clique aqui e encontre um template com a sua cara - template for blogger»

sexta-feira, 20 de julho de 2012

HERÓIS EM AÇÃO: LIGA DA JUSTIÇA


      Reunindo os maiores heróis do mundo, a Liga da Justiça já foi da América, tornou-se Internacional e em 2011 deu o salto definitivo para o século XXI. O seu poder, contudo, é muito superior à soma das partes que a compõem, sendo por isso a primeira linha de defesa da Humanidade face a qualquer ameaça.

Nome original: Justice League of America (JLA)
Primeira aparição: Brave and the Bold nº28 (março de 1960)
Criador: Gardner Fox
Licenciadora: DC
Membros fundadores: Super-Homem, Mulher-Maravilha, Batman, Aquaman, Lanterna Verde (Hal Jordan), Flash (Barry Allen) e Caçador de Marte.
Membros atuais: Super-Homem, Mulher-Maravilha, Batman, Aquaman, Lanterna Verde (Hal Jordan), Flash (Barry Allen) e Cyborg.
Base de operações: Ao longo dos anos, a Liga da Justiça teve como sede vários tipos de instalações: a primeira foi o Santuário Secreto (1960), seguiu-se o Satélite da Liga (1970), o Complexo da Liga da Justiça (1984), as Embaixadas da Liga da Justiça Internacional (1987), a Torre da Liga (1997), o Hall da Justiça (2007) e o novo Satélite da Liga (2007).

A estreia da LJA no número 28 de Brave and the Bold (1960).
Origem: Diferentes versões da origem da equipa foram sendo apresentadas ao longo das mais de cinco décadas de publicação. Quase todas com variações significativas na continuidade.
                Na primeira versão, publicada na Idade da Prata dos quadradinhos, a Liga da Justiça, pelas mãos de Gardner Fox (vide Eternos: Gardner Fox), surge como uma reciclagem da clássica Sociedade da Justiça da América. Fox optou por "Liga" por considerar esse um nome mais dinâmico do que "Sociedade", e também pela conotação do termo com o basebol e o futebol americano, duas das mais populares modalidades desportivas nos EUA.
                Tudo começou com a invasão de um grupo de competidores alienígenas, os Appellaxianos, enviados para a Terra numa missão de conquista que determinaria qual deles seria o soberano do seu mundo natal. Os ataques das criaturas chamaram a atenção do Super-Homem, Mulher-Maravilha, Lanterna Verde, Flash, Aquaman, Caçador de Marte e Batman. Enquanto os heróis iam, individualmente, neutralizando cada um dos invasores, acabaram por tornar-se o alvo do mais poderoso dos extraterrestres. Apenas unindo forças os Sete Magníficos (cognome comummente atribuído à Liga), lograram derrotar a criatura. No final, os heróis decidiram manter a equipa a fim de enfrentarem juntos ameaças de grande magnitude.
                Essa história, no entanto, seria completamente revista anos mais tarde, já em plena Idade do Bronze. Depois de ter detetado várias incongruências nos registos da Liga, o Arqueiro Verde (entretanto admitido) obteve a confissão dos seus colegas de que, de facto, a equipa fora formada depois de os outros seis membros fundadores terem resgatado o Caçador de Marte de forças marcianas. Nessa missão participaram outros heróis como Robin, Homem-Robô e até a repórter Lois Lane(!). Formalizada a formação da equipa, os seus membros concordaram em omitir estes factos de modo a evitar uma histeria antimarciana (refletindo a paranoia anticomunista da época).
               Com o fim do multiverso, decorrente da Crise nas Infinitas Terras, a origem da Liga da Justiça foi, uma vez mais, reformulada. Nesta terceira versão, a Canário Negro foi incluída como um dos membros fundadores, ao passo que o triunvirato composto por Batman, Super-Homem e Mulher-Maravilha foi suprimido em virtude das suas versões pós-Crise serem mais jovens e em início de carreira.
               À semelhança da sua origem, também a composição do grupo variou muito ao longo dos anos. Na década de 1970, depois de a Liga se mudar para um satélite em órbita da Terra,  Homem-Elástico, Mulher-Gavião, Tornado Vermelho, Zatanna e Nuclear juntaram-se à equipa. Este período ficou igualmente marcado pelo regresso da Mulher-Maravilha.
               A década seguinte trouxe nova mudança de instalações e novos integrantes. Depois de quase todos os restantes membros fundadores da Liga não terem respondido atempadamente ao chamado de Aquaman para combater uma invasão marciana, o herói subaquático decidiu recrutar novos membros: Vixen, Gládio, Vibro e Cigana. Aos quais se juntavam os veteranos Zatanna, Homem-Elástico e  Caçador de Marte. Detroit foi a cidade escolhida para servir de base de operações à equipa agora liderada por Aquaman. Este seria, no entanto, pouco tempo depois substituído no cargo pelo Caçador de Marte de modo a poder salvar o seu próprio casamento.

