clique aqui e encontre um template com a sua cara - template for blogger»

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

BD CINE APRESENTA: THOR




 
     Na semana em que Thor: O Mundo das Trevas chega às salas de cinema nacionais, recordamos aqui o primeiro filme do Deus do Trovão que, apesar das boas intenções e do elenco sólido, revelou algumas fragilidades.
 
 
Título original: Thor
Ano: 2011
Género: Ação/aventura/fantasia
País: EUA
Duração: 114 minutos
Estúdios: Marvel Studios
Realização: Kenneth Branagh
Argumento: J. Michael Straczynski e Mark Protosevich
Elenco: Chris Hemsworth (Thor), Natalie Portman (Jane Foster), Anthony Hopkins (Odin), Tom Hiddleston (Loki), Jaimie Alexander (Sif) e Rene Russo (Frigga)
Orçamento: 150 milhões de dólares
Receitas: 449,5 milhões de dólares

 
Pré-produção: Foi na esteira do êxito granjeado em 1990 por Darkman (filme que em Portugal recebeu o título de Vingança Sem Rosto) que o realizador Sam Raimi, numa reunião com Stan Lee e representantes da 20th Century Fox, apresentou a sua ideia para uma longa-metragem de Thor. O projeto, contudo, não teve aceitação por parte dos seus interlocutores, pelo que foi abandonado. Raimi, recorde-se, dirigiria, anos mais tarde, a trilogia original do Homem-Aranha (2002-2007).
       Só em finais da década de 1990, quando a Marvel Studios estava apostada em expandir-se rapidamente, é que a ideia foi repescada, embora em moldes diferentes. Desta feita, o Deus do Trovão, impulsionado pelo sucesso de X-Men (2000), ganharia vida não no grande mas no pequeno ecrã, em formato de telefilme a ser produzido pela United Paramount Network. Animada com a perspetiva, a produtora negociou com Tyle Mane para interpretar o papel principal.
       Em maio de 2000, a Marvel Studios associou-se à Artisan Entertainment para ajudar o financiamento do projeto, já não como telefilme mas como um adaptação cinematográfica do herói. Os anos, no entanto, foram passando e, em 2004, a película ainda não fora acolhida por qualquer estúdio. Entretanto, a Sony Pictures Entertainment comprou os direitos do filme e, em dezembro de 2004, David S. Goyer estava em negociações para assumir o argumento e a realização.
        No ano seguinte, debalde as conversações em curso entre Goyer e a Marvel, foi revelado que o cineasta já não estava ligado ao projeto. Foi também por essa altura definido que o filme seria distribuído através da Sony Pictures.
        Mark Protosevich, um fã das histórias do Deus do Trovão, foi contratado em 2006 para escrever o argumento do filme, período em que a Paramount Pictures adquiriu os direitos à Sony. Ainda nesse ano, o filme foi anunciado como uma futura produção da Marvel Studios.

Kenneth Branagh foi o escolhido para dirigir Thor.
 
        Em agosto de 2007, Matthew Vaughn foi o realizador escolhido para dirigir a película do Deus do Trovão. Uma das suas primeiras medidas consistiu em reescrever o guião original de Protosevich, de molde a reduzir o orçamento do projeto para 150 milhões de dólares, já que o primeiro rascunho teria um custo de produção estimado no dobro. Vaughn pretendia iniciar as filmagens no final de 2008 (ano em que Iron Man estreou com enorme sucesso). Razão pela qual a Marvel Studios calendarizou para 4 de junho de 2010 o lançamento de Thor, com Homem de Ferro 2 a servir de introdução ao Filho de Odin.
        Matthew Vaughn acabaria todavia por abandonar o projeto, depois de o seu contrato expirar em maio de 2008, sem que o elenco do filme estivesse sequer definido. Em dezembro desse mesmo ano, Kenneth Branagh foi anunciado como o novo realizador, com a Marvel Studios a aprazar a estreia para 17 de junho de 2011. Data pouco tempo depois alterada para 20 de maio de 2011, com o propósito de a distanciar do lançamento de outro filme estrelado por uma das figuras de proa da Casa das Ideias: Capitão América: O Primeiro Vingador.
        A rodagem de Thor arrancou em meados de janeiro de 2010 em Los Angeles, tendo sido transferida, dois meses depois, para Santa Fé e Galisteo (ambas no estado do Novo México), tendo sido construída nesta última uma cidade inteira para servir de cenário.

