não descura a vertente humana do protagonista que, a despeito de possuir superpoderes, no fundo não passa de um homem comum, a braços com toda a sorte de problemas.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

NÉMESIS: DOUTOR OCTOPUS





      Outrora um cientista reputado, devido a um terrível acidente o Doutor Octopus passou a agir à margem da lei. De caminho tornou-se um dos mais temíveis arqui-inimigos do Homem-Aranha.
Nome original: Doctor Octopus
Primeira aparição: Amazing Spider-Man nº3 (julho de 1963)
Criadores: Stan Lee (texto) e Steve Ditko (arte)
Licenciadora: Marvel Comics
Identidade civil: Otto Gunther Octavius
Local de nascimento: Nova York
Parentes conhecidos: Torbert e Mary Lavinia Octavius (pais falecidos), Thomas Hargrove (primo) e Karl Octavius (tio).
Base de operações: Nova York
Filiação: Sexteto Sinistro (membro fundador e ex-líder) e Mestres do Terror.
Poderes e habilidades: Em resultado da sua exposição a radiação atómica, o Dr. Octopus adquiriu a capacidade de controlar mentalmente os seus tentáculos feitos de uma liga de titânio e aço. Os quatro apêndices mecânicos encontram-se acoplados ao dorso do vilão por um arnês metálico e conseguem levantar várias toneladas de peso, sendo telescópicos e preênseis. Os tentáculos permitem igualmente que Octopus se mova rapidamente em qualquer terreno ou escale superfícies verticais com tremenda facilidade. Graças às suas habilidades psicocinéticas latentes, Octopus consegue manipular os seus tentáculos à distância, focando a sua ação em múltiplos oponentes em simultâneo ou em apenas um.
      O formidável intelecto de Otto Octavius é, no entanto, a sua maior arma. Autoridade mundial em radiação atómica e nos seus efeitos na fisiologia humana, o Dr. Octopus é ainda um brilhante inventor e um exímio estratega.
      Não raras vezes, a sua idade e o porte pouco atlético levaram os seus adversários a subestimá-lo em combate. O que se revelou um erro potencialmente fatal.        
O Dr. Octopus debutou no terceiro número de The Amazing Spider-Man (1963).
                          
Biografia: Filho de uma mãe prepotente e de um pai violento, Otto Octavius teve uma infância difícil. Em casa era frequentemente espancado pelo pai, um rude operário fabril. Na escola, sua timidez e brilhantismo, valeram-lhe o epíteto de "mascote dos professores", tornando-o assim num alvo da chacota e das agressões dos colegas. Irritado com essa situação,Torbert Octavius incentivou o filho a revidar na mesma moeda. Já a mãe acreditava que o pequeno Otto fora agraciado com uma mente superior que lhe permitiria resolver os seus problemas sem ter de recorrer à violência física.
                  Seguindo os conselhos maternos, Otto devotou a sua adolescência aos estudos, distinguindo-se pelas notas excelentes. Facto que lhe valeu uma bolsa universitária. Depois de se diplomar, Otto conseguiu emprego num empresa de engenharia.
                  Com o passar dos anos, Otto especializou-se em física nuclear, granjeando prestígio entre o seus pares. Para manipular substâncias radioativas a uma distância segura, construiu quatro tentáculos mecânicos, controlados através de uma interface computorizada e acoplados ao seu dorso por um arnês metálico. Invenção que lhe valeu a alcunha de Doutor Octopus ("polvo" em Inglês) por parte dos seus colegas de trabalho, com quem mantinha uma relação hostil. A única exceção era uma jovem cientista chamada Mary Alice, a quem Otto muito impressionou com sua a genialidade.
                  Quando anunciou a sua intenção de desposar Mary Alice, a mãe de Otto não aprovou a relação por considerar que mulher alguma estaria à altura do intelecto do filho. Para lhe agradar, Otto terminou o noivado com Mary Alice. Apenas para descobrir, pouco tempo depois, o namoro clandestino da sua mãe com um bibliotecário. Durante a acesa discussão que se seguiu, Mary Lavinia acabou por sucumbir a um fulminante enfarte.
                  Com o falecimento da mãe e com Mary Alice fora da sua vida, Otto tornou-se ainda mais amargo e passou a negligenciar as precauções de segurança no seu trabalho. Daí resultando uma fuga acidental de radiação que fundiu o aparato inventado por Otto ao corpo deste. Aparentemente, o acidente também parece ter danificado a sua mente, levando-o a enveredar por uma vida criminosa. Míope desde criança, a sensibilidade dos olhos de Otto à luz aumentou consideravelmente, obrigando-o doravante a usar óculos com lentes polarizadas.
O visual clássico do Dr. Octopus pelo traço de Jonh Romita.

