quinta-feira, 6 de outubro de 2011

ETERNOS: JACK KIRBY (1917-1994)




    Stan Lee, seu parceiro criativo, apelidou-o de "O Rei". Título mais do que merecido dada a dimensão da sua obra, fruto de uma prodigiosa (e aparentemente inesgotável) imaginação. Jack Kirby é uma lenda. E as lendas são eternas...
    Nascido Jacob Kurtzberg a 28 de agosto de 1917 em Nova Iorque, foi, sob o pseudónimo que o imortalizou, escritor, editor e desenhador de quadradinhos.
    Kirby começou a trabalhar para os Estúdios Fleischer em 1935, onde fazia as sequências para o desenho "Popeye". No ano seguinte, juntou-se ao Lincoln Newspaper Syndicate, ali trabalhando até à falência da empresa em 1938.
   Conheceu Joe Simon enquanto este fazia trabalho freelance para diversas editoras. Os dois jovens uniram-se e começaram a produzir e vender BD. É da autoria desta Dupla Maravilha o heroi patriótico Capitão América para a Timely Comics (antecessora da Marvel Comics) em 1940. As perspetivas dinâmicas de Kirby, as técnicas cinematográficas, o seu uso de quebrar quadros sequenciais e um exagerado senso de ação fez do título um sucesso imediato, reescrevendo as regras das histórias em quadradinhos.
   O nome Simon & Kirby tornou-se sinónimo de estórias empolgantes de super-heróis. Depois de dez edições de "Captain America", eles mudaram-se para a concorrente DC, onde assumiram o personagem Sandman na revista "Adventure Comics"; a dupla também produziria Boy Commandos, Newsboy Legion (Legião Jovem) e Manhunter.
   O fim da II Guerra Mundial trouxe o declínio da popularidade dos comics com super-heróis. Kirby e o seu parceiro apostaram então em géneros alternativos: crime, terror, humor e faroeste.
   A parceria Kirby & Simon terminaria em 1954 com a indústria dos comics estagnada por uma autoimposta censura. Kirby entretanto continuou a escrever, reinventando a personagem Green Arrow (Arqueiro Verde) na revista Adventure Comics, além de criar o clássico sobre os aventureiros desafiadores da morte Challengers of the Unknown (Desafiadores do Desconhecido).
   Entretanto, Kirby regressou à Marvel onde desenhou uma série de histórias de terror, monstros e ficção científica. O visual bizarro das suas criaturas alienígenas foi sucesso imediato entre os leitores. A pedido do diretor Martin Goodman e do editor, diretor de arte e escritor Stan Lee, Kirby voltou a trabalhar com quadradinhos de super-heróis em 1961.
   Kirby teve participação na criação de praticamente todas as personagens Marvel nos anos seguintes. Destacam-se as personagens e conceitos do Quarteto Fantástico, Homem de Ferro, Dr. Destino, Inumanos e muitos outros.
   Kirby era frequentemente coautor das histórias que desenhava, introduzindo elementos que não eram mencionados nos scripts de Lee; em particular, Kirby é creditado como sendo o criador do Surfista Prateado (Silver Surfer), que não foi citado no argumento de Lee da história onde a personagem apareceu pela primeira vez.
    A relação entre Kirby e Lee nem sempre seria, porém, pacífica. Em virtude de uma desavença entre ambos, Kirby migrou novamente para a arquirrival DC no princípio dos anos 1970. Sob a chancela "Jack Kirby´s Fourth World", produziu uma série de novos títulos, entre os quais Os Novos Deuses (The New Gods) e Senhor Milagre (Mister Miracle).
   Várias personagens desta fase acabaram integradas no universo DC. É o caso do demónio Etigran e do vilão cósmico Darkseid.
    Retornaria uma última vez à Marvel para relançar o Capitão América (cujas histórias escrevia e ilustrava) mas acabaria por abandonar os comics para se dedicar à animação, projetando o design de "Turbo Teen" e de "Thundarr The Barbarian".
    Partiu a 6 de fevereiro de 1994, deixando um impressionante legado: estima-se que desenhou para cima de 25 mil páginas e também tiras de jornal, esboços e ilustrações para filmes de Hollywood.
Um rei que deixou vazio um trono ainda por preencher...

Algumas personagens da Marvel desenhadas por Jack Kirby.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

NÉMESIS : DUENDE VERDE




     Se há vilão sobre cuja morte os rumores foram manifestamente exagerados, é o Duende Verde (Green Goblin). Os gatos podem ter nove vidas mas este inimigo figadal do Homem-aranha tem decerto muitas mais. Morto ou dado como morto incontáveis vezes, o Duende Verde sempre regressa do Além. Com um obstinado propósito: atormentar o aranhiço.

