clique aqui e encontre um template com a sua cara - template for blogger»

quinta-feira, 2 de abril de 2015

EM CARTAZ: «O CAVALEIRO DAS TREVAS»



  Com Gotham City submersa no caos por um sinistro Palhaço do Crime, Batman procura desesperadamente evitar a corrupção do maior símbolo de justiça e esperança da sua cidade. Imune à síndrome do filho do meio de que costumam padecer os segundos capítulos das trilogias, "O Cavaleiro das Trevas" assume-se como uma epopeia moderna e um dos melhores filmes do género.

Título original: The Dark Knight
Ano: 2008
País: EUA/Reino Unido
Género: Ação/Aventura/Fantasia
Duração: 152 minutos
Realização: Christopher Nolan
Argumento: Christopher Nolan, Jonathan Nolan e David S. Goyer
Distribuição: Warner Bros. Pictures
Elenco: Christian Bale (Bruce Wayne/Batman), Michael Caine (Alfred Pennyworth), Heath Ledger (Joker), Gary Oldman (tenente James Gordon), Aaron Eckhart (Harvey Dent/Duas Caras), Maggie Gyllenhaal (Rachel Dawes), Morgan Freeman (Lucius Fox) e Eric Roberts (Sal Moroni)
Orçamento: 185 milhões de dólares
Receitas: 1 bilião de dólares
Produção e desenvolvimento: Antes do lançamento de Batman Begins (2005), o argumentista David S. Goyer elaborou um roteiro para duas continuações, nas quais o Joker e Harvey Dent fariam as suas primeiras aparições públicas. Originalmente, a intenção era que, no terceiro filme, o Palhaço do Crime fosse o responsável pelo desfiguramento do promotor, transformando-o assim no Duas Caras.
    Goyer citou como sua principal referência a saga Batman: The Long Halloween (Batman: O Longo Dia das Bruxas). Neal Adams, o veterano desenhador que se notabilizou nas histórias do Cruzado Encapuzado ao longo da década de 70 do século passado, revelaria que ele e Goyer se reuniram em Los Angeles antes do arranque da produção do filme. Nessa reunião ficou assente que o argumento de Goyer teria vários pontos de contacto com The Joker Five-Way Revenge, história escrita por Denny O'Neil e publicada em 1971 nas páginas de Batman nº251.
   Mesmo não sendo um dado adquirido que Christopher Nolan assumiria a realização das sequelas, o cineasta britânico expressou repetidas vezes o seu desejo de reinterpretar o Joker no grande ecrã. Indefinições à parte, a 31 de julho de 2006, a Warner Bros.Pictures anunciou oficialmente a produção de uma sequela de Batman Begins, intitulada The Dark Knight.
  Após aturada pesquisa, Jonathan Nolan, irmão e coargumentista do realizador,sugeriu que as duas primeiras aparições do Joker servissem para a personagem cimentar a sua influência. Para que nada fosse deixado ao acaso, foi contratado como consultor Jerry Robinson, cocriador do Palhaço do Crime.
   Chris Nolan, por seu lado, citaria como suas principais referências o arco de histórias Batman: The Killing Joke (Batman: A Piada Mortal) e o filme Heat (em terras lusas pertinentemente subtitulado Cidade Sob Pressão). Parece, com efeito, decalcada da mencionada BD a fala do Joker em que ele sustenta que, sob as devidas circunstâncias, qualquer um pode tornar-se igual a ele. Já o blockbuster dos anos 1990, protagonizado por Al Pacino e Robert DeNiro, serviu de modelo para retratar a relação simbiótica entre uma grande metrópole e os seus habitantes.