                   No seu primeiro encontro com o Homem-Aranha, o neófito Doutor Octopus sobrepujou facilmente o herói aracnídeo. Depois disso, tomou de assalto um laboratório de pesquisa nuclear, seguindo-se nova peleja com o Escalador de Paredes. Desta feita, porém, o vilão saiu derrotado.
                   Ao longo dos anos, o Dr. Octopus tornou-se um dos nomes mais famosos da vasta galeria de vilões que atormentam o Homem-Aranha. Fundou também o Sexteto Sinistro, uma agremiação de inimigos do Escalador de Paredes e assumiu a identidade de Mestre Planificador para organizar um esquema de roubo de equipamento nuclear.
                  Num estranho capricho do destino, Otto Octavius viria a ser inquilino de May Parker, a bondosa tia de Peter Parker (o Homem-Aranha). Os dois chegaram a ficar noivos, para desespero do jovem. Ainda que indiretamente, o Dr. Octopus esteve envolvido na morte do capitão George Stacy, pai de Gwen Stacy, o primeiro grande amor de Peter.
                 Anos atrás, Octopus foi assassinado por Kaine, o clone insano do Escalador de Paredes. Carolyn Trainer, sua ex-aluna, tornou-se a nova dona dos tentáculos até à ressurreição de Otto, operada por um culto místico.
                Mais recentemente, o Dr. Octopus empenhou-se na criação de uma assassina perfeita, sob a forma da entidade mutante por ele batizada de Mulher-Aranha (sem qualquer relação com a heroína homónima).  Também tentou, sem sucesso, reativar o Sexteto Sinistro durante os eventos da saga Guerra Civil, tendo, todavia, o grupo sido sumariamente derrotado pelos Vingadores Secretos.
      
Um dos muitos duelos entre Octupus e o Homem-Aranha.
         
Noutros media: Foi na série animada Spider-Man (1967-1970) que o Dr. Octopus se estreou no pequeno ecrã. Seguir-se-iam ao longo dos anos várias participações noutras séries do género protagonizadas pelo seu eterno némesis. Pelo meio, marcou presença num episódio de The Incredible Hulk (1982), na qualidade de vilão convidado.
                         No universo dos videojogos, Octopus tem sido também presença assídua, muitas vezes como antagonista principal do herói aracnídeo. A sua influência fora dos quadradinhos estende-se também a várias linhas de brinquedos e colecionáveis lançados por marcas como a Hasbro e a Mattel, entre outras.
                        Foi, porém, no cinema que o vilão alcançou maior notoriedade junto do grande público. Em 2004, o ator britânico Alfred Molina foi o escolhido para dar vida ao Dr. Octopus em Spider-Man 2. A sua inclusão no primeiro filme do Escalador de Paredes fora, de resto, equacionada, tendo o realizador Sam Raimi descartado a ideia por considerar não haver lugar no enredo para a apresentação de uma terceira origem.

Alfred Molina como Dr. Octopus em Homem-Aranha 2.


quinta-feira, 22 de novembro de 2012

BD CINE APRESENTA: BATMAN REGRESSA






 
      Três anos após o estrondoso sucesso do primeiro filme do Cavaleiro das Trevas, Batman Regressa chegava às salas de cinema de todo o mundo. Novamente dirigido por Tim Burton e ainda com Michael Keaton a envergar o manto do morcego, a sequela não desiludiu.
 
Título original: Batman Returns
Ano: 1992
País: Estados Unidos da América
Duração: 126 minutos
Realização: Tim Burton
Argumento: Daniel Waters e Sam Hamm
Elenco: Michael Keaton (Bruce Wayne/Batman), Danny DeVito (Pinguim), Michelle Pfeiffer (Selina Kyle/Catwoman) e Christopher Walken (Max Shreck)
Orçamento: 80 milhões de dólares
Receita: 267 milhões de dólares
Sinopse: Um bebé deformado é lançado no rio de Gotham City pelos seus pais horrorizados. Trinta e três anos mais tarde, a criança, Oswald Cobblepot, ressurge como o horrível Pinguim. Este chantageia o milionário Max Shreck, com provas dos seus crimes corporativos, para ajudá-lo a descobrir a identidade dos seus progenitores. O Pinguim 'resgata' o filho do mayor da cidade, quando ele é sequestrado a mando do vilão. O que faz dele uma figura heroica aos olhos da opinião pública. Quando a dramática história pessoal do Pinguim é difundida pelos media,  granjeado-lhe enorme simpatia e popularidade, Shreck giza um plano para derrubar o mayor em funções e eleger Cobblepot em seu lugar, a fim de consolidar o seu controlo sobre a cidade e completar o projeto de usina nuclear, em que vem trabalhando. Batman, no entanto, suspeita que o Pinguim e a sua quadrilha, são responsáveis ​​por vários raptos e assassinatos de crianças. Enquanto isso, Shreck atira a sua secretária, Selina Kyle, do alto do prédio da sua empresa, quando ela descobre a verdadeira natureza dos seus planos: construir uma usina nuclear para sugar a energia de Gotham.
              Selina sobrevive à queda, mas sofre um surto psicótico que muda a sua personalidade. Agora influenciada pela sua obsessão por gatos e livre de quaisquer restrições sociais ou morais, Selina  projeta uma nova identidade, tornando-se a Catwoman, com o fito de se vingar do seu ex-patrão. Selina, entretanto, apaixona-se  pelo alter-ego de Batman, Bruce Wayne, dando origem a um romance com tanto de intenso como de arriscado.
Ignorando as respetivas identidades secretas, Bruce Wayne e Selina Kyle envolvem-se sentimentalmente.
 
