clique aqui e encontre um template com a sua cara - template for blogger»

sábado, 1 de abril de 2017

GALERIA DE VILÕES: VANDAL SAVAGE



  Através de incontáveis eras este tirano imortal, quase tão antigo como a própria Humanidade, usou vários nomes e fez colapsar civilizações inteiras. Arqui-inimigo da Sociedade da Justiça da América, continua a ter nela o principal obstáculo aos seus planos de dominação mundial. Entretanto, vai conquistando protagonismo mediático por via das suas participações nas séries televisivas da DC.

Licenciadora: Detective Comics (DC)
Criadores: Alfred Bester (história) e Martin Nodell (arte conceptual) 
Primeira aparição: Green Lantern Vol.1 nº10 (dezembro de 1943)
Identidade civil: Vandar Adg II
Alter egos: Na sua existência multissecular, foram inúmeras as figuras históricas alegadamente encarnadas por Vandal Savage. Com destaque para Caim (filho de Adão e Eva, irmão de Abel e o primeiro dos homicidas); Khafra (Faraó egípcio); Genghis Khan (conquistador mongol); Alexandre, o Grande (Imperador macedónio); Vlad, o Empalador (príncipe romeno que inspirou a criação do Conde Drácula); Barba Negra (pirata inglês do século XVIII) e Jack, o Estripador (assassino em série que aterrorizou a Londres vitoriana).
Local de nascimento: Terra-2, ano 50.000 A.C.
Parentes conhecidos: Vandar Adg (pai, falecido), Imperador Júlio César (pai adotivo, falecido), Scandal Savage (filha), Grendel (filho), Kassandra Sage (filha), Roy e Lian Harper (descendentes)
Base de operações: Móvel
Afiliações: Ex-líder da Tribo do Sangue (Blood Tribe); membro fundador dos Illuminati e da Sociedade da Injustiça (Injustice Society); ex-líder do Tartarus; atual membro dos Cavaleiros do Demónio (Demon Knights)
Armas, poderes e habilidades: Exposto, 50 mil anos atrás, à radiação de um misterioso meteorito que havia despencado na Terra, Vandal Savage não só adquiriu imortalidade como teve toda a sua fisiologia incrementada.
À sua força, velocidade e resistência sobre-humanas, acresce um fator de cura acelerada. Cuja ação se caracteriza no entanto pela intermitência. Ora lhe permite recuperar quase instantaneamente de quaisquer ferimentos assestados ora lhe garante apenas proteção contra aqueles que lhe poderão ser fatais. A imunidade aos efeitos do envelhecimento contrasta, por exemplo, com a não inibição dos efeitos do álcool no seu organismo. Circunstância que permite a Vandal Savage embriagar-se a seu bel-prazer como qualquer reles mortal.
Embora conserve a sensibilidade à dor, ao longo do tempo Vandal Savage desenvolveu-lhe uma extraordinária resistência. A qual lhe permite suportar aquelas que esporadicamente o fustigam e que têm origem nas células cancerígenas presentes no seu corpo.
Histórias recentes revelaram que, aquando da sua exposição ao meteorito irradiado, Vandal padecia de cancro. À semelhança dos tecidos saudáveis, as células deterioradas constituem, portanto, parte integrante do seu corpo. Logo, não podem ser removidas sem que o seu fator de cura as restaure.
Em complemento ao aprimoramento físico de que foi alvo, Vandal Savage teve também as suas funções cognitivas amplificadas. Daí resultando um assombroso salto evolutivo do seu cérebro primitivo de Cro-Magnon para o de Homo sapiens. Dito de outro modo, passou de homem das cavernas a homem moderno num abrir e fechar de olhos.