Chris Nolan dando instruções a Batman. Ora aí está uma coisa que não se vê todos os dias...
    Ainda de acordo com Nolan, "escalada" é a palavra-chave para definir esta sequela. Gotham City é fraca e os seus habitantes culpam Batman pela violência e corrupção que corroem as fundações da cidade. Muitas coisas teriam, portanto, de piorarem antes de melhorarem.De permeio são explorados temas aflorados no primeiro capítulo da saga, como a dicotomia justiça versus vingança. Quanto ao título escolhido, o realizador fez notar que não se trata de uma simples referência a um dos cognomes do Batman, mas também a Harvey Dent, espécie de cavaleiro andante caído em desgraça.
   Com Chicago a fazer as vezes de Gotham, as filmagens de O Cavaleiro das Trevas arrancaram em abril de 2007. Já depois de terem sido transferidas para Inglaterra, ficaram ensombradas pela morte de um técnico em consequência de um aparatoso despiste com o Batmóvel. Um mau agoiro para o que viria a seguir: o intrigante falecimento de Heath Ledger escassos meses antes da estreia mundial do filme (18 de julho de 2008). Tragédia que levou os mandachuvas da Warner Bros. a darem maior ênfase ao Joker na campanha de marketing viral que vinham desenvolvendo para promover a película. A qual seria dedicada a Heath Ledger e ao malogrado técnico.

O Palhaço, o Morcego e o bipolar.

Enredo: Em Gotham City, um banco propriedade da Máfia é assaltado pelo Joker e seus comparsas, deixando para trás um sulco de cadáveres. Na sequência desse episódio, Batman e o tenente James Gordon concordam em incluir Harvey Dent, o novo promotor público da cidade, no seu plano para combater o crime organizado. Apesar de Dent ser também o novo interesse romântico da ex-namorada de Bruce Wayne, Rachel Dawes, o milionário, depois de verificar a sinceridade do promotor, compromete-se a organizar uma festa com vista à angariação de fundos para a sua campanha.


Maggie Gyllenhaal substituiu Katie Holmes no papel de Rachel Dawes.

  Sal Moroni, Gambol, Chechen e outras figuras gradas do submundo do crime reúnem-se a fim de debaterem os novos problemas que afetam os seus negócios. Lau, um contabilista ao serviço das tríades chinesas, conta, através de videoconferência, como transferiu o dinheiro de todos eles para Hong Kong. Território onde ele próprio se acoitou, para assim escapar às investigações policiais em curso.
   A reunião é subitamente interrompida pelo Joker que chama a atenção dos presentes para o facto de que as ações de Batman não são condicionadas por jurisdições ou fronteiras geográficas. Em troca de metade do dinheiro,o macabro intruso oferece-se para liquidar o guardião de Gotham. Oferta prontamente rejeitada pelos mafiosos. Gambol vai mesmo mais longe, oferecendo uma recompensa pela cabeça do Palhaço do Crime. Pouco tempo depois, Gambol é assassinado pelo Joker que, de caminho, recruta os seus homens.
   Em Hong Kong, Batman captura Lau e entrega-o à custódia da polícia gothamita. Na expectativa de obter uma redução da sua sentença, o contabilista aceita testemunhar em tribunal contra os seus antigos empregadores.
   Em retaliação, o Joker lança um ultimato aos habitantes de Gotham:  irá matar diariamente um inocente até o Homem-Morcego revelar a sua verdadeira identidade. Daí decorrendo as execuções do comissário do Departamento de Polícia de Gotham City (DPGC) e da juiza titular do processo da Máfia. Já a tentativa do Palhaço do Crime de eliminar fisicamente o mayor da cidade fracassa devido à intercessão do tenente Gordon, sacrificando aparentemente a própria vida.
  Perante este dramático cenário, Bruce Wayne prepara-se para se expor, mas é surpreendido pelo anúncio público de Harvey Dent assumindo ser ele o Batman. Enquanto é escoltado pela polícia para local seguro, Dent é perseguido pelo Joker. Tratava-se, contudo, de uma cilada orquestrada por Batman e por Gordon (que encenara, afinal, a própria morte), usando o promotor como isco.
  Graças ao auxílio do Cavaleiro das Trevas, Gordon prende o Joker e é promovido a comissário. Porém, nessa mesma noite, Dent e Rachel Dawes desaparecem. Interrogado pelo herói, o Palhaço do Crime acaba por revelar que os dois foram levados para prédios armadilhados com explosivos localizados em lados opostos da cidade, e que serão destruídos ao mesmo tempo.