Catwoman e Pinguim forjam uma aliança contra o seu inimigo comum: Batman.
 
              Num esforço conjunto para livrarem Gotham City do Batman, o Pinguim e a Catwoman unem forças. Com esse propósito, o Cavaleiro das Trevas é incriminado pela morte de uma modelo, o que vira opinião pública contra o herói.
              Quando Batman expõe publicamente a verdadeira índole do candidato a mayor, arruinando os seus desígnios políticos, o Pinguim retalia, ordenando o rapto de todos os primogénitos da alta sociedade gothamita. Entre eles, o filho de Max Shreck, que pede para ser levado em seu lugar.
              Batman frustra os planos do Pinguim, que, em desespero, ordena o lançamento de mísseis acoplados a um exército de pinguins telecomandados. Batman consegue interferir na frequência de rádio que controlava as aves e redireciona o ataque para a base subterrânea do vilão. Segue-se um breve confronto entre ambos, o qual culmina com a queda do Pinguim num lago de águas tóxicas.
              Batman tenta persuadir Catwoman a poupar a vida de Max Shreck e a entregá-lo às autoridades. Chegando mesmo a revelar a sua identidade secreta. Shreck, contudo, dispara sobre ambos, atingindo Catwoman. Usando um taser, a bela vilã beija Shreck, eletrocutando ambos.
              Mais tarde, quando regressa a casa na sua limusina, o milionário Bruce Wayne acredita ter visto a silhueta da Catwoman, o que o leva a crer que talvez ela não tenha gasto todas as suas nove vidas...
 
O Cavaleiro das Trevas regressa para livrar Gotham City de uma dupla ameaça.
 
Curiosidades:
* A caracterização de Denny DeVito durava duas horas, estando o ator expressamente proibido de a descrever a quem quer que fosse (família incluída);
* Annette Benning fora a eleita para vestir o sensual traje de couro da Catwoman, mas acabou substituída por Michelle Pfeiffer, depois de ter engravidado;
* A nova armadura de Batman pesava 25 kg;
* Nem Burton nem Keaton haviam assinado qualquer contrato para uma futura sequela;
* Ao longo dos seis meses de filmagens, Pfeiffer usou 60 fatos de Catwoman, cujo preço unitário era de mil dólares;
* No guião original, estava prevista a inclusão de Robin no filme, mas o parceiro de Batman acabaria por ser descartado;
* De acordo com o relato do responsável pelo casting, Tim Burton sentia-se desconfortável ao dirigir Christopher Walken como Max Shreck, alegadamente porque este o assustava;
* Por exigência de Michael Keaton, a nova armadura do Batman incluía um fecho nas calças.
 
Tim Burton dando indicações a Keaton e Pfeiffer numa cena do filme.
 
 
Minha avaliação: 80%
        Mais negro e perverso do que o filme original, Batman Regressa foi uma digna sequela. E à semelhança do primeiro filme, este deixa-me um sentimento igual: a cada vez que o revejo, mais gosto e mais qualidades lhe encontro. Temos um Danny DeVito com um papel feito à sua medida (não resisti ao trocadilho) e uma Michelle Pfeiffer como a melhor Catwoman de sempre. A introdução de três vilões carismáticos (Catwoman, Pinguim e Max Shreck), é, de resto, uma das pechas do argumento, uma vez que, a espaços, Batman é ofuscado por esse triunvirato criminoso, interpretado por atores de elevada craveira. Ainda assim, Michael Keaton (na minha opinião, o melhor Batman cinematográfico), capta como ninguém a essência obsessiva e taciturna do Homem-Morcego.
       Uma obra inesquecível que não deixava adivinhar o que viria a seguir, quando Joel Schumacher ocupou a cadeira deixada vaga por Burton.