O poder do Deus do Trovão.
 
 
Enredo: Em 965 D.C., Odin, rei de Asgard, declara guerra aos Gigantes de Gelo de Jotunheim e ao seu líder Laufey, para os impedir de conquistar os nove reinos (que incluem a Terra).
       Os guerreiros Asgardianos saem vitoriosos da peleja e confiscam a fonte de poder dos Gigantes de Gelo.
       Muitos anos depois, Thor, o filho de Odin, prepara-se para ascender ao trono do Reino Dourado, mas a cerimónia de coroação é interrompida por uma invasão dos Gigantes de Gelo que procuram reaver a sua fonte de poder. Desobedecendo ao pai, o príncipe de Asgard, acompanhado pelo seu meio-irmão Loki e pelos seus amigos Sif, Volstagg, Fandral e Hogun (os Três Guerreiros), viaja para Jotunheim para confrontar Laufey.
      Segue-se uma violenta batalha que só termina com a intervenção do próprio Odin. Os Asgardianos são salvos mas a frágil trégua entre as duas raças é desfeita.
      Para punir Thor pela sua arrogância, Odin tira-lhe todo o poder divino e bane-o para a Terra como um mero mortal, acompanhado do seu martelo Mjolnir, agora protegido por um encantamento que impede que os indignos o possam empunhar.

Thor e Odin: o filho insolente e o pai severo.

       O Deus do Trovão chega à Terra - mais precisamente ao Novo México, nos EUA - onde a astrofísica Jane Foster, a sua assistente Darcy Lewis e o mentor de ambas Dr. Erik Selvig o encontram. Entretanto, o Mjolnir é encontrado pela população local e o agente da S.H.I.E.L.D. Phil Coulson confisca os dados da pesquisa de Jane Foster sobre o portal interdimensional que trouxe Thor ao nosso planeta.
       Thor, tendo localizado o Mjolnir, procura recuperá-lo mas é incapaz de levantá-lo, acabando capturado pela S.H.I.E.L.D. Com a ajuda de Selvig, ele é libertado e resigna-se ao exílio na Terra, ao mesmo tempo que se envolve romanticamente com Jane Foster.
       Loki, por sua vez, descobre que foi adotado por Odin e que o seu verdadeiro pai é Laufey, o rei dos Gigantes de Gelo. Debilitado pelo stresse da descoberta de Loki e pelo banimento de Thor, o monarca de Asgard mergulha num sono profundo que lhe permitirá recuperar-se. Loki autoproclama-se rei e oferece a Laufey a oportunidade de matar Odin e de reaver a fonte de poder do seu povo.
        Sif e os Três Guerreiros, descontentes com o governo de Loki, tentam resgatar Thor do seu exílio, convencendo Heimdall, guardião da Ponte Arco-íris - a ligação entre os nove mundos  - a permitir a sua passagem para Midgard (nome por que é conhecida a Terra entre os Asgardianos).
        Consciente do plano dos aliados do seu meio-irmão, Loki envia na sua peugada o Destruidor, um robô aparentemente indestrutível . Os Asgardianos encontram Thor, mas o Destruidor derrota  o grupo, obrigando o Deus do Trovão a oferecer a própria vida para que os outros possam afastar-se em segurança.
       À mercê do robô e próximo da morte, o sacrifício de Thor prova-o digno de empunhar o Mjolnir. De imediato, o martelo voa ao seu encontro, devolvendo-lhe os poderes divinos e habilitando-o a neutralizar o Destruidor.
Despojado dos seus poderes divinos, Thor é exiliado na Terra para viver como um mortal.
 
O Deus do Trovão sucumbe aos encantos de Jane Foster.
 
       Thor e os seus aliados regressam então a Asgard para derrubar Loki. Este, entretanto, trai e assassina Laufey, revelando o seu plano de usar a tentativa do rei do Gigantes de Gelo para atentar contra a vida de Odin como pretexto para destruir Jotunheim e assim se provar digno do seu pai adotivo.
      Thor chega a tempo de frustrar os planos do seu ignóbil meio-irmão, destruindo a Ponte Arco-íris no processo. Desperto do seu sono regenerador, Odin impede que os filhos caiam no abismo dimensional. Loki, porém, deixa-se cair.
      Odin faz as pazes com o seu filho pródigo, admitindo no entanto que ele não está ainda pronto para reinar. Na Terra, Jane Foster e a sua equipa procuram uma forma de abrir um portal para Asgard.
       Após os créditos finais do filme, surge uma breve cena que mostra o Dr. Selvig e Nick Fury (diretor da S.H.I.E.L.D.). Este último pede ao cientista para estudar um misterioso objeto, que diz ter um poder incalculável. Um Loki invisível ordena a Selvig que concorde, e o cientista aquiesce.