A Liga da Justiça de Detroit foi mal recebida pelos fãs.

               Em resultado da reação negativa dos fãs a esta nova versão da Liga da Justiça, a equipa internacionalizou-se no final da saga Lendas. Nesta encarnação, o grupo contava inicialmente nas suas fileiras com Batman, Besouro Azul, Canário Negro, Capitão Marvel, Doutora Luz, Senhor Destino, Guy Gardner, Caçador de Marte e Senhor Milagre. Aos quais logo se juntaram o Gladiador Dourado, Fogo, Gelo, Capitão Átomo e dois Sovietes Supremos. Além de maior poder de fogo, a nova Liga da Justiça Internacional ganhou uma dimensão mais global, abrindo embaixadas nos quatro cantos mundo. Foi, de resto, esta a formação que, num primeiro momento, enfrentou Apocalypse em A Morte do Super-Homem. Durante este período as histórias possuíam um tom humorístico que não agradou a todos os leitores. O mesmo sucedendo com a segmentação da equipa (Liga da Justiça Europa, Liga da Justiça Força-Tarefa e até Liga da Justiça Antártida).  A acentuada quebra nas vendas, levou ao cancelamento dos vários títulos do grupo em 1996.

A irreverente Liga da Justiça Internacional.

                No ano seguinte, porém, surgia a LJA, uma equipa reunificada em histórias sérias. Numa clara tentativa de regresso às origens, o núcleo duro da equipa era formado por Super-Homem, Mulher-Maravilha, Lanterna Verde (Kyle Rayner), Flash (Wally West), Aquaman, Caçador de Marte e Batman. Como quartel-general, o grupo dispunha agora da Torre da Liga, localizada na Lua. Nesta versão, a LJA era uma alegoria para o panteão dos deuses e, por isso, foram incorporadas personagens de origem divina ou semidivina como a Grande Barda, Orion, Asteca e Zauriel. A par de operacionais humanos como a Caçadora, Aço, Arqueiro Verde (Connor Hawke) e Plastic Man. Outra aquisição importante foi Oráculo (Barbara Gordon) que providenciava informação valiosa para as ações do grupo.

Elenco clássico da LJA.
Da esq. para a dir.: Eléktron, Gavião Negro, Aquaman, Flash, Mulher-Maravilha, Super-Homem, Batman, Caçador de Marte, Lanterna Verde, Arqueiro Verde e Canário Negro.

              Finalmente, em 2011, no corolário da minissérie Flashpoint (Ponto de Ignição, já publicada no Brasil pela Panini Comics), todos os títulos da DC foram cancelados e relançados a partir do número um. Agora crismada simplesmente de Liga da Justiça, a equipa ganhou uma nova origem e voltou a contar (exceção feita ao Caçador de Marte que deu lugar ao ex-Titã Cyborg) com todos os membros fundadores, incluindo os "ressuscitados" Lanterna Verde/Hal Jordan e Flash/Barry Allen.  A este núcleo duro juntam-se ainda ocasionalmente Eléktron, Gavião Negro, Nuclear, Arqueiro Verde, entre outros.
A mais recente encarnação da Liga da Justiça.

Noutros media: Na sua qualidade de grupo de charneira da DC, a Liga da Justiça cedo extravasou o seu sucesso para a televisão através de várias séries de animação. A primeira das quais data de 1973 e é hoje icónica: Super Friends. Seguiram-se Justice League (2001), Justice League Unlimited (2004) e Young Justice (2011).  Pelo meio, em 1997, foi produzido um episódio-piloto de um série baseada na equipa mas o projeto foi prontamente cancelado devido à má qualidade do mesmo. Ainda nesse ano, estreou o filme de animação Justice League of America. Mais recentemente, na 6ª temporada de Smallville, foi apresentada uma versão alternativa da Liga, composta por Impulso, Aquaman, Cyborg, Canário Negro, Arqueiro Verde e, claro,  a versão jovem do Super-Homem.

Imagem do episódio-piloto da série cancelada da LJA (1997).