terça-feira, 13 de novembro de 2012

HERÓS EM AÇÃO: BATMAN




      Cavaleiro das Trevas. Cruzado da Capa. O Maior Detetive Do Mundo. Protetor de Gotham City. Na sua interminável demanda por justiça, Batman é tudo isso e muito mais. É também um ícone de esperança para uma cidade enredada nas sombras da corrupção e do desespero.
Nome original: Batman
Primeira aparição: Detective Comics nº27 (maio de 1939)
Criadores: Bob Kane (desenhos) e Bill Finger (texto)
Licenciadora: Detective Comics (DC)
Identidade civil: Bruce Wayne
Local de nascimento: Crest Hill, Gotham City
Parentes conhecidos: Thomas e Martha Wayne (pais falecidos), Damian Wayne (filho), Richard "Dick" Grayson, Jason Todd e Tim Drake (filhos adotivos e ex-Robins), Thomas Wayne Jr. (irmão) e Cassandra Cain (filha adotiva).
Base de operações: Batcaverna, Gotham City, Hall da Justiça.
Filiação: Corporação Batman, Liga da Justiça e Renegados.
Armas e habilidades: Batman compensa a ausência de habilidades meta-humanas com uma extraordinária combinação de intelecto, tecnologia, dinheiro, competências investigatórias e atributos físicos aprimorados. Exímio numa miríade de artes marciais e técnicas de combate corpo a corpo, o Cavaleiro das Trevas é igualmente um mestre do disfarce, em fugas e em explosivos. As suas apuradas capacidades de dedução valeram-lhe o merecido  título de O Maior Detetive do Mundo. Esse perfeccionismo deriva da sua  extremada obstinação em combater o crime em todas as suas formas e em vingar o assassínio dos seus progenitores.
                                         De entre o seu vasto arsenal, destaca-se, desde logo, a sua armadura feita de kevlar, nomex e uma pequena percentagem de titânio. O que a torna à prova de bala e resistente ao fogo, a pequenas explosões e impactos. A máscara é revestida de chumbo, de modo a proteger a identidade secreta do herói de tecnologia de raios X.  No cinto de utilidades, Batman transporta cápsulas de gás lacrimogéneo, batrangues, explosivos, um kit de detetive, além de toda uma parafernália de armas e acessórios.
                                        Dispõe ainda de diversos veículos de alta tecnologia e grande poder bélico: Batmóvel, Batpod, Batwing, etc. Na Batcaverna está instalado um  supercomputador que lhe permite, entre outras coisas, aceder a bases de dados em qualquer ponto do globo. Recursos que, ao longo dos anos, tem partilhado com os vários Robins e alguns aliados de confiança.
Batman estreou-se em 1939 nas páginas de Detective Comics nº27.
Biografia:  Através dos anos, a origem do Homem-Morcego foi revista em diversas ocasiões. Uniforme, parceiros e até a personalidade do herói passaram por mudanças. Constante a todas as versões é o seu alter ego ( o multimilionário filantropo Bruce Wayne), o assassinato dos seu pais às mãos de um assaltante e a sua obstinada demanda por justiça.
                   Assim, na Era de Ouro, Bruce Wayne foi uma criança feliz até aos oito anos de idade, quando os seus pais (o médico Thomas Wayne e a sua esposa Martha) foram assassinados durante um assalto, numa noite em que regressavam do cinema. Joe Chil, um ladrão vulgar, foi o autor do crime que mudaria para sempre a vida do pequeno Bruce. Nesta versão, o petiz foi criado pelo seu tio Phillip Wayne na mansão da família.
                   Sedento de vingança, Bruce estudou várias áreas do conhecimento que poderiam ser-lhe úteis na sua cruzada, designadamente química, criminologia, ginástica e artes marciais. Ele sabia, no entanto, que essas habilidades não lhe bastariam. Vendo os criminosos como indivíduos supersticiosos e cobardes, Bruce pensou criar um disfarce que lhes incutisse medo.
                  Certa noite, um morcego entrou por uma das janelas da mansão e Bruce viu nele um sinal. Nascia assim o Batman. Um vigilante soturno e implacável, que se esgueirava nas sombras e que, inicialmente, não granjeou a simpatia da polícia.
                  Em tudo similar à origem da Era de Ouro, a principal diferença da versão introduzida na Era de Prata residia no facto de, após a morte dos seus pais, Bruce Wayne ter sido tutelado pelo fiel mordomo da família, Alfred Pennyworth, e não pelo seu tio Phillip.
                 Comum a ambas as versões é também a adoção do órfão Richard Grayson, o primeiro Robin.
                 A encarnação moderna do Cavaleiro das Trevas surgiu em meados da década de 1980, na sequência da drástica reformulação do universo DC operada no âmbito de Crise Nas Infinitas Terras. Pelas mãos de Frank Miller (ver texto anterior), no aclamado Ano Um (Year One), Batman regressou às origens, movendo-se num espaço mais lúgubre e violento, e recebendo uma personalidade condizente. Várias outras alterações foram introduzidas no microcosmos do herói: Jason Todd (o segundo Robin) vê a sua biografia reformulada; Batman deixa de ser um dos membros fundadores da Liga da Justiça e a personagem Phillip Wayne é definitivamente suprimida.
                 Em 2011, no contexto do relançamento do universo DC em Os Novos 52, o Homem-Morcego ganhou novas roupagens e lidera a Corporação Batman, uma equipa de super-heróis que integra, entre outros, Batgirl, Batwoman e Robin Vermelho (Tim Drake, o terceiro Menino Prodígio). Ao lado do seu filho (Damian Wayne, o atual Robin), o Cavaleiro das Trevas prossegue a sua guerra quartel  contra o crime em Gotham City, ou em qualquer parte do mundo, ao serviço da renovada Liga da Justiça.