A selvajaria da Tribo do Sangue chefiada por Vandal Savage.
Na continuidade emanada de Os Novos 52 ficou estabelecido que o meteorito irradiado que transformou Vandal Savage era, afinal, de origem kryptoniana. A fim de prevenir o impacto catastrófico de um cometa com Krypton, Im-El, um remoto antepassado de Kal-El, desviara a sua trajetória para a Terra (então um mundo recém-formado e, supõe-se, desabitado). Sendo portanto o referido meteorito um fragmento desse corpo celeste que quase causou a destruição do planeta natal do Super-Homem milhares de anos antes do seu nascimento.
A longevidade de Vandal Savage através dos séculos possibilitou-lhe, por outro lado, acumular vasto conhecimento nas mais diversas áreas. Desde a política à literatura, passando pela medicina ou por qualquer outra que ele considere útil ao seu projeto pessoal de poder. Aprendeu igualmente incontáveis línguas (algumas das quais, como o latim, há muito extintas), inscrevendo o poliglotismo no seu catálogo de valências.
Da sua convivência com grandes lideres mundiais, como Júlio César ou Napoleão Bonaparte, resultou também uma profunda aprendizagem nos campos da tática militar e da geoestratégia. Ensinamentos que ele vem usando habilmente nos seus desígnios de conquista mundial.
Aquilo que, no entanto, torna Vandal Savage uma séria ameaça para a Humanidade são as suas conexões com organizações e personalidades detentoras de enorme poder e influência. Com a assistência delas, o vilão pode facilmente ascender a qualquer posição política ou financeira que lhe permita condicionar a ação de governos ou de coletivos heroicos por eles patrocinados (caso, por exemplo, do Esquadrão Suicida).
Conjetura-se ainda que Vandal Savage será capaz de viajar através de dimensões paralelas, ou seja, entre as várias Terras que compõem o atual Multiverso DC. A possuir de facto tal talento, ignora-se se este advirá dos seus próprios recursos ou de algum artefacto místico ou aparato tecnológico por ele utilizado. E este poderá até nem ser o seu único poder oculto no capítulo das viagens temporais e interdimensionais. Permanecendo, contudo, inexplorado devido ao receio do vilão de que daí resulte algum tipo de paradoxo que faça perigar a sua existência.
Lutador exímio e implacável, Vandal Savage é proficiente em diversas artes marciais e no manejo de todo o tipo de armas. Sentindo-se portanto à vontade no campo de batalha onde sobressai sempre a sua brutalidade cavernícola. Evita, contudo, sempre que possível, o confronto direto com o seu oponentes. Preferindo, ao invés, o recurso a manobras táticas mais elaboradas para os sobrepujar.
Em qualquer época ou lugar, Vandal Savage é sempre um inimigo formidável que já mediu forças com vários pesos-pesados do Universo DC, como o Super-Homem ou a Sociedade da Justiça da América.

De homem das cavernas a conquistador imortal.
Fraquezas: Vandal Savage necessita consumir o seu próprio ADN para se recuperar de uma grande quantidade de danos externos. Para esse efeito, tem de canibalizar os seus clones e os seus descendentes, sob pena de sucumbir aos ferimentos.
Por vezes, a renovação dos seus poderes requer igualmente que ele beba o sangue ou devore os órgãos vitais dos seus inimigos. Evidências arqueológicas sugerem, aliás, que Vandal Savage terá sido o primeiro canibal da História.
Desde que, num passado recente, foi aprisionado num asteroide, a sua imortalidade também aparenta ter ficado debilitada.

Savage devora o coração de Solomon Grundy
para repor os seus poderes.
Origem e histórico de publicação: Conceito desenvolvido por Alfred Bester e Martin Nodell, Vandal Savage entrou pela primeira vez em cena em dezembro de 1943, nas páginas de Green Lantern nº10. E não foi por acaso. Três anos antes, Nodell apresentara ao mundo Alan Scott*, o primeiro dos Lanternas Verdes. Numa época em que o Gladiador Esmeralda ainda lidava apenas com delinquentes comuns, Savage foi o primeiro supervilão com que o herói se deparou.