Ele está mesmo atrás de mim, não está?

  Batman parte para salvar Rachel, cabendo aos homens de Gordon salvar Dent. No entanto, o herói apercebe-se de que foi trapaceado pelo Joker. Em vez da ex-namorada de Bruce Wayne, ele depara-se com Dent, instantes antes de ambos os prédios irem pelos ares. Rachel morre na explosão e Dent tem metade da cara desfigurada pelas chamas. Quase em simultâneo, o Joker deflagra uma bomba na sede do DPGC e escapa com Lau.
  Depois de matar Lau e Chechen, o Joker ameaça fazer explodir um hospital se Coleman Reese, um contabilista das Empresas Wayne que deduziu a verdadeira identidade do Batman, não for morto dentro de uma hora. Enquanto o Cavaleiro das Trevas salva Reese, o Palhaço do Crime visita Harvey Dent no hospital, convencendo-o a vingar a morte de Rachel Dawes, indo atrás dos verdadeiros culpados. De seguida o vilão destrói o hospital, levando consigo um autocarro apinhado de reféns.
   Já como Duas Caras, Harvey Dent caça os responsáveis pela morte de Rachel. Os quais julga lançando uma moeda ao ar. Sempre que a sua face riscada fica para cima, o réu é sentenciado à morte. É o que sucede com Maroni e com um polícia que ajudara a raptar Rachel. Sorte diferente teve o próprio Joker a quem calhou a face intacta da moeda do Duas Caras.

Cara ou coroa? Vida e morte ditadas pela moeda do Duas Caras.
 
   Entretanto, descobre-se que duas balsas cheias de gente foram armadilhadas com explosivos pelo Palhaço do Crime. Numa delas encontram-se civis inocentes, ao passo que a outra tem como passageiros reclusos e guardas prisionais. Aos dois grupos o Joker oferece uma hipótese de sobrevivência: tudo o que têm de fazer é afundar a outra balsa. Caso contrário, ambas as embarcações serão destruídas.
  No entanto, para enorme frustação do vilão, os ocupantes das balsas recusam matar-se uns aos outros. Capturado pelo Batman, o Palhaço do Crime explica a complexa relação entre ambos. Gaba-se também da sua vitória, pois provou que Harvey Dent - o maior símbolo de justiça em Gotham - não era, afinal, incorruptível. E isso fará com que o povo da cidade perca ainda mais a esperança.
   Nos escombros do prédio onde Rachel morreu, Batman encontra o Duas Caras mantendo refém a família do comissário Gordon. Transtornado, o antigo promotor decide os destinos de Batman, do filho de Gordon e o seu próprio. Em resultado dos dois primeiros lançamentos da moeda, o Homem-Morcego é baleado na barriga e o Duas Caras autoabsolve-se. Quando ele se preparava para julgar o menino, Batman investe contra Dent, provocando-lhe uma queda de vários andares.
  Consciente de que os cidadãos de Gotham perderão a sua esperança na justiça se tiverem conhecimento da corrupção de Dent, Batman convence Gordon a incriminá-lo pelas mortes causadas pelo ex-promotor. Após discursar no funeral de Dent, o consternado comissário ordena a caça ao herói caído em desgraça e destrói o batsinal.
  Longe dali, Alfred, o fidelíssimo mordomo de Bruce Wayne, queima uma carta de Rachel Dawes onde esta anunciava o seu noivado com Harvey Dent.