A evolução de Batman desde os seus primórdios até à atualidade, pelo traço de artistas renomados como Bob Kane, Neal Adams, Frank Miller e Greg Capullo.
Curiosidades:
* Batman possui uma galeria de arqui-inimigos tão vasta quanto burlesca que, em múltiplos aspetos, reflete a própria personalidade do herói. O seu eterno némesis Joker, por exemplo, é a antítese de tudo aquilo em que o Cruzado da Capa acredita. A par do Palhaço do Crime, o naipe de vilões é composto por personagens sinistras como Duas Caras, Pinguim, Charada, Bane, Ra´s al Ghul, Espantalho e Hera Venenosa, só para citar alguns;
* Em 1954, Batman e o seu parceiro juvenil Robin foram acusados de homossexualidade em Sedução Dos Inocentes, um polémico livro da autoria do psicólogo Fredric Wertham. Nele, o autor defendia que as histórias do Duo Dinâmico estimulavam fantasias homo-eróticas nas crianças (à época, o público-alvo dos comics);
* À primeira vista, seria lógico inferir que foi Bruce Wayne quem criou o Batman. Sucede que foi exatamente o contrário. Para proteger a sua identidade, o Homem-Morcego criou um alter ego frívolo e irresponsável, um playboy que vive em função da colossal fortuna familiar herdada. Em última análise, Batman é a verdadeira representação da personalidade de Bruce Wayne,  que usa como mera fachada social;
* Em maio de 2011, no âmbito de uma votação online promovida pelo site IGN, Batman foi eleito o segundo melhor super-herói de todos os tempos, logo atrás de Superman.

Pai e filho juntos no combate ao crime.

Noutros media: Verdadeiro ícone da cultura popular, reconhecido nos quatro cantos do mundo, Batman rapidamente estendeu a sua presença para fora dos quadradinhos. Logo em 1943, teve direito a uma série televisiva de 15 episódios. Lewis Wilson foi o primeiro ator escolhido para vestir o manto do morcego no pequeno ecrã. Seis anos depois, estreou nova série de TV (Batman and Robin), desta feita cabendo a  Robert Lowery dar vida ao herói, agora secundado pelo seu parceiro juvenil.
                             Seria, no entanto, com a lendária série televisiva transmitida pelo canal ABC a partir de janeiro de 1966, e com Adam West e Burt Ward nos papéis de Homem-Morcego e Menino Prodígio, que Batman seria definitivamente catapultado para a ribalta. O registo cómico e o figurino kitsch da série desvirtuaram por completo a essência da personagem. Batman tornou-se um herói apatetado e infantil. Não obstante, a série tornou-se um fenómeno de popularidade, batendo sucessivos recordes de audiências nos dois anos que esteve no ar.
                            Seguiu-se um longo ínterim, durante o qual o Homem-Morcego participou em diversas séries animadas, quer como personagem principal, quer como coadjuvante: The Adventures of Batman (1968-1977) e Super Friends (1973-1986) foram as mais duradouras.
                             O tão aguardado regresso do Cavaleiro das Trevas ao grande ecrã ocorreu em 1989, pelas mãos de Tim Burton. Com Michael Keaton no papel principal e com Jack Nicholson a interpretar um inesquecível Joker, Batman foi um estrondoso sucesso. Foi, por isso, sem surpresa que se seguiram as sequelas Batman Returns (1992), Batman Forever (1995) e Batman & Robin (1997). Estes dois últimos filmes, dirigidos por Joel Schumacher ficaram muito aquém das duas primeiras películas realizadas por Burton. Face ao desagrado dos fãs e às críticas demolidoras, a franquia ficou seriamente ameaçada.
                            Em 2005, porém, chegava às salas de cinema a primeira parte de uma nova triologia do Cavaleiro das Trevas, dirigida por Chris Nolan, e que reabilitou a personagem no cinema. Com Christian Bale a vestir pele do herói, Batman Begins foi um êxito. Seguiram-se The Dark Knight (2008) e The Dark Knight Rises (2012).
                           A par do cinema, da TV e de outros media, Batman também tem marcado presença em vários videojogos, quase sempre adaptações dos filmes ou das séries animadas do herói. Entre os mais aclamados pela crítica e pelos fãs, estão Batman: Arkham Asylum (2009) e a respetiva sequela Batman: Arkham City (2011).

As várias faces de Batman no cinema.
Da esq. para a dir.: Adam West, Michael Keaton, Val Kilmer, George Clooney e Christian Bale.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

ETERNOS: FRANK MILLER (1957 - ...)