Na sua estreia em Green Lantern nº10 (1943),
Vandal Savage era apresentado como "O homem que queria o mundo".
Depois do Lanterna Verde, e ao longo de toda a Idade do Ouro, Savage tornar-se-ia um dos mais proeminentes antagonistas da Sociedade da Justiça da América (SJA). Cuja existência futura lhe fora revelada, vários séculos antes, por um poderoso mago. E que ele sabia estar predestinado a batalhar.
A história de Vandal Savage confunde-se com a da própria Humanidade. 50 mil anos atrás, quando era ainda Vandar Adg, líder da cruel Tribo do Sangue, foi banhado pela radiação de um misterioso meteorito que lhe aumentou a inteligência e o tornou imortal. Caminha desde então sobre a Terra, usando diferentes nomes, mas sempre com o mesmo obejtivo: conquistar o mundo.
No Multiverso da DC pré-Crise nas Infinitas Terras, Vandal Savage era originário da Terra-2. Contudo, a existência dos mundos paralelos - e, em particular, da Terra-1 - foi-lhe revelada nos primórdios da sua jornada milenar pelo mesmo mago que antecipara o surgimento da SJA.
A primeira marca deixada na História por Vandal Savage foi a destruição da Atlântida. Acolitado por um grupo de pessoas que ficaria conhecido por Illuminati (organização que lidera até hoje), Vandal minou as fundações da sociedade atlante, provocando o seu colapso.
A Atlântida não terá sido, porém, a única vítima de Vandal Savage. Que se vangloria de ter governado centenas de outras civilizações e impérios no decurso dos séculos. Genghis Khan ou Alexandre, o Grande foram algumas das personas por ele usadas para estender o seu domínio a vastas áreas do globo.
A SJA curvada a um Vandal Savage triunfante.
Com o tempo percebeu, no entanto, que tal proeminência lhe poderia ser fatal, preferindo daí em em diante trabalhar nos bastidores da História. Ora como confidente ora como conselheiro, mas respondendo sempre por diferentes nomes, Savage influenciaria as decisões de grandes líderes mundiais, como Napoleão Bonaparte ou Otto von Bismarck (a quem terá auxiliado a planear a invasão da França). Ainda por terras gaulesas, aproveitou as suas funções de médico da Corte, no reinado de Francisco I, para usar a família real como cobaias para as suas experiências secretas com sífilis.
Escusado será dizer que ao longo de tão extenso percurso Vandal Savage foi colecionando inimigos, muitos dos quais poderosos. Nenhum no entanto o arreliou tanto como o Homem Imortal (ver O némesis). E nem mesmo depois de ele ter apagado a própria existência para salvar o mundo dos efeitos da Crise das Infinitas Terras, Vandal pôde respirar de alívio. No seu lugar surgiu Ressurreição (Resurrection Man), personagem com poderes similares aos do Homem Imortal e que, tal como o seu antecessor, não mais deu descanso ao vilão.
Na realidade de Os Novos 52, Vandal Savage é um dos Cavaleiros do Demónio que, na Idade Média, mantêm o mundo a salvo de ameaças místicas e sobrenaturais.  Nesta sua encarnação medieval, o vilão é retratado como um boémio que viaja pelo mundo interessado apenas em desfrutar dos prazeres que este tem para oferecer.
Resta, pois, saber que papel lhe estará reservado em Renascimento, a mais recente revitalização do Universo DC. Recuperará Vandal o estatuto de vilão de referência? Agirá sozinho ou em grupo? Respostas que só o tempo trará.