O insidioso Loki conspira nas sombras.

 
Curiosidades:
* Kenneth Branagh é fã de Thor desde a infância. Quando a Marvel o selecionou para assumir a direção do filme do Deus do Trovão, enviou-lhe a coleção completa dos vários títulos da editora estrelados pelo herói, para lhe servir de referência;
* Stan Lee afirma ter-se oferecido para desempenhar o papel de Odin, tendo contudo ficado satisfeito com a escolha de Anthony Hopkins;
* Para se preparar para dar vida ao imponente Deus do Trovão, Chris Hemsworth foi sujeito a um intenso programa de treino físico e a uma rigorosa dieta à base de ovos, vegetais, carne, arroz integral e bebidas proteicas. O ator já dispunha também, depois de um temporada em que trabalhou na construção civil na Austrália, de alguma experiência no manejo de martelos;
* Na pesquisa que levou a cabo para assumir o papel de Loki, Tom Hiddleston descobriu tratar-se de uma personagem multifacetada. Baseou por isso a sua interpretação em três atores de nomeada: Peter O'Toole, Jack Nicholson e Clint Eastwood;
* Os artefactos visíveis no arsenal Asgardiano são vários objetos místicos utilizados na mitologia da Marvel: a Chama Eterna, o Orbe de Agamotto, o Olho de Agamotto, a Tábua da Vida e do Tempo e a Manopla do Infinito;
* A armadura envergada por Thor no filme é uma amálgama dos uniformes do herói na cronologia oficial da Casa das Ideias e no universo paralelo Ultimate Marvel;
* Um modelo da armadura do Destruidor foi construído para ser utilizado na película;
* Depois de V de Vingança, Thor é a segunda adaptação cinematográfica de uma banda desenhada em que Natalie Portman participa;
* Stan Lee (um dos criadores do Deus do Trovão em 1962), faz, como habitualmente, um cameo no fime. Trata-se do motorista da pick-up que tenta rebocar o Mjolnir do sítio onde está cravado. Também J. Michael Strackzynski (autor de várias histórias de Thor na BD e coargumentista do filme) e Walter Simonson (ex-desenhador das histórias do Deus do Trovão) estão entre as primeiras pessoas que procuram arrancar o martelo encantado.

Odin ladeado pelos filhos, Thor e Loki.
 
Veredito:  53%

      Não sendo particularmente fantástico, Thor proporciona, ainda assim, uma razoável dose de entretenimento com as suas explosivas cenas de ação, efeitos visuais convincentes e algumas personagens interessantes (com Loki à cabeça). No entanto, o registo incutido à narrativa seria porventura mais adequado a um filme de animação, até pela moralidade subjacente.
      Oscilando entre o pomposo e o pueril, Thor a espaços faz lembrar um conto de fadas, mais do que um filme de um super-herói. Facto que constitui um retrocesso na credibilidade granjeada para o género graças a películas como Homem de Ferro e Os Vingadores. Os quais, pela maturidade da sua abordagem às respetivas mitologias, tornaram-se atrativos para um público mais amplo.
      Se nos quadradinhos a prosa shakesperiana de Thor já é maçadora, torna-se intolerável ao ser transposta para o grande ecrã. Os diálogos são fracos e o próprio Odin - mercê de uma atuação em piloto automático de Anthony Hopkins - é uma pálida sombra do seu homólogo na BD. Salva-se a magnífica interpretação de Loki a cargo de Tom Hiddleston, numa história em que o vilão é de longe mais interessante do que o  herói. Ainda nos aspetos positivos, destacam-se algumas sequências de luta bem conseguidas, numa produção que parecia realmente predestinada a ser lançada como telefilme.
     Não deverá, portanto, ser difícil a Alan Tyler (sucessor de Branagh na realização) oferecer-nos uma sequela que supere o filme original.