      Autor de algumas das mais marcantes bandas desenhadas de sempre, Frank Miller revolucionou personagens como Batman e Demolidor. Escreveu também vários argumentos para filmes de sucesso como Robocop 3.
Biografia: Frank Miller nasceu em Olney, no estado norte-americano de Maryland, no dia 27 de janeiro de 1957. Filho de uma enfermeira e de um carpinteiro/eletricista irlandeses, é o quinto de sete irmãos e foi criado de acordo com os preceitos católicos em Montpelier (Vermont).
                   Muito jovem ainda, mudou-se para Nova Iorque, onde iniciaria uma profícua carreira como argumentista e ilustrador, ao serviço de várias editoras, entre as quais a Marvel e a DC. Durante esse período morou no mal afamado bairro Hell´s Kitchen, o que influenciaria o material por ele produzido ao longo dos anos 80, em particular as histórias do Demolidor. Na década seguinte Miller mudou-se para Los Angeles, o que motivou o desenvolvimento de Sin City. Em 2001 regressou a Nova Iorque e a Hell's Kitchen. Daí resultando, ao cabo de quinze anos de espera, a tão aguardada sequência do clássico Batman, The Dark Knight Returns (ver texto anterior). Consta que a narrativa de Batman, The Dark Knight Strikes Again (minissérie em três edições conhecida entre nós como Batman, O Cavaleiro das Trevas 2), foi fortemente influenciada pelos ataques terroristas do 11 de setembro.
                 Até 2005, Miller foi casado com a colorista Lynn Varley. Em conjunto, o casal produziu trabalhos notórios como Ronin (1984) e 300 (1998). Além, claro, das duas aclamadas minisséries do Cavaleiro das Trevas acima mencionadas.
                 Em novembro de 2011, Miller esteve envolvido numa intensa polémica, em resultado de algumas opiniões publicadas no seu blogue pessoal, a respeito do movimento Ocuppy Wall Street. Classificando-o de "moralmente suspeito" e de "ignorante em relação ao islamismo", Miller foi alvo de duras críticas, inclusive por parte do consagrado escritor/argumentista Alan Moore.
Miller na Comic-Con de 1982.
Carreira: Remonta a 1978 o início da longa e prolixa carreira de Frank Miller na indústria dos comics. Nesse ano, foi contratado pela Golden Key Comics para ilustrar duas histórias baseadas na mítica série televisiva The Twilght Zone (por cá batizada de Quinta Dimensão).
                  Após essa experiência, passou a trabalhar como freelancer para várias editoras, entre as quais DC e a Marvel. Nesta última chamou à atenção devido a uma história em duas partes do Homem-Aranha, que chocou os fãs por apresentar um Justiceiro capaz de antecipar os movimentos (até aí imprevisíveis) do herói aracnídeo, e que só não o liquidou por estar convencido que este não era um criminoso.
                 Miller tornar-se-ia depois desenhista regular do Demolidor, não tardando a acumular a responsabilidade pelo argumento. Aclamado pela crítica, atraiu um número crescente de leitores e granjeou respeito entre os seus pares. Durante essa fase Miller criou Elektra, a ninja assassina que de coadjuvante, rapidamente passaria a interesse amoroso do Homem Sem Medo.
                 Direcionada para um público mais adulto e exigente, a sua visão do Demolidor prevaleceu, estendendo-se inclusive à adaptação cinematográfica de 2003, a qual assimilou vários elementos das histórias de Miller. A Queda de Murdock (1986), da sua autoria e ilustrada por David Mazzuchelli, é considerada a melhor história alguma vez escrita do Homem Sem Medo. 
O Demolidor ganhou nova vida pelas mãos de Miller.
                 Foi, no entanto, ao serviço da DC que Miller produziu aquela que muitos consideram a sua obra-prima: Batman, The Dark Night Returns (1986), um conto sombrio do Homem-Morcego num futuro não muito distante. A exemplo do que sucedera com Demolidor, a interpretação de Batman feita por Miller dominou a personagem durante quase duas décadas influenciando a versão cinematográfica de Tim Burton (ver BD Cine Apresenta: Batman) e graphic novels como A Piada Mortal, de Alan Moore e Asilo Arkham de Grant Morrison.
A obra-prima de Frank Miller.
                Miller também ganhou notoriedade através da produção de trabalhos na categoria Propriedade Do Autor. Ronin, uma história de ficção científica protagonizada por um samurai, foi a primeira de inúmeras parcerias criativas com a sua ex-esposa Lynn Varley. Sin City (1991) é o seu primeiro trabalho a solo. Trata-se de uma série de estórias a preto e branco, fortemente influenciadas pelo cinema noir, publicadas pela Dark Horse Comics.
                  Outro marco de sucesso foi 300 (1999), uma minissérie escrita e desenhada por Miller e colorida por Lynn Varley, que recontava a batalha de Termópilas, travada entre os Espartanos e o Império Persa  no contexto da Segunda Guerra Médica. Em 2007 a história seria adaptada ao grande ecrã, ficando a realização a cargo de Zack Snyder.
                 Sanadas as suas divergências com a DC, Miller começou auspiciosamente o terceiro milénio com a tão aguardada sequela de Batman, The Dark Night Returns. A despeito das boas vendas, a reação da crítica e dos fãs a Batman, The Dark Knight Strikes Again, não foi consensual.
                 Paralelamente ao seu trabalho como argumentista de banda desenhada, Miller começou a escrever guiões para o cinema, sendo os mais notáveis Robocop 2 e Robocop 3. Depois deste último, Miller terá afirmado que nunca mais permitiria que Hollywood fizesse adaptações das suas histórias, dececionado por praticamente nenhuma das suas ideias figurar nas versões finais das películas. Isto apesar de o seu nome surgir destacado nos respetivos créditos.
                 Esta posição só se alteraria depois de o realizador Robert Rodríguez lhe mostrar uma curta-metragem (produzida sem o conhecimento de Miller) baseada num dos contos de Sin City. Miller, no entanto, terá ficado tão satisfeito com o resultado que aceitou adaptar Sin City ao cinema. Datado de 2005, o filme seria realizado por Rodríguez e Miller. Três anos depois, Miller aventurou-se novamente atrás das câmaras, dirigindo The Spirit, a famosa personagem dos quadradinhos criada por Will Eisner.
A premiada BD Sin City foi o primeiro trabalho a solo de Miller.
Prémios: Ao longo da sua já longa carreira, Frank Miller arrecadou uma panóplia de prémios e distinções em várias categorias. Aqui ficam alguns:
* Kirby Award Para Melhor Álbum Gráfico (1987): Batman, The Dark Night Returns;
* Harvey Award Para Melhor Álbum Gráfico Com Trabalho Original (1998): Sin City: Family Values;
* Eisner Award Para Melhor Escritor/Artista (1991): Elektra Lives Again;
* Nomeação para a Palma de Ouro no Festival de Cinema de Cannes (2005): Sin City.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