Trailer:



Curiosidades:

* Na sua preparação para o papel de Joker, Heath Ledger escondeu-se num quarto de motel durante aproximadamente seis semanas. Durante esse período de reclusão voluntária, o ator autraliano mergulhou profundamente na psique do Palhaço do Crime. Ao que consta teve no visual sinistro de Sid Vicious (malogrado vocalista dos Sex Pistols) e nos maneirismos psicóticos de Alex de Large (personagem do filme Laranja Mecânica) os seus principais referenciais no processo de construção da sua personagem;
* Usando maquilhagem de palhaço e cosméticos comprados numa drogaria, Heath Ledger (o mais jovem ator a interpretar o Joker) criou a sua própria caracterização. Depois de devidamente aprovado pela produção, o visual passou a ser reproduzido e aplicado pela equipa de caracterização;
*Trata-se do primeiro filme baseado numa banda desenhada a conquistar um Óscar. No caso, o de Melhor Ator Secundário, atribuído postumamente a Heath Ledger, cuja atuação foi, de resto, marcada pelos constantes improvisos;

"Quando eu morrer, os meus filmes perdurarão". Palavras proféticas de um ator que se tornou um mito.
*O novo traje de Batman - mais leve e confortável do que o anterior -  foi confecionado com 200 peças de borracha, fibra de vidro, nylon e liga metálica. Inspirado nos capacetes de motociclismo, o capuz foi separado da peça do pescoço, permitindo assim a Christian Bale mover a cabeça em todas as direções. Facto que agradou em tal medida ao ator galês que ele insistiu em ficar com o referido acessório após a conclusão das filmagens;
*O filme apresenta vários elementos que remetem para a primeira aparição do Joker em Batman nº1 (1940): tanto na película como na  banda desenhada, o vilão anuncia publicamente os crimes que se propõe cometer, remove a maquilhagem e disfarça-se de polícia para ter acesso ao indivíduo que ameaçou matar, usa uma bomba para escapar da prisão, rouba e mata movido apenas pelo desejo de disseminar o caos e desdenha dos criminosos tradicionais;
*Numa primeira versão do guião, uma vez sacada a informação sobre o paradeiro de Rachel, a dramática cena do interrogatório do Cavaleiro das Trevas ao Palhaço do Crime na sede do DPGC terminava com o herói a derrubar o vilão, pontapeando-lhe de seguida a cabeça. Esta cena foi, porém, cortada durante o processo de edição, porque Chris Nolan considerou essa ação demasiado petulante para os padrões éticos do Batman;
*Este é o único filme da trilogia em que não se assiste a uma surpreendente revelação sobre a verdadeira identidade do vilão. É também o único em que a Liga das Sombras não desempenha um papel ativo na trama;
* Apesar da ausência de Batman no título, O Cavaleiro das Trevas foi a primeira película baseada em super-heróis a atingir a  fasquia de um bilião de dólares de receitas;
* 39 veículos são espatifados, crivados de balas, mandados pelos ares ou tomam parte em qualquer tipo de violência ao longo do filme. As vítimas mortais, essas, cifram-se em 36. Ainda assim, o espectador só vê sangue em três momentos: na face de um refém agarrado pelo Joker, no braço de Batman depois de este ter sido mordido por um cão e na almofada de Harvey Dent no hospital;
* Chris Nolan e os seus coargumentistas cedo deliberaram que as origens do Joker não seriam exploradas na trama. Conferindo dessa forma à personagem uma natureza ainda mais obscura e desconcertante. Por contraponto às suas anteriores versões cinematográficas (encarnadas por Cesar Romero e Jack Nicholson), este Joker não teve a sua aparência alterada a título permanente após um banho químico. Ao invés, fazendo jus ao epíteto de Palhaço do Crime, é retratado como um indivíduo seriamente perturbado que se maquilha para compor um visual tétrico.


Guardião de Gotham.