Vandal Savage lutando ao lado de Etrigan,
outro dos Cavaleiros do Demónio.
* Prontuário disponível em http://bdmarveldc.blogspot.pt/2017/01/herois-em-acao-lanterna-verde.html

Personalidade: Fruto das muitas vidas que viveu em diferentes épocas, Vandal Savage tem dado provas de enorme inteligência e resiliência ao conseguir adaptar-se ao caleidoscópio de contextos históricos em que se movimenta. Fê-lo ora assumindo-se como figura dominante no seio de determinada sociedade ora influenciando certos acontecimentos-chave.
Nem sempre os seus métodos primam, contudo, pela subtileza. Não raro, recorre à violência mais primária para atingir os seus objetivos. Esse é, aliás, um dos aspetos mais interessantes da sua singular psicologia. A despeito da sua sofisticação intelectual, o comportamento do vilão emula frequentemente o de um qualquer macho alfa.
À imagem e semelhança do que tantas vezes acontecia no período pré-histórico, quando uma tribo de primatas atacava outra para se apossar do seus recursos, das investidas de Vandal Savage resultam invariavelmente banhos de sangue que não poupam ninguém. Nem mesmo mulheres e crianças.
Ficando assim demonstrado que, por detrás da sua fachada polida de homem culto e cosmopolita, se esconde um selvagem de perturbadora ferocidade. Nesse estado de irracionalidade, que contrasta com o seu perfil habitualmente frio e calculista, o vilão torna-se presa fácil para alguns dos seus adversários mais astutos, que não hesitam em tirar proveito da sua ausência de discernimento para sobre ele levarem a melhor.
Vandal Savage recusa, no entanto, o rótulo de selvagem, definido-se, ao invés, como um visionário que faz uso do seu conhecimento e influência para moldar o curso da História de acordo com a sua conveniência.
Egoísta e avaro, o vilão aparenta ser destituído de qualquer vestígio de empatia ou compaixão pelos seus semelhantes. Sendo a sua filha dileta e herdeira designada (ver texto seguinte) a única exceção ao profundo desprezo que ele nutre pela Humanidade, aos seus olhos enfraquecida pela pusilanimidade dos seus líderes.

Um janota troglodita ou um troglodita janota?

A herdeira: A imortalidade de Vandal Savage não o impediu de procriar. Embora a sua prole conhecida seja composta por Scandal Savage (uma assassina de gabarito mundial que se presume ter herdado a imortalidade do seu progenitor), Grendel (o demónio de Beowulf*) e Kassandra Sage (uma agente do FBI introduzida na continuidade de Os Novos 52), ele apenas reconhece a primeira como sua legítima herdeira. De mãe brasileira não identificada, Scandal vem, por isso, sendo preparada desde a infância pelo pai para lhe suceder. Algo que, considerando o forte apego de Vandal ao poder, não deverá acontecer tão cedo.

A herdeira de Vandal Savage é
E(Scandal)osamente parecida com X-23.
* Poema épico inglês de autor desconhecido que os especialistas estimam ter sido escrito algures entre os séculos VIII e XI.

O némesis: O mesmo meteorito irradiado que concedeu a imortalidade a Vandal Savage foi também a fonte de poder do seu maior inimigo. Além de talentos psiónicos, o Homem Imortal (Immortal Man) detinha a capacidade de reencarnar numa pessoa diferente de cada vez que morria.
Antes da transformação, era Klan Arg, um bravo guerreiro da Tribo do Urso, arquirrival da Tribo do Sangue liderada por Vandar Adg. A quem perseguiu ao longo dos séculos, sem que contudo tenha alguma vez saído um vencedor claro dos incontáveis confrontos travados pelos dois.

Os muitos rostos do Homem Imortal.

Apontamentos:

*Savage reclama para si os créditos pela invenção da faca de trinchar, 34 mil anos atrás. Ainda segundo ele, terá ajudado Moisés a comandar a fuga dos judeus do Egito e sobrevivido à destruição da biblioteca de Alexandria ocorrida há 1600 anos;
*Na Terra-2 que lhe serviu de berço no período pré-Crise nas Infinitas Terras, Savage foi o Barba Negra, e Edward Thatch (o homem que, no mundo real, foi o lendário pirata), aparentemente, nunca teria existido. No entanto, em algumas dimensões paralelas do Multiverso original (Terra-1, Terra-S, etc.), Thatch não só existia como se notabilizou como Barba Negra;
*Especula-se que Vandal Savage poderá vir a conhecer o seu fim no ano 85271 D.C., quando ele for enviado para a Montevideu do século XX segundos antes de a capital uruguaia ser dizimada por uma detonação termonuclear. Ação, ironicamente, ordenada pelo próprio vilão. Ressalve-se, todavia, que este cenário corresponde tão-só a um possível futuro;
*Conquanto Vandal Savage tenha sido introduzido na cronologia prévia a Crise nas Infinitas Terras, a sua existência após esses eventos manteve-se intacta. Alguns dos elementos dessa fase pregressa poderão, porém, ter sido removidos e/ou alterados na nova continuidade da DC, pelo que deverão ser desconsiderados para efeitos canónicos;

Vandal Savage espalhando o terror como Barba Negra.
Noutros segmentos culturais: Na lista dos cem melhores vilões dos quadradinhos de todos os tempos, organizada em 2009 pela IGN (plataforma digital dedicada às diversas áreas do entretenimento), Vandal Savage ocupa um honroso 36º lugar. À frente, por exemplo de outros grandes expoentes do Mal como Thanos (Marvel) ou Anti-Monitor (DC).
Ainda sem espaço no Universo Cinemático DC, desde o início do século que Vandal Savage vem sendo um habitué nas produções televisivas baseadas na mitologia da Editora das Lendas. Com efeito, a sua estreia no pequeno ecrã ocorreu em Justice League, série animada de grande sucesso, no ar entre 2001 e 2004, e na qual ele participou em vários episódios. Com uma origem praticamente idêntica à da sua contraparte da banda desenhada, o vilão imortal teve, porém, revista a sua data de nascimento. Em vez de ter vindo ao mundo 50 mil anos atrás, nesta versão ele atormentava a Humanidade há "apenas" metade do tempo.

Vandal Savage ao serviço do 3ª Reich
em Justice League.
Ainda pelo campo da animação com o selo da DC, Vandal Savage foi o antagonista principal na série Young Justice (2010-2013) e no filme Justice League: Doom (2012). Neste último, ele funda a infame Legião do Mal para tentar neutralizar a Liga da Justiça, o maior obstáculo aos seus desígnios megalómanos e genocidas.
Atendendo pelo nome de Curtis Knox e interpretado por Dean Cain (o Homem de Aço de Lois & Clark: The New Adventures of Superman), Vandal Savage fez o seu debute em séries de ação real em 2007, num episódio da sétima temporada de Smallville, intitulado Cure. Embora no guião original a personagem surgisse identificada pelo seu verdadeiro nome, os produtores foram informados pelo estúdio de que não dispunham de autorização para o utilizar. Ficando, contudo, implícito que o Dr. Curtis Knox era um alter ego de Vandal Savage. Noção, de resto, reforçada quando, anos depois, o vilão reciclou essa persona num episódio de Legends of Tomorrow (em exibição desde 2016).

Dean Cain foi o primeiro ator
a dar vida a Vandal Savage em Smallville.
Antes, porém, Vandal Savage foi o vilão escolhido para apadrinhar o crossover entre as séries do Flash e do Arqueiro Verde. Agora interpretado por Casper Crump, esta segunda encarnação televisiva da personagem correspondia, de facto, a uma mescla com Hath-Set, um malévolo sacerdote nascido há 4 mil anos no Antigo Egito.
Com Casper Crump a repetir um papel que lhe assenta como uma luva, Vandal Savage esteve em grande plano na primeira temporada de Legends of Tomorrow. Responsável por um futuro opressivo e pela morte da família de Rip Hunter, é ele que motiva a formação do heterodoxo coletivo composto por heróis, mercenários e criminosos em processo de regeneração destinados a tornarem-se lendas do Amanhã.

Casper Crum como Vandal Savage
 no crossover Arrow/Flash.