Criadores: Stan Lee e Steve Ditko (os mesmos do Homem-aranha).
Primeira aparição: The Amazing Spiderman nº14 (julho de 1964)
Licenciador: Marvel Comics
Identidade civil: Norman Virgil Osborn
Origem:Hartford, Connecticut
Família conhecida: Harry Virgil Osborn (filho), emily (esposa falecida)
Filiação: Sexteto Sinistro, Cabala
Base de operações: Nova York
Poderes e armas: o soro mutagénico desenvolvido por Osborn, concedeu-lhe força, velocidade e destreza sobre-humanas, além de um fator de cura que lhe permite recuperar de ferimentos potencialmente letais. Entre o seu vasto arsenal, o Duende Verde dispõe de um planador, bombas abóbora e luvas com micro-circuitos embutidos que lhe permitem disparar rajadas elétricas até mil volts. Também usa uma armadura de cota de aço à prova de bala.

   Norman Osborn era apenas uma criança quando se tornou obcecado pela riqueza e pelo poder. O seu pai, um empresário falido, descontou as suas frustrações no pequeno Norman. Ele começa a perceber que não poderia depender financeiramente de ninguém e começa a trabalhar depois da escola, guardando cada centavo ganho. A última coisa que Norman desejava era tornar-se um fracassado como o seu pai. Aluno brilhante,  forma-se em Química, Engenharia Elétrica e Administração. Um dos seus professores, Mendel Stromm, torna-se o melhor amigo de Norman e, juntos, eles constroem a Oscorp.
    Norman casa-se com a sua namorada na faculdade, Emily, e dessa relação nasce Harry, o seu único filho. Tudo parecia correr bem até Emily adoecer e falecer. Após a morte dela, Norman passou a dedicar-se ao trabalho tendo pouco tempo para Harry. Ambicioso, Norman Osborn decide ter o controlo total da Oscorp, o que consegue quando Mendel é preso por práticas ilegais. Enquanto lia algumas anotações do ex-sócio, Norman encontrou uma fórmula secreta que o faria superpoderoso. No entanto, o seu filho Harry, cansado de ser ignorado e rejeitado pelo pai, trocou os compostos da fórmula, o que a tornou verde e acabou explodindo no rosto de Norman.
    Nascia assim o Duende Verde. Ironicamente, a mesma fórmula que lhe concedeu habilidades sobre-humanas, originou também a sua insanidade. E seria essa a sua maior fraqueza. A sua mente instável leva-o a ser impulsivo e, por conseguinte, a cometer erros que, não raras vezes, ditam a sua derrota.
    Obcecado pelo Homem-aranha, o Duende Verde logrou descobrir a verdadeira identidade do heroi após capturá-lo. O seu némesis era, afinal, Peter Parker, o melhor amigo do seu filho Harry. Para provar a sua superioridade, o Duende solta o aracnídeo que, todavia, parte no seu encalço. Sobrevivendo a uma violenta descarga elétrica, o vilão fica amnésico. Recuperaria a memória algum tempo depois e voltaria a infernizar a vida do Homem-aranha. Sequestra então  Gwen Stacy, a namorada de Peter Parker à época. Ao tentar salvar a rapariga de uma queda fatal, o Homem-aranha acaba por ele próprio a matá-la acidentalmente. Na batalha que se segue, o Duende Verde acaba por ser morto empalado pelo próprio planador.
     Durante o período em que Norman Osborn foi dado como morto, surgiram outros duendes, entre os quais Harry Osborn que culpava o Homem-aranha pela morte do pai e queria vingar-se. Também o ex-psiquiatra de Norman, Barton Hamilton, usou durante algum tempo a máscara do Duende Verde.
     O Duende Verde inspirou ainda algumas variantes suas como o Duende Macabro (sobre o qual falarei futuramente).
     Atualmente, após os eventos narrados em Invasão Secreta, Norman Osborn assumiu a identidade do Patriota de Ferro e lidera os Vingadores Sombrios, sendo aclamado como salvador dos EUA.
     Presença assídua em várias séries e filmes animados do Homem-aranha, o Duende Verde foi o vilão eleito para co-estrelar o primero filme do Cabeça de Teia, datado de 2002. Numa prestação que ficou aquém das expetativas, é interpretado por Willem Dafoe. Já em "Homem-aranha 3" (2007), tal como na BD, é Harry Osborn (James Franco) quem assume a identidade do Duende.
O Duende Verde em "Spiderman" (2002).