              
                  
       
          

segunda-feira, 16 de julho de 2012

NÉMESIS: APOCALYPSE


     Imortalizado na História dos quadradinhos como tendo sido o carrasco do Super-homem, Apocalypse é uma formidável máquina assassina cuja origem remonta aos primórdios do planeta natal do Homem de Aço.

Nome original: Doomsday
Primeira aparição: Superman: The Man of Steel nº18 (dezembro de 1992)
Criador: Dan Jurgens
Licenciadora: DC
Origem: Krypton
Parentes conhecidos: Bertron (criador/"pai" falecido)
Filiação: Sociedade Secreta de Supervilões III, Esquadrão Suicida, Apokolips
Poderes e habilidades: Criado para ser a suprema arma de destruição maciça, Apocalypse é o resultado da perversa engenharia genética levada a cabo pelo misterioso Bertron. Repetidamente morto pelas espécies mais letais do universo na inóspita superfície pré-histórica de Krypton, um bebé foi sucessivamente  clonado. De cada vez que isso acontecia, a criatura evoluía, tornando-se resistente ou imune ao que a tinha matado antes. Daí resultando a impossibilidade de Apocalypse ser derrotado duas vezes da mesma maneira. O monstro é, com efeito,  virtualmente indestrutível pois é invulnerável a quase tudo, dispõe de uma capacidade regenerativa quase instantânea, não precisa de se alimentar ou de respirar e consegue sobreviver no vácuo espacial. Todas estas características - a que se somam as protusões ósseas que lhe protegem os poucos órgãos vitais e a capacidade de gerar contramedidas adaptativas - são o corolário de sucessivas evoluções.  Por outro lado, Apocalypse possui uma força descomunal (superior a cem toneladas), supervelocidade e células absorventes que lhe permitem assimilar as capacidades meta-humanas de qualquer oponente seu (foi assim que adquiriu o poder de voo de que não dispunha anteriormente). Entre a sua vastíssima parafernália conta ainda com o Sentido Kryptoniano. Trata-se de uma habilidade genética que lhe permite pressentir a presença de qualquer outro ser com ADN kryptoniano. O que, por sua vez, leva imediatamente Apocalypse a considerá-lo como uma ameaça (o que explica a sua obstinação em matar o Super-homem aquando do primeiro encontro entre ambos).

A primeira aparição de Apocalypse em Superman: The Man of Steel nº18 (1992).

Biografia: No passado remoto de Krypton, muito antes da raça humanoide nativa dominar o planeta, uma abominação sem nome foi artificialmente criada com o propósito de se tornar a suprema arma de destruição em massa. Krypton era então um local inóspito onde apenas os predadores mais fortes e impiedosos tinham alguma hipótese de sobrevivência. Desejando criar uma forma de vida superior, um misterioso alienígena chamado Bertron enviou um bebé para a superfície desolada do planeta para que fosse quase imediatamente morto pelo ambiente hostil ou pelas criaturas ferozes que nele habitavam. Vezes sem conta os despojos mortais do bebé assassinado foram clonados a fim de criar um ser mais forte, mais rápido e mais resistente do que a sua versão anterior. Não tardou, porém, a que o insano cientista usasse a clonagem para acelerar a evolução da sua criatura. Ao longo das décadas que durou este processo, o ser que mais tarde se tornaria o carrasco do Homem de Aço, foi obrigado a sentir a agonia da tortura e da morte milhares de vezes. As recordações das suas incontáveis mortes ficaram gravadas nos seus genes, levando-o a odiar toda e qualquer forma de vida. Por fim, o monstro desenvolveu a capacidade de evoluir sem a tecnologia de Bertron. Tornou-se assim no mais poderoso predador do universo, caçando as feras que antes o tinham tentado matar.
Uma máquina assassina kryptoniana.
                  Depois de dizimar todas as formas de vida existentes em Krypton, Apocalypse partiu no encalço dos seus algozes: Bertron e a sua equipa de cientistas. Em resultado do sofrimento que lhe haviam infligido, todos foram chacinados às mãos da criatura.
                 Apocalypse escapou de Krypton a bordo de uma nave que Bertron construíra e espalhou um enorme rasto de sangue e destruição em vários mundos. Bylan 5 foi a primeira vítima da indómita fúria da criatura. Sucede que Darkseid se encontrava no planeta a fim de desposar um princesa nativa. Movido por interesses obscuros (Darkseid planeava apoderar-se dos depósitos químicos de Bylon 5 para produzir armamento para Apokolips), o vilão tentou impedir que Apocalypse aniquilasse aquele mundo. O confronto entre ambos, porém, foi breve pois, em resultado dele, a atmosfera de Bylan 5 tornou-se tóxica e o planeta deixou de ter qualquer utilidade para o soberano de Apokolips.
                 Apanhando boleia de uma nave salva-vidas, Apocalypse logrou escapar de Bylan 5. A próxima paragem na sua jornada de destruição foi Khundia, planeta onde a nave  salva-vidas se despenhou. Face à ameaça que o monstro representava, os vários clãs khundios juntaram esforços para conceber uma armadura para um bravo guerreiro chamado Kobald. A sua missão era forçar Apocalypse a entrar num foguetão que o levaria para longe de Khundia. Uma vez no espaço, Apocalypse matou Kobald e a explosão que se seguiu deixou-o à deriva no espaço sideral.