Prémios e nomeações: Quebrando o antigo recorde detido por Dick Tracy (1990) para o filme baseado numa BD com maior número de indicações para os Óscares (7), O Cavaleiro das Trevas foi nomeado em 8 categorias. Foram elas: Melhor Ator Secundário, Melhor Edição de Som, Melhor Direção Artística, Melhor Fotografia, Melhor Sonoplastia, Melhor Caracterização, Melhores Efeitos Visuais e Melhor Edição. No final, arrebataria as estatuetas douradas referentes às duas primeiras categorias.
   Primeiro ator oscarizado a título póstumo, Heath Ledger conseguiu a proeza de conquistar uma vintena de outros prémios, entre os quais o Golden Globe Award e o BAFTA Award para Melhor Coadjuvante.
   Além das supramencionadas nomeações para os Óscares, O Cavaleiro das Trevas foi eleito um dos dez melhores filme de 2008 pelo American Film Institute.
 
Heath Ledger, um Joker inesquecivel.


Veredito: 90%

  O que se pode dizer sobre um filme que, tanto no plano narrativo como técnico, toca as raias da perfeição? 
  Eram tão colossais as expectativas criadas em seu redor que O Cavaleiro das Trevas poderia ter ficado soterrado por elas. Superado com distinção o desafio que inevitavelmente se coloca às sequelas de blockbusters, este segundo capítulo é, na minha ótica, o melhor de toda a saga. E, sem sombra de dúvida, um dos melhores filmes dentro do seu género.
 Dirigida com virtuosismo por Nolan e magistralmente interpretada por uma constelação de atores de primeira apanha (que acabam, ainda assim, ofuscados por um genial Heath Ledger), a película falha apenas no pouco tempo concedido à evolução psicológica de Harvey Dent. Uma personagem com o potencial filosófico do Duas Caras (personificação da ambivalência moral do ser humano) merecia abordagem mais aprofundada.
  À parte isso, tudo o mais é fascinante: tanto o enredo inteligente que faz refém a atenção do espectador do primeiro ao último minuto como as eletrizantes cenas de ação suscetíveis de fazerem disparar os níveis de adrenalina dos que vibram com tiros, bombas e murros nas trombas.
  A ver e a rever este O Cavaleiro das Trevas, pois fica melhor de cada vez que se assiste.
    

5 comentários:

  1. Respostas
    1. Bondade tua. Espero continuar a propiciar-te leituras estimulantes através dos artigos que aqui vou postando.

      Eliminar
  2. Uma trama envolvente que está mais para um thriller policial do que uma história de herói de HQs. As interpretações são magníficas e o final deixa um gosto de "quero muito mais".
    Obrigado pelo excelente post, e as pesquisas sobre as "Curiosidades" são muito bem vindas, pois haviam algumas coisas que eu nem imaginava.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como ficou bem patente na crítica com que encerro o artigo, este segundo capítulo da aclamada trilogia cinemática do Cavaleiro das Trevas é, na minha opinião, o mais bem conseguido dos três. Com tão rica matéria-prima, difícil seria, pois, não me sentir inspirado para dissertar sobre esta pérola da sétima arte, suscetível, pelo registo de thriller policial que referes, de agradar a um público mais vasto do que o dos fãs de super-heróis.
      Eu é que te agradeço contudo a disponibilidade para acompanhares o trabalho que venho desenvolvendo neste amadorístico - na dupla aceção do termo, porquanto coloco muita paixão nele - blogue.
      No que às curiosidades diz respeito, de tão extenso que era o rol, vi-me na contingência de selecionar as que julguei mais interessantes e menos conhecidas do público em geral. Haveria, porém, muitas outras que seguramente fariam as delícias de "nerds" como nós.
      Aproveito para informar que, no seguimento desta entrada, o próximo post será dedicado ao Duas Caras, vilão clássico das histórias do Batman e cuja personalidade dual o torna uma das personagens mais fascinantes da BD.
      Excelsior!

      Eliminar
    2. Com certeza estarei aguardando com expectativa!
      Parabéns pelo valioso trabalho!

      Eliminar