DO FUNDO DO BAÚ






          Aclamada internacionalmente, malgrado alguma controvérsia, a minissérie Batman, O Cavaleiro das Trevas, da autoria de Frank Miller, representa um marco na história dos quadradinhos. Com uma temática adulta, um estilo arrojado e um naipe de personagens burlescas, revolucionou - a exemplo de Watchmen, de Alan Moore - o universo DC, atraindo uma nova gama de leitores.
 
 
Título: Batman, O Cavaleiro das Trevas
Data: De abril a julho de 1987
Licenciadora: Detective Comics
Editora: Abril Jovem
Número de páginas: 48 por edição
Categoria: Minissérie
Periodicidade: mensal
Formato:  Americano (17 cm x 26 cm), colorido, lombada agrafada.
Argumento e arte: Frank Miller
Arte-final: Klaus Janson
Publicada originalmente em: Batman: The Dark Knight Returns nº1 a 4 (1986)
 
As capas dos quatro volumes que compõem a minissérie.
Nota prévia: A história narrada em Batman, O Cavaleiro das Trevas tem lugar numa realidade alternativa, fora da continuidade do universo DC. É, contudo, parcialmente fiel à mitologia oficial do Homem-Morcego pela inclusão de personagens pós-Crise nas Infinitas Terras. Miller, por exemplo, apresenta um Batman atormentado pela morte de Robin. Anos depois, em resultado da sua fraca aceitação por parte dos leitores, o segundo Menino Prodígio (Jason Todd) seria assassinado pelo Joker.
                       A exemplo do Ragnarok da mitologia nórdica, Frank Miller escreveu uma saga que apresentava um final épico para a carreia heroica do Cavaleiro das Trevas. Originalmente, a história foi publicada em formato prestige, o qual se tornaria comum com o passar dos anos.
 
Sinopse: Na sequência da morte do segundo Robin, Bruce Wayne abandonou o manto do morcego e votou-se ao ostracismo, numa espécie de exílio autoimposto. Transcorrida uma década desde a última aparição pública de Batman, Gotham City é uma cidade estropiada pelo crime, pela violência e pela corrupção. Entre os vários bandos criminosos que aterrorizam os seus habitantes, destacam-se os Mutantes, cujo grotesco líder há muito ameaça tomar pela força as ruas da cidade.
               Certa noite, quando visitava o beco onde os seu pais foram assassinados quando ele apenas uma criança, Bruce é atacado por elementos dos Mutantes. Este episódio leva-o a regressar ao ativo, facto que desperta sentimentos contraditórios na opinião pública de Gotham. Se há quem aplauda o regresso do Cavaleiro das Trevas, não falta quem, por outro lado, condene os seus métodos.
               Na sua renovada cruzada contra o crime, a primeira ameaça enfrentada pelo regressado herói é o seu velho inimigo Duas Caras que, a despeito de já não ter o rosto desfigurado pelas horrendas cicatrizes de outrora, está mais insano do que nunca. Entretanto, o septuagenário comissário Gordon é obrigado a reformar-se devido à sua provecta idade, sendo substituído por Ellen Yindel, uma feroz detratora das atividades do Homem-Morcego.
                Graças suas às lendárias capacidades detetivescas, Batman descobre que um general do Exército norte-americano tem vendido armamento pesado aos Mutantes. Confrontado pelo herói, o militar confessa o seu delito, justificando-se com a grave doença da sua esposa. Consumido pelos remorsos, o general suicida-se na presença do Homem-Morcego.
                Ao comandos de uma versão melhorada do Batmóvel, Batman ataca Os Mutantes, reunidos na lixeira municipal de Gotham. Segue-se um brutal combate corpo a corpo com o líder do bando. Gravemente ferido, o Homem-Morcego é salvo in extremis pela intervenção de Carrie Kelly, uma adolescente que sempre o idolatrara. Carrie torna-se assim merecedora de ser a nova Robin.
                Na cadeia, o líder dos Mutantes continua a ameaçar tomar a cidade. O mayor tenta negociar com ele mas acaba por ter a sua garganta rasgada pelo vilão. Enquanto o medo e a tensão crescem em Gotham City, Carrie, a pedido de Batman, infiltra-se nas fileiras dos Mutantes para espalhar o boato que o seu líder convocou uma assembleia magna.
                A pedido do seu velho aliado, o comissário Gotham permite a fuga do líder dos Mutantes da prisão. Atraído ao mesmo local onde antes espancara Batman, o vilão é desta vez sumariamente derrotado pelo Cavaleiro das Trevas, perante o olhar de dezenas de elementos da quadrilha. No final, estes aceitam Batman como seu novo líder, autoproclamando-se Os Filhos do Morcego.
               Emergindo de um estado catatónico depois de saber do regresso do seu eterno némesis, o Joker convence os médicos do Asilo Arkham de que está curado da sua insanidade e é libertado. Em consequência disso, lança uma campanha de terror em Gotham, que culmina com várias mortes antes de ser detido pelo Cavaleiro das Trevas. Encurralado, o Palhaço do Crime comete suicídio, de modo a incriminar Batman pela sua morte.
               Os Filhos do Morcego são treinados por Batman em métodos não letais de manutenção da ordem pública, passando a atuar como uma milícia ao serviço do herói. Entretanto, uma ogiva nuclear soviética é lançada na órbita terrestre e, decorrente da sua detonação, o sol é bloqueado, ao mesmo tempo que os sistemas eletrónicos dos Estados Unidos são desligados pelo subsequente impulso eletromagnético. Em Gotham, Batman e os Filhos do Morcego restauram a ordem, mas logo o Governo federal, considerando que a ação destes põe em causa a sua autoridade, envia o Superman para neutralizar o seu velho amigo.
               Informado por Oliver Queen ( o ex-Arqueiro Verde, agora reciclado como revolucionário) dos planos governamentais, Batman prepara-se devidamente para o embate com o Último Filho de Krypton. Durante a refrega que se segue, Oliver atinge o Superman com uma flecha contendo kryptonita sintética, permitindo a vitória do Homem-Morcego. Contudo, este sucumbe pouco depois a um fulminante ataque cardíaco. Seguindo escrupulosamente as diretrizes previamente fornecidas pelo seu patrão, o mordomo Alfred detona uma bomba que destrói a Batcaverna e a mansão Wayne.
               A identidade secreta de Batman logo se torna do conhecimento público e o seu corpo é reclamado por uma prima distante (na verdade, Casey Kelly disfarçada). 
               No funeral, a superaudição do Homem de Aço capta um batimento cardíaco no interior do caixão mas limita-se a piscar o olho a Carrie e a partir. Mais tarde, Carrie desenterra Bruce Wayne, que simulou a própria morte, tomando uma misteriosa pílula.
               Nos labirínticos túneis sob a antiga Batcaverna, Batman, em conjunto com Robin, Arqueiro Verde e os Filhos do Morcego, inicia os preparativos para uma nova guerra contra o governo corrupto que tomou em mãos o destino dos EUA.
 
A arte de Miller em Batman, O Cavaleiro das Trevas não agradou a todos os fãs.
 
Reputação: Batman, O Cavaleiro das Trevas, a par de Watchmen de Alan Moore, lançou uma nova tendência nos quadradinhos, introduzindo temáticas adultas. O que lhe valeu uma atenção nunca vista por parte dos media. No entanto, alguns críticos acusaram Frank Miller de ter produzido uma história demasiado crua e violenta, nos limites da decência. Esta nova abordagem ao Homem-Morcego libertou-o definitivamente do histrionismo infantil que se lhe colara desde a célebre série televisiva dos anos 1960. Retratado como um indivíduo soturno e obcecado, o Batman de Frank Miller influenciaria a personalidade e o visual do Homem-Morcego no filme dirigido por Tim Burton em 1989. Outras vozes críticas insurgiram-se contra o facto de Miller ter transformado Batman num psicopata que não olha a meios para atingir os seus fins. Esquecendo, todavia, que as suas ações extremas e obsessivas na minissérie derivam do seu avassalador sentimento de culpa pela morte de Robin e pela sua covardia de abandonar Gotham à mercê de todo o tipo de facínoras.
                    Outra inovação introduzida por Miller prende-se com a forma de tratamento aplicada entre os vários super-heróis. Em vez de se tratarem pelos respetivos codinomes, referem-se uns aos outros pelos nomes próprios (Bruce, Clark, Ollie, etc).  Outra decisão polémica foi a não inclusão de Dick Grayson (o primeiro Robin) na narrativa, sendo o seu nome apenas mencionado por Bruce.
                    Expressão do hiper-realismo imprimido ao enredo, a inclusão de figuras públicas como Ronald Reagan (presidente dos EUA à época), David Letterman e o Dr. Ruth. Essa nova corrente atingiria o seu clímax com a consagrada banda desenhada Sin City, também da autoria de Miller. Apesar da reação favorável da maior parte dos fãs à arte arrojada de Batman, O Cavaleiro das Trevas, esta esteve longe de ser consensual.
                   No Brasil, pelas mãos das editoras Abril Jovem e Panini, foram publicadas, entre 1987 e 2011, várias reedições e edições encadernadas desta mítica minissérie. A qual teve direito nos EUA a uma igualmente eletrizante sequela em 2001: Batman: The Dark Knigt Strikes Again (lançada no ano seguinte em Português pela Abril, sob o título Batman, O Cavaleiro das Trevas II,e sobre a qual me comprometo a falar muito em breve).
                   Batman, O Cavaleiro das Trevas é, indubitavelmente, uma das melhores histórias alguma vez escritas do Homem-Morcego e uma das coqueluches da minha coleção,  a par da respetiva sequela.
 
Batman versus Superman: um duelo entre velhos amigo.