Apocalypse ficará na História como o carrasco do Homem de Aço.
                   O próximo a cruzar o caminho de Apocalypse foi um Lanterna Verde chamado Zharan Pel. Não só o monstro assassinou Zharan Pel como se apoderou do seu anel energético e, pressentindo o imenso poder dos Guardiões do Universo, partiu no encalço deles. Milhares de Lanternas Verdes foram enviados para detê-lo.  Todos, no entanto, sucumbiram às mãos de Apocalypse. A criatura prosseguiu a sua viagem até Oa (lar dos Guardiões do Universo) onde um dos Guardiões sacrificou a própria vida para travar a monstruosidade. Com Apocalypse morto, os Guardiões voltaram a sua atenção para a reorganização da Tropa dos Lanternas Verdes. Na verdade, em resultado das energias massivas usadas pelos Guardiões para derrotar o monstro, foi aberta uma brecha no espaço pela qual um Apocalypse ferido e inconsciente caiu.
                  Próxima paragem: Catalon. Após três anos de destruição genocida, e quando já só a capital restava de pé, todos os membros da família real cataloniana combinaram as suas forças vitais num ser composto de pura energia. Assim nasceu o Radiante, que matou Apocalypse com uma potente rajada energética (e destruindo um quinto do seu planeta no processo). Seguindo a tradição fúnebre cataloniana, Apocalypse foi amarrado, envolvido numa mortalha e, por se tratar de um assassino, foi lançado no espaço. Essa viagem acabaria por ter como destino final a Terra.
                 Devido ao impacto da aterragem, o que restava do casco da nave ficou enterrado nas entranhas do nosso planeta. Desconhece-se durante quanto tempo permaneceu no subsolo terrestre. Todavia, Apocalypse não estava morto. À semelhança do que sucedera incontáveis vezes no passado, ele evoluiu em resultado da sua morte. E ali permaneceu aprisionado até ao fatídico dia em que semearia o caos e a morte no nosso mundo, sendo apenas travado devido ao supremo sacrifício do Homem de Aço.
Super-homem versus Apocalyse: um choque de titãs.

Noutros media: Graças ao seu estatuto de assassino do Super-homem, Apocalypse tornou-se um fenómeno de popularidade dentro e fora dos comics. Em 2011, ficou em 46º lugar no Top 100 dos Melhores Vilões de Todos os Tempos, promovido pelo site britânico IGN. Na TV, marcou já presença em várias séries de animação produzidas pela DC: Justice League (com a particularidade de ter sido Michael Jai White - o ator que interpretou Spawn no cinema - a emprestar-lhe a voz); Justice League Unlimited (num episódio em que surge como um clone do próprio Homem de Aço, gerado pelo Projeto Cadmus); em Legion of  Super Heroes surge como um prisioneiro na Zona Fantasma (prisão extradimensional para criminosos kryptonianos); finalmente, na oitava temporada de Smallville surge como o principal antagonista do jovem Super-homem, sendo interpretado na forma humana por  Sam Witwer e por Dario Delacio na forma monstruosa. Nesta versão, Apocalypse foi criado pelo General Zod a partir do ADN das criaturas mais poderosas de Krypton.
                           No filme de animação Superman: Doomsday (2007), a sua origem é simplificada, passando a ser descrito como um supersoldado biomecânico. Já em Superman/Batman: Apocalypse (2010), um exército de clones de Apocalypse, criados por Darkseid, é enviado para atacar Themyscira, lar das Amazonas e da Mulher-Maravilha.
Apocalypse também marcou presença em